Natal: Descaso com a cultura popular

É preciso que fiquemos alertas aos tempos que se mostram para nós. É de se estranhar que na cidade de Martins, neste ano de 2011, não ter havido carnaval pelo fato da gestora ser evangélica, bem como a Prefeitura da cidade do Natal inaugure um monumento à bíblia no auge de uma crise política e convide uma banda gospel pagando um cachê quase referente ao valor de construção de toda a obra do largo de Yemanjá, que já tem recurso aprovado e depositado na conta da SEMUR, mas não realiza a construção. A Comissão contra o preconceito e discriminação da Câmara, juntamente com o movimento das religiões de matriz africana, já realizou 8 reuniões sem sucesso com a gestão executiva de Natal.

O que existe de coincidência nisso? Racismo e Cristianismo empurrados de forma arbitrária com recursos públicos? Até agora não há sinalização da Prefeitura em apoiar a tradicional festa de Yemanjá no réveillon da nossa cidade. Teremos uma festa mais branca e mais cristão, para aparentar que nossa cidade não tem sérios conflitos a mediar, inclusive no direito a livre expressão cultural e artística?

Neste momento, nossa visão não pretende ir além do que discutir o que representar só existir apoio para festas cristãs e que tem como pano de fundo a tradicional família. O que representa não acontecer o auto de Natal, espaço onde nossos artistas desenvolviam grandes performances, lembro-me de Amir Adad, sua irreverência com meu caro amigo jumento de Patativa, a liberdade do corpo que há 15 anos fazia pessoas de todas as idades de moverem em oficinas belíssimas e com a construção de um espetáculo popular e democrático.

Quando questionamos porque a Prefeitura não garante estrutura mínima para a festa de Yemanjá, questionamos junto o racismo e o conservadorismo aqui instalados que não permitem fazer do nosso estado ecumênico, tampouco mais laico. Refletindo, dessa maneira, o processo histórico de discriminação e preconceito com a população negra brasileira.

Existe instalado socialmente um medo das religiões de matrizes africanas, bem como, coincidentemente, medo de um homem negro na rua, de uma mulher negra como babá, de uma criança negra para ser adotada, negro na porta de banco, enfim, a aversão ao que vem de negro (a) e pobres foi a forma como o nosso estado se organizou nas suas subjetividades e nas suas crenças religiosas.

Não basta apenas existir um Museu da cultura popular e pôr lá todas as religiões que compõem a cultura brasileira e nordestina em um aparente ato de tolerância e respeito. A questão é bem mais complexa do que geralmente analisamos.

Pesquisas mostram que as mulheres negras são desvalorizadas socialmente, sempre com números negativos em dados referentes a sua qualidade de vida e aos recursos sociais e humanos, bem como os homens negros são maioria dos jovens assassinados no Brasil. As mulheres negras são as que mais morrem por morte materna, bem como as que têm o filho com menor peso, ou seja, temos motivos ou não para desconfiar que o racismo está na nossa política e na nossa cultura?

É urgente superar o racismo em todas as fases de execução das políticas sociais brasileiras, bem como, reconhecer a inegável contribuição de toda a população negra com seus costumes e crenças, que fazem dessas religiões afro-brasileiras uma experiência única, e ser estudada e valorizadas por pesquisadores do mundo todo, menos por nós, que estamos aqui e, por preconceito, não nos permitimos a sentir o axé.

Coletivo Leila Diniz

+ sobre o tema

O caráter racista da PEC 55

Cortar investimentos públicos significa manter os negros nos grilhões Por Djamila...

Três ex-policiais são considerados culpados por papel na morte de George Floyd

Um tribunal federal dos Estados Unidos declarou culpados nesta...

para lembrar

TJ-SC condena jornalistas por racismo em charge

Um chargista e um editor-chefe de um jornal...

Imigrantes africanos são alvo de incêndio premeditado em Israel

Um apartamento que pertencia a imigrantes africanos em...

Quanto valem os direitos

Entre a austeridade e a defesa de direitos sem...

Professor repreende aluno negro vestido de papai noel

Garoto negro se fantasia de papai noel e professor...
spot_imgspot_img

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...
-+=