Nós, os Inimigos: Defender Questões Raciais e Direito Político para minorias será tratado como terrorista

Segundo a matéria, que teve acesso ao sigiloso Manual de Contra-Inteligência do Exército, MILITARES que defendem QUESTÕES RACIAIS e DIREITO POLÍTICO PARA MINORIAS tem que ser tratados como TERRORISTAS, cabendo ao Exército empregar todos os meios para TIRAR A CREDIBILIDADE DESTES MILITARES perante à sociedade brasileira.

 

Nós, os Inimigos

Em 24 de abril de 2009, sob as barbas do então presidente Lula e com o apoio do ministro da Defesa, Nelson Jobim, o Exército do Brasil produziu um documento impressionante. Classificado internamente como “reservado” e desconhecido, até agora, de Celso Amorim, que sucedeu a Jobim no ministério, o texto de 162 páginas recebeu o nome Manual de Campanha – Contra-Inteligência. Trata-se de um conjunto de normas e orientações técnicas que reúne, em um só universo, todas as paranoias de segurança herdadas da Guerra Fria e mantidas intocadas, décadas depois da queda do Muro de Berlim, do fim da ditadura e nove anos após a chegada do “temido” PT ao poder.

Há de tudo e um pouco mais no do-cumen-to elaborado pelo Estado Maior do Exército. A começar pelo fato de os generais ainda não terem se despido da prática de espionar a vida dos cidadãos comuns. O manual lista como potenciais inimigos (chamados no texto de “forças/elementos adversos”) praticamente toda a população não fardada do País e os estrangeiros. Citados de forma genérica estão movimentos sociais, ONGs e os demais órgãos governamentais, de “cunho ideológico ou não”. Só não explica como um órgão governamental pode estar incluído nesse conceito, embora seja fácil deduzir que a Secretaria de Direitos Humanos, empenhada em investigar os crimes da ditadura, seja um deles.

O manual foi liberado a setores da tropa por força de uma portaria assinada pelo então chefe do Estado Maior, general Darke Nunes de Figueiredo. Ex-chefe da segurança pessoal do ex-presidente Fernando Collor de Mello, Figueiredo é hoje assessor do senador do PTB de Alagoas. O texto é dividido em sete capítulos, com centenas de itens. O documento confirma oficialmente que o Exército desrespeita frontalmente a Constituição Brasileira. Em um trecho registrado como norma de conhecimento, descreve-se a política de infiltração de agentes de inteligência militar em organizações civis, notadamente movimentos sociais e sindicatos. O expediente, usado à farta na ditadura, está vetado a arapongas militares desde a Carta de 1988, embora nunca tenha, como se vê no documento, deixado de ser usado pela caserna.*

*veja a íntegra da matéria na edição 668 de CartaCapital,abaixo

Leandro Fortes

Leandro Fortes é jornalista, professor e escritor, autor dos livros Jornalismo Investigativo,

{gallery}cartacapital{/gallery}

+ sobre o tema

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente....

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram...

Convenção da extrema direita espanhola é alerta para o Brasil

"Manter o ideal racial de um continente branco de...

para lembrar

Barroso defende reserva de recursos eleitorais para candidatos negros

Em um país tão desigual quanto o Brasil, as...

Dra. Kenarik Boujikian recebe o título de Cidadã Paulistana

A Câmara Municipal de São Paulo, através do Decreto...

Safatle: Se o Estado age como o PCC, como espera julgá-lo?

"Se o Estado age como o PCC, decidindo quem...

Câmara italiana aprova lei anti-imigração

Fonte: Folha de São Paulo - Mundo - (Foto:...

Aprovado no Senado, PL dos planos de adaptação esboça reação a boiadas do Congresso

O plenário do Senado Federal aprovou nesta terça-feira (15/05) o Projeto de Lei 4.129/2021, que cria diretrizes para a elaboração de planos de adaptação à...

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram emergência no Maranhão devido às fortes chuvas que atingem todo o estado. A informação foi...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do Estado emerge da catástrofe. A pandemia de Covid-19 deveria ter sido suficiente para demonstrar que...
-+=