Nova Zelândia aprova lei que garante licença a mulheres que tiverem aborto natural

Enviado por / FonteG1

O parlamento da Nova Zelândia aprovou na quarta-feira (24) uma lei que dá às mães e aos pais um valor de licença depois de um abortamento natural ou um parto de natimorto.

O subsídio pelo luto foi aprovado por unanimidade no parlamento. Os trabalhadores terão três dias de licença quando uma gravidez termina com um natimorto, sem necessidade de recorrer à licença médica.

Veja um vídeo sobre a festa de Ano Novo na Nova Zelândia, que conseguiu controlar a pandemia de coronavírus.

“A aprovação deste projeto mostra que a Nova Zelândia lidera o caminho para uma legislação progressista”, disse Ginny Andersen, do Partido Trabalhista, que iniciou o projeto.

“O projeto dará às mulheres e seus parceiros tempo para aceitar sua perda sem ter que recorrer à licença médica. O luto não é uma doença, é uma perda, e a perda exige tempo”, afirmou.

A Índia tem uma lei semelhante em vigor.

A licença será dada às mães, seus parceiros e também pais que têm planos para adotar uma criança ou ter um filho por barriga de aluguel.

Segundo a parlamentar, na Nova Zelândia, uma em cada quatro mulheres teve um aborto natural.

Histórico da Nova Zelândia
O país foi o primeiro do mundo a garantir às mulheres o direito ao voto. O governo é liderado por uma mulher, a primeira-ministra Jacinda Ardern, que é vista como uma defensora dos direitos das mulheres.

No ano passado, o país aprovou uma descriminalização do aborto.

 

Fonte: G1

+ sobre o tema

para lembrar

Cinco ideias do discurso feminista ‘viral’ de Emma Watson

O discurso da atriz britânica Emma Watson sobre feminismo...

Na luta, a gente se encontra por Flávia Oliveira

Desfiles na Sapucaí ampliam visibilidade, escancaram polêmicas por Flávia Oliveira...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=