“Não sou menino”: Charlize Theron revela que sua filha de 7 anos é transgênero

Como afirmou a vencedora do Oscar, sua filha Jackson lhe confessou com apenas 3 anos que não se identificava com o gênero masculino.

Do El País 

A vencedora do Oscar, Charlize Theron. VERA ANDERSON WIREIMAGE

Durante anos, os tabloides de Hollywood acompanharam com desconcerto a relação entre a atriz Charlize Theron e seu filho Jackson, que era retratado pelos paparazzis junto com a mãe vestindo saias e vestidos. Essa situação despertou uma forte controvérsia nas redes sociais em relação à capacidade de Theron como mãe e seu direito ou não de vestir assim o garoto de 7 anos, que foi apresentado em público como menino quando foi adotado. Um debate que a vencedora do Oscar decidiu encurtar e contextualizar no jornal The Daily Mail para que termine de uma vez por todas. “Sim, eu também pensava que era menino. Até que com 3 anos me olhou e disse: ‘Não sou menino!’”.

A protagonista de filmes como Mad Max: Fury Road e Monster, muito comprometida com a situação dos mais desfavorecidos na África do Sul, seu país de origem, somou à família outra menina adotada em 2015, chamada August. “Então o que acontece é que tenho duas filhas lindas que, como qualquer mãe, quero proteger e ver prosperar. Elas devem ser quem acharem que são quando crescerem, não é algo que eu tenha que decidir. Meu trabalho como mãe é honrá-las e amá-las e garantir que tenham tudo de que necessitam para serem quem desejarem ser. Farei tudo que estiver ao meu alcance para que minhas filhas tenham esse direito”, afirmou. Na entrevista, a sul-africana também quis fazer referência à influência que a educação oferecida por sua mãe teve sobre ela. “Cresci na África do Sul, onde as pessoas viviam com meias verdades, sussurros e mentiras, e ninguém se atrevia a dizer nada de frente. E fui criada especificamente para não ser assim. Minha mãe me ensinou a levantar a voz.”

Continue lendo aqui 

 

+ sobre o tema

Brasil se mobiliza pela descriminalização do aborto, a exemplo de Argentina e Irlanda

Mulheres saíram às ruas em quatro capitais pelo direito...

Seminário aborda luta antirracista, popular e periférica no Fórum Social Mundial

Em meio a crescente taxa de homicidio de jovens negros...

Direito ao voto feminino no Brasil completa 92 anos

As mulheres são atualmente 52% do eleitorado brasileiro, segundo...

para lembrar

Conselho de Psicologia proíbe profissionais de realizar ‘cura’ de travestis e transexuais

Entidade determina que não sejam feitos pronunciamentos que legitimem...

Procurador defende ‘obrigação sexual’ de mulheres e é alvo de representações no MP Federal

Duas representações enviadas à Corregedoria do Ministério Público Federal questionam mensagens...

Não tire o batom vermelho: Os sinais de um relacionamento abusivo

Os sinais de um relacionamento abusivo no JoutJout Prazer  no Youtube  

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações....
spot_imgspot_img

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...

1ª Parada Negra LGBT de BH acontece no próximo sábado (25/5)

No próximo sábado (25/5), data que marca o Dia da África, acontece em Belo Horizonte, a 1ª edição da Parada Negra LGBT. O evento acontece...

Em ano olímpico, Rebeca Andrade ganha homenagem da Barbie e quer inspirar outros sonhos

Rebeca Andrade, 25, possui uma longa lista de conquistas. A ginasta é medalhista olímpica, vencedora de ouro e prata, bicampeã mundial, medalhas nos jogos Pan-Americanos...
-+=