Na pele do outro – como a realidade virtual pode combater o racismo

Racismo pode ser amenizado com experimento de realidade virtual, segundo cientistas

Imagine colocar-se na pele de uma pessoa de uma etnia diferente da sua, ou de outro sexo, ou de outra matriz religiosa. Você acha que suas tendências ao racismo, xenofobia e preconceitos diminuiriam? Pesquisadores da Europa acreditam que sim – e têm obtido resultados positivos com pesquisas recentes que não só levam a pessoa pesquisada a mudar seus conceitos ou imaginar-se no corpo de outro, mas inserem a pessoa numa experiência profunda de “habitar em outra pele”, através de realidade virtual.

Cientistas de Londres e Barcelona debateram recentemente os resultados da aplicação de realidade virtual para proporcionar uma experiência profunda de “troca de pele” e formularam um artigo, publicado no jornal “Trends in Cognitive Sciences”

Para o co-pesquisador Mel Slater, viver em uma pele diferente ativa sinais sensoriais no cérebro que o permitem expandir sua compreensão sobre o que o corpo pode se parecer. “Isto pode fazer com que pessoas mudem suas atitudes sobre as outras”, afirma. Slater é professor de ambientes virtuais na Universidade College London e pesquisador na Universidade de Barcelona.

A percepção de si como um corpo de outra cor, através de mais elementos sensoriais, praticamente engana o cérebro e faz acionar mecanismos subconscientes de compreensão e proteção.

No experimento, mulheres brancas respondiam primeiramente a um “Teste Implícito por Associação” (IAT), um teste computadorizado capaz de revelar contornos racistas inconscientes. Elas, então, colocavam um capacete que dá a ilusão de estar num outro corpo. Eles utilizaram as cores de pele branca, negra e roxa. Depois da experiência, as mulheres faziam o teste IAT novamente.

As mulheres que incorporaram os corpos virtuais negros tornaram-se menos enviesadas contra pessoas negras no resultado de seus testes. As mulheres que incorporaram peles brancas ou roxas não aparesentaram mudanças nos testes.

Fonte: Huffington Post

 

Fonte: Semánario

Leia mais…

Olhos Azuis por Jane Elliott

+ sobre o tema

Milhares saem às ruas na Argentina para protestar contra feminicídio

Mobilização ocorre após caso de adolescente de 14 anos...

Aluna negra sem coque é impedida de entrar em escola militar na Bahia

A Polícia Civil da Bahia investiga um caso de racismo contra uma menina...

O racismo cotidiano, os racistas e a certeza da impunidade

Pedagoga gravada fazendo ofensas racistas foi presa, pagou fiança...

para lembrar

Abaixo-assinado Racismo na cartilha da Polícia

Eu Maria Conceição, mulher, negra, brasileira, moradora do Rio...

Human Rights Watch – Brazil: Executions, Cover Ups by Police

Despite Reforms, Extrajudicial Killings Persist in São Paulo ...

Arquitetura no Brasil perpetua violência colonial, diz escritora Grada Kilomba

Na abertura da 35ª Bienal de São Paulo, numa...

Milhares saem às ruas na Argentina para protestar contra feminicídio

Mobilização ocorre após caso de adolescente de 14 anos...
spot_imgspot_img

Educação escolar de negros com deficiência é marcada por capacitismo e racismo

Apesar da acessibilidade ser um direito garantido por lei para as pessoas com deficiência, a falta de ambientes acessíveis foi um dos principais problemas...

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...
-+=