Negros são maioria dos mortos por coronavírus no DF, apontam dados da Secretaria de Saúde

Enviado por / FontePor Pedro Alves no G1

Os negros são maioria entre as pessoas mortas pelo novo coronavírus no Distrito Federal. Segundo dados da Secretaria de Saúde (SES-DF), o grupo representa 53,9% das vítimas. Não negros são 43,9%, e 2,2% não tiveram a raça informada.

As informações foram divulgadas na terça-feira (7), em um estudo da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan). Os dados constam do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) da Secretaria da Saúde e são referentes às 358 mortes contabilizadas na plataforma até 29 de junho.

O número traz apenas parte dos 559 óbitos por Covid-19 que já haviam sido confirmados até a data. Eles seguem a mesma tendência do levantamento do Ministério da Saúde que apontou que 1 em cada 3 mortos por Covid-19 é negro.

O registro das demais mortes no DF não havia sido inserido no sistema até 6 de julho. Segundo a secretaria, “a defasagem observada […] se deve às etapas de processamento, crítica e consolidação dos dados de óbitos exigidos para registro de dados no SIM”.

O estudo da Codeplan aponta ainda que não há informações sobre a raça da maioria (63%) das pessoas internadas com o novo coronavírus na capital. Mas, nos casos em que há informações, o levantamento mostra que a maior parte dos hospitalizados é negro.

De acordo com a pesquisa, na última semana de junho, eles representavam 37% dos internados na rede pública da capital. A taxa de não negros era de 3%. O restante não teve a raça informada.

Segundo a Codeplan, entre 15 de março e 26 de abril, as proporções pessoas negras e aquelas consideras não negras hospitalizadas no Distrito Federal “mantiveram-se próximas, com um maior percentual médio de hospitalizados de não negros no período: 19% de não negros e 15% de negros”.

No entanto, o estudo aponta que, a partir do início de maio, o DF passou a apresentar uma maior proporção de hospitalizados negros. O período coincide com o momento em que a doença se disseminou com mais velocidade nas regiões de baixa renda da capital (veja gráfico abaixo).

Evolução dos casos de Covid-19 no DF por faixa de renda — Foto: Codeplan/Reprodução

Outras características

O boletim da Codeplan também traz informações relativas ao sexo das vítimas e regiões do DF mais afetadas pela pandemia.

Por sexo:

  • Homens são a maioria dos mortos: 59,6%
  • Mulheres são maior parte dos infectados: 52%
  • Taxa de letalidade entre homens: 1,5%
  • Taxa de letalidade entre mulheres: 0,9%
  • Taxa de letalidade do DF: 1,2% – segundo mais baixo do país

Regiões com mais mortes

  • Fercal: 2,9%
  • Pôr do Sol/ Sol Nascente: 2,5%
  • Park Way: 2,2%
  • Planaltina 2%

Regiões com menos mortes

  • Setor de Indústria e Abastecimento: 0%
  • Riacho Fundo II: 0,3%
  • Cruzeiro: 0,4%
  • Jardim Botânico: 0,5%
  • Lago Norte: 0,6%

+ sobre o tema

Memórias e Reexistências em Vozes Negras do Recôncavo Baiano

“Eu conheci dois escravos. Eu conheci minha madrinha Tereza,...

José do Patrocínio Marques Tocantins e a abolição em Goiás

A história de luta das pessoas negras em diáspora...

Narrativas na encruza: uma professora e o devir de salas de aula aquilombadas

O que é uma encruzilhada no ensino de história...

Comércio da sorte e do azar? Jogo do bicho e o pós-abolição no Brasil

O jogo do bicho faz parte do cenário sociocultural...

para lembrar

Mulheres e parteiras: saberes e cuidados num quilombo da Amazônia

Falar de gravidez e do ato de parir uma...

O patrício José Cláudio Nascimento e as experiências negras de educação popular

Já são muitos os/as estudiosos/as que reconhecem a figura...

Representação e empoderamento de mulheres negras no ensino de História

O presente texto é fruto das reflexões de minha...

Donas de si: mulheres negras contra o patriarcalismo na Bahia (1876-1883)

Neste texto, convido leitoras e leitores a recuar um...

Cidadania e Gente Negra no Brasil – uma incompatibilidade construída

Para o bem e – por mais estranho que pareça – para o mal das pessoas negras, desde 13 de maio de 1888, passou-se...

Movimentos negros, educação patrimonial e o direito à cidade

O ano de 2020 foi marcado por protestos espalhados em todo o mundo após a morte, no dia 25 de maio de 2020, do...

A mestiçagem não explica tudo! Existências e conexões afroindígenas no Brasil

Em 23 de abril de 1951, o laureado antropólogo Darcy Ribeiro – à época funcionário do Serviço de Proteção aos Índios (SPI) – realizou...
-+=