Nome social de transexuais passa a ser adotado em conselhos tutelares do DF

A Secretaria de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude do Distrito Federal publicou hoje (28) portaria que determina a inclusão do nome social de travestis e transexuais em fichas de cadastro, prontuários e documentos semelhantes. Com isso, tanto os funcionários da secretaria quanto aqueles que são atendidos por ela poderão usar o nome social. A medida valerá também para os conselhos tutelares.

Por Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil no EBC

A portaria, que já está em vigor, estabelece que unidades da secretaria terão prazo de 90 dias para fazer as devidas adequações. “Estamos acompanhando o que já foi adotado por outras secretarias por entender a importância dessa medida, que vem valorizar o que a Constituição garante há muito tempo, que não há distinção entre os indivíduos”, diz a secretária da pasta, Jane Klebia.

Na prática, todos os funcionários e o público atendido pelas políticas da pasta – população até 29 anos – serão beneficados. Todos os formulários terão o campo do nome social. No verso haverá espaço para o nome de registro, mas o nome adotado no atendimento será o social. No caso dos funcionários, o nome social será usado no correio eletrônico, no crachá, em comunicações internas, na lista de ramais e nome de usuário em sistemas de informática.

Segundo Jane Klebia, a secretaria vai acompanhar a implementação da nova norma, a fim de que as pessoas trans não tenham apenas os formulários preenchidos adequadamente, mas sejam tratadas de forma adequada.

“A medida é importante porque o nome é um dos fatores mais graves de desconforto e de preconceito que as pessoas trans sofrem, especialmente crianças e adolescentes, que têm acesso mais difícil à alteração judicial”, afirmou a pesquisadora Gabriela Rondon, da organização não governamental Anis: Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero. A pesquisadora enfatizou que o tratamento adequado em relação ao gênero é fundamental para os jovens em situação de risco, de vulnerabilidade, atendidos pelos conselhos tutelares.

Gabriela pesquisa as respostas judiciais a pedidos de reconhecimento de identidade de gênero e registro público. Segundo ela, até mesmo judicialmente há uma deficiência na questão. “Não se tem uma jurisprudência consolidada.” De acordo com ela, no Executivo, portarias como essa da secretaria estão ganhando espaço. No próprio governo do Distrito Federal, essa já é uma prática nas secretarias de Educação e Justiça. ressaltou.

No âmbito nacional, o Sistema Único de Saúde (SUS) adota o nome social. No ano passado, a prática foi adotada também pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

A integrante do coletivo Cia. Revolucionária Triângulo Rosa Tatiana Lionço elogiou a medida, dizendo que “a garantia do nome social muda radicalmente as relações da pessoa trans em todos os ambientes”. Para ela, a medida pode garantir a permanência dessas pessoas em todo tipo de instituição, de hospitais a escolas, e o atendimento adequado em conselhos tutelares.

Com a norma, é preciso batalhar para que os funcionários que fazem atendimento tenham a conduta certa. “O processo de implementação tem sido gradual [em setores que já adotam o nome social]. É importante batalhar pela implementação da medida e divulgá-la, para que as pessoas tomem conhecimento e cumpram a norma”, disse Tatiana.

+ sobre o tema

Cada vez mais estupros, por quê?

Foi noticiado na última semana que o número de...

para lembrar

Pela busca do Imponderável, por Sueli Caneiro

Para Michel Foucault, depois do século 19 assiste-se a...

Raça e saúde, por Sueli Carneiro

O novo alvo de ataques dos que se pretendem...

Gisele, eu tenho um cérebro!

Algum tempo atrás eu escrevi um artigo intitulado "E...

Polícia investiga estupro após discussão política no Rio

Mulher diz que foi insultada por homens enquanto falavam...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=