‘Nós queremos a lei para não sermos mortos’ Políticos têm responsabilidade pelas agressões, diz militante gay

As agressões a homossexuais cometidas com cada vez mais frequência nas imediações da mais movimentada via pública do Brasil, a Avenida Paulista, são um reflexo das atitudes cometidas por parte da classe política brasileira, em especial dos membros do Legislativo. Essa é a visão de Beto de Jesus, diretor regional da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), uma das maiores organizações em defesa dos direitos dos homossexuais do Brasil.

– Parte da responsabilidade por essas agressões deve ser atribuída aos políticos bispos-pastores e padres que fazem política como fanáticos religiosos. Eles não quiseram votar a Lei da Homofobia.

Beto afirma que mais casos de violência podem ocorrer, já que a falta de uma legislação específica em defesa dos direitos homossexuais cria uma sensação de impunidade que estimula os agressores. Segundo o militante, se isso ocorrer, os parlamentares terão as ‘mãos sujas de sangue’.

– Nós queremos a lei para não apanharmos, para não sermos mortos por conta da orientação sexual – disse.

Neste sábado, dois rapazes homossexuais foram agredidos na região da Avenida Paulista. Um deles teve a perna quebrada. Segundo uma das vítimas, o analista fiscal Marcos Paulo Villa, os agressores falavam, entre outras frases, “que eles não valiam nada e que transmitiam doenças à humanidade”. As vítimas registraram ocorrência neste domingo. Os agressores fugiram.

Para Beto, os políticos adotam um discurso de intolerância, travestido de religioso, que acaba influenciando os agressores. Ele cita como exemplo a proposta que criava o Dia do Orgulho Hétero em São Paulo. A proposta foi aprovada na Câmara de São Paulo, mas acabou sendo vetada pelo prefeito Gilberto Kassab (PSD).

– Na justificativa da lei falava-se que a ideia era resgatar os valores da família sadia e da moral, como se os homossexuais não tivessem e não pudessem ter famílias e ter moral.

O vereador Carlos Apolinário (DEM), autor da Lei que criava o Dia do Orgulho Hétero, se defende. Ele diz que os agressores de homossexuais, como os de sábado, ‘arranjam briga’ com ele.

– São uns idiotas, irresponsáveis. Devem ser presos e julgados – afirma.

Apolinário afirma que é contrário aos ‘privilégios’ gays e que sua lei visava coibir ‘excessos’.

Leia mais sobre o assunto – SP: casal gay é espancado na região da avenida Paulista

– Essa Lei da Homofobia vai colocar o gay como um sujeito diferenciado. Infelizmente o Brasil é um país violento. Só que se me baterem por ser religioso, se baterem no sujeito por ser nordestino, vai pegar cinco anos de cadeia. Já se bater em gay vai pegar quinze anos. Não pode ter essa diferença – diz.

A agressão de sábado está sendo investigado pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). A delegacia já recebeu as imagens das câmeras de segurança do posto de combustíveis por onde passaram as vítimas e os agressores. Uma das vítimas teria consultado as fotografias do cadastro de suspeitos do Decradi.

– Tem uma semelhança grande com uma pessoa. Vamos checar isso – disse o delegado Joaquim Dias Alves, delegado do DHPP. Segundo ele, os agressores podem responder por tentativa de homicídio, lesão corporal com o agravante do motivo ser a intolerância.

Fonte: Globo

+ sobre o tema

Jovem, homem, negro: esse é o perfil da vítima de homofobia

Homens, gays, negros, entre 15 e 29 anos, agredidos...

Vice-chefe da ONU denuncia ‘pandemia global’ de violência contra as mulheres

Em Bruxelas, a vice-secretária-geral da ONU, Amina Mohammed, alertou...

Lugares de Fala

Dada a avalanche da mesma argumentação pobre e rasa...

Blogueira defende fim do “quartinho de empregada”

Para autora de artigo, esses espaços nada mais são...

para lembrar

Manual do machismo: Os 7 pecados capitais da sedução

Você certamente já ouviu falar nos 7 pecados capitais....

Brasil só criou Lei Maria da Penha após sofrer constrangimento internacional

No Brasil, já é quase tradição que a comoção...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=