Negros e indígenas são os mais afetados pela mudança do ensino presencial para EAD

Enviado por / FontePor Murilo Andrade, do FN

Negros e indígenas são os mais afetados pela mudança do ensino presencial para EAD.

Com a pandemia do novo coronavírus, que provoca a Covid-19, muitas instituições de ensino trocaram o modelo presencial pelo EaD, à distância. Nessa mudança, negros e indígenas são os que foram mais prejudicados no processo.

É isso que aponta um levantamento feito pelo Quero Bolsa, plataforma de bolsas de estudo e vagas no ensino superior, que utilizou os microdados do Enem 2019. Segundo ele, entre os que compareceram nas provas, 21% não tinha a estrutura mínima em casa para realização de aulas EaD.

Por estrutura mínima se entende acesso a internet e um aparelho para assistir as aulas (nesse caso, celular ou computador). Quando se olha apenas os candidatos negros (pretos ou pardos) essa proporção sobe para 27,72%. Para indígenas, esse número é de 39,58%. No caso de brancos, entretanto, esse número cai para 11,29%.

Enquanto os negros correspondem a 58% do total dos estudantes que realizaram o exame, na parcela que não tem as condições para a realização das aulas EaD, essa taxa se eleva para 74,44%. Os indígenas correspondem a 1,13% dessa fatia, enquanto a 0,58% do geral.

Norte e Nordeste são os mais afetados

Olhando para os estados, as regiões Norte e Nordeste são as duas mais afetadas pela mudança do ensino presencial para EAD. Todos os 15 maiores estados com maior proporção de estudantes que não tem a infraestrutura mínima para o EaD estão nessas duas regiões. Enquanto isso, os estados do Sul e do Sudeste são 7 entre os 10 com menores taxas.

Confira:

• PA – 49,00%

• AP – 48,35%

• AC – 47,93%

• MA – 46,92%

• AM – 44,70%

• PI – 41,12%

• RR – 34,92%

• TO – 32,91%

• CE – 32,16%

• SE – 29,45%

• AL – 26,04%

• RO – 25,98%

• BA – 23,25%

• PB – 22,51%

• MT – 21,78%

• RN – 21,17%

• MS – 19,76%

• PE – 18,48%

• GO – 16,34%

• MG – 14,61%

• DF – 13,21%

• ES – 13,02%

• RS – 12,29%

• RJ – 12,08%

• PR – 9,45%

• SP – 8,89%

• SC – 6,46%

+ sobre o tema

Multiplicam-se no no país manifestações em repúdio ao ataque às universidades

Entidades de caráter nacional, movimentos sociais pela democracia, intelectuais...

Por que as mães Guarani rejeitam a creche?

Essa e outras questões constam na dissertação de mestrado...

‘Escola Sem Partido’ fere a educação, diz Janine Ribeiro

Reconhecido principalmente por sua atuação acadêmica como professor de...

Malala Yousafzai participará de evento exclusivo para convidados nesta segunda (9) em São Paulo

A juventude não é sinônimo de despreparo para Malala...

para lembrar

“Brancos e negros se beneficiam da diminuição da desigualdade”

Por Candeia Blog – Eliézer Giazzi Por que ainda somos racistas? Embora o...

Projeto leva mestres de comunidades tradicionais às universidades

Presente em cinco instituições de ensino, Encontro dos Saberes...

Suicídio entre índios é recorde

Uma morte a cada três dias. Esse é o...

Portal que conecta 24 etnias ganha fôlego com produções audiovisuais

A recente produção de conteúdos por meio de celular...
spot_imgspot_img

Como pôr fim ao marco temporal

A tese do marco temporal, aprovada na Câmara nesta terça-feira (30), é ancorada em quatro pilares: genocídio, desinformação, atraso e inconstitucionalidade. Dos dois últimos, deve-se dizer...

O marco temporal é inconstitucional, nosso território é ancestral

O Brasil é terra indígena, mas o futuro dos povos indígenas do Brasil está em jogo com o marco temporal. A tese está em tramitação no Supremo Tribunal Federal...

Inscrições abertas: chamada pública Serrapilheira-Faperj exclusiva para cientistas negros e indígenas

Estão abertas até 08 de maio as inscrições para a chamada pública destinada a cientistas negros e indígenas lançada pelo Instituto Serrapilheira em parceria com a Fundação Carlos Chagas...
-+=