Nós, os europeus – Por: Rosemeri Moreira

Mas, entre nós, a visibilidade dos negros ainda é um problema. Além de negarmos a existência da população negra, negamos o próprio racismo e ainda insistimos em não ver as desigualdades étnico-raciais que saltam das estatísticas

 

No ano de 2007, fui responsável pela disciplina de Estágio Supervisionado, no curso de História da Unicentro, e me deparei com a singela constatação de alguns alunos de que existia população negra na cidade de Guarapuava.

A descoberta inusitada dos alunos veio após ministrarem aulas nos Cebjas (Centros de Educação Básicas de Jovens e Adultos), em cursos trimestrais nos bairros da cidade. Eles não tinham visto negros na universidade, nem no cinema, nas pizzarias, nos escolas de inglês, nem trabalhando nos bancos, nem vendedores/as das boutiques locais. Mas conseguiram, enfim, enxergá-los: eram trabalhadores/as pobres, adultos, e tentavam ainda cursar o ensino fundamental.

Esses alunos acreditaram na europeidade da cidade. Europeidade efetivada pela junção, sempre reavivada, entre a brancura da pele (de alguns) e o vento gelado, o clima. O discurso memorialista (histórico) construído há tempos, que rememora e enaltece a conquista dos homens brancos europeus, galopando imponentes corcéis, já havia calado fundo no imaginário deles também.

A leitura de Octavio Ianni (As metamorfoses do escravo/1962) se tornou imprescindível para desintoxicá-los do memorialismo. Mesmo não sendo especialista na temática, sabia que desde a década de 1960 as teses da brancura do Paraná (e do Brasil meridional) e a ideia de uma produção baseada no trabalho livre/migrante, já haviam sido contestadas.

Independente do coeficiente relativo de cativos na comunidade, o regime de trabalho escravizado foi a instituição básica para a qual sempre tendeu a utilização da força de trabalho. Em todas as atividades produtivas, nas fazendas de pecuária, na mineração, nos engenhos de erva-mate, nos serviços domésticos, no transporte entre vilas, nas milícias, a população negra, escravizada ou liberta, estava presente.
Mas, entre nós, a visibilidade dos negros ainda é um problema. Além de negarmos a existência da população negra, negamos o próprio racismo e ainda insistimos em não ver as desigualdades étnico-raciais que saltam das estatísticas: escolaridade, homicídio, desemprego, moradia, propriedade da terra etc… Podemos até nos ariscar de falar em cultura-afro, mas o debate sobre o direito à terra nem pensar.
Atualmente, o Paraná tem 41 comunidades quilombolas. Na microrregião de Guarapuava existem oito, e a maior parte delas ainda resiste e luta pelo direito à terra e à moradia. São três em Candói (Despraiado, Vila Tomé e Cavernoso); a comunidade Paiol de Telha que pertence aos municípios de Reserva de Iguaçu e Pinhão; três em Palmas (Trindade Batista; Fortunato e Lagoão); uma em Turvo (Campina dos Morenos).
Na definição contemporânea da ABA (Associação Brasileira de Antropologia), comunidades quilombolas são os “grupos que desenvolveram práticas de resistência na manutenção e reprodução de seus modos de vida característicos num determinado lugar”. Quilombolas são comunidades que se constituíram tanto durante a vigência do sistema escravocrata, que durou mais de 300 anos, quanto após a abolição desse sistema no século 19, enfrentando as mais diversas desigualdades e violências até hoje.

Dentre as diversas violências sofridas (humilhações, expulsões da terra, pobreza, assassinatos), para mim, a maior delas segue sendo a da invisibilidade. O debate sobre a situação das oito comunidades quilombolas da região, e em específico a situação da comunidade de Paiol de Telhas, não faz parte da pauta dos meios de comunicação locais nem dos debates políticos, acadêmicos e dos púlpitos religiosos.
Nesta quinta-feira, 28, o TRF4 (Tribunal Regional Federal da Quarta Região/RS) vai julgar em Porto Alegre o processo que envolve a titulação das terras da comunidade quilombola Paiol de Telha. Esse caso tomou dimensões nacionais uma vez que envolve a decisão sobre o questionamento da constitucionalidade do Decreto Federal 4887/03, o qual trata da titulação de territórios quilombolas. No julgamento da titulação da comunidade Paiol de Telha, será consolidada uma posição acerca de todos os outros territórios quilombolas da região Sul, e pode influenciar todos os demais processos sobre terras quilombolas em curso no país. Mas, mesmo assim a luta dos quilombolas não mereceu a atenção da sociedade guarapuavana.

O racismo, ao contrário, escorreu pelas bocas e a reafirmação da posição de classe floresceu como nunca. A negação da “consciência negra” nas redes sociais; o ataque dos capitalistas à lei que instituiu o feriado; e a abolição (cancelamento) pela universidade são os corolários do racismo e de sua estratégia milenar que é o negacionismo. Quem sabe tenha sido a inesperada neve de julho que fez nossa europeidade vir à tona.

Doutora em História Cultural
Professora do Departamento de História da Unicentro

Fonte: Diário de Guarapuava

+ sobre o tema

Obama precisa se justificar perante o Congresso sobre ação militar na Líbia

A Casa Branca enviou, nesta quarta-feira, um dossiê de...

Sobre leite, achocolatado, bananas e vitamina por Marcos Rezende

Antes de eu saber que era meramente comercial,...

O duplo desafio de Obama

- Fonte: O Estado de São Paulo - Conforme...

Candidaturas coletivas podem acabar já em 2024; a quem isso interessa?

As candidaturas coletivas podem deixar de existir já a...

para lembrar

Obama faz discurso de posse político, otimista e focado em desafios

O discurso de posse de Barack Obama foi cheio...

Bolsonaro faz da mentira sua tática política sobre a ditadura

Ao presidente cabe esclarecer suas declarações que violam compromissos...

Para Dilma, interpretação de frase sobre luta é ‘vilania’

Pré-candidata do PT disse que não se referia a...

Fé cega, faca amolada por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva   Um amigo jovem, revolucionário, indignado com as...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=