O duplo desafio de Obama

– Fonte: O Estado de São Paulo –

Conforme o lugar-comum, o presidente dos Estados Unidos é o homem mais poderoso do mundo. Vá-se dizer isso ao primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, e ao presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad. Um lidera o que é considerado o governo mais direitista de Israel em décadas, declaradamente contrário ao estabelecimento de um Estado palestino na Cisjordânia e na Faixa de Gaza – a solução para o conflito no Oriente Médio encampada pela comunidade internacional, incluídos os países árabes, e com a qual Israel se havia comprometido em 1993. O outro, chefe do governo de uma teocracia, prega o fim de Israel e se recusa a suspender o programa de enriquecimento de urânio que dará ao país condições de fabricar um artefato nuclear – o que Israel pretende impedir pela força, na certeza de que nada induzirá Teerã a desistir do projeto.

A negativa de Netanyahu tem o apoio da maioria dos seus concidadãos. Uma pesquisa recente revelou que 53% deles consideram a Cisjordânia território israelense libertado. A intransigência de Ahmadinejad é compartilhada pela esmagadora maioria dos iranianos e por seja lá quem o derrote nas eleições presidenciais de junho: o domínio da energia nuclear é questão de honra nacional. Barack Obama assumiu a Casa Branca com uma nova visão da política dos Estados Unidos para a esfera árabe-islâmica. Ele entende que a defesa do interesse americano nessa área mais crítica do globo exige uma interlocução talvez sem precedentes com os seus governos e sociedades – que passa, de um lado, por uma perceptível mudança de atitude de Washington diante da questão palestina e, de outro, pelo degelo das relações com o Irã.

Nessa concepção, os Estados Unidos finalmente assumiriam o papel de “corretor honesto” que deles os países árabes cobram de há muito para a pacificação do Oriente Médio. Com isso se credenciariam a persuadir o Irã a renunciar ao controle do ciclo do combustível nuclear, em troca de comércio, investimentos, tecnologia – e garantias formais de incolumidade da República Islâmica, arquivada a retórica bushista da “mudança de regime” em Teerã. Se a diplomacia fracassar, diz Obama, “outros passos” seriam dados. Terá ele condições de dobrar israelenses e iranianos? O seu leque de opções em relação aos primeiros é claramente mais restrito. O novo chanceler israelense, Avigdor Lieberman, se gaba de que os Estados Unidos “aceitam todas as decisões israelenses”. De fato tem sido assim, apesar do endosso de Washington à fórmula dos dois Estados e das suas críticas eventuais à expansão das colônias judaicas na Cisjordânia.

Na segunda-feira, depois de duas horas de conversa com Netanyahu na Casa Branca, a primeira desde que ambos assumiram, Obama reiterou ambas as posições diante dos jornalistas. Mas o primeiro-ministro não lhe concedeu nem sequer a cortesia de fazer uma alusão, vaga que fosse, a um Estado palestino. Ele fala numa “paz econômica”, a depender de negociações que seriam retomadas se o outro lado atender a uma nova precondição – reconhecer Israel como Estado judaico (o que o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, que aceita o Estado laico israelense, já considerou inaceitável). Em compensação, pela primeira vez Obama fixou um prazo para o Irã mostrar “um esforço de boa-fé para resolver as diferenças” com os Estados Unidos: o fim deste ano. “Não ficaremos conversando para sempre”, advertiu.

Em tese, ele poderia dizer o mesmo do interminável “processo de paz” na Palestina, cujo marco inaugural são os Acordos de Oslo de 1993 assinados por Yitzhak Rabin e Yasser Arafat. Desde o assassínio de Rabin por um estudante judeu de extrema-direita, dois anos depois, sucessivos governos israelenses, a um pretexto ou outro, foram adiando para as calendas a implementação dos acordos, enquanto expandiam os assentamentos nos territórios ocupados. Mas, ainda que Obama quisesse pagar para ver até onde Netanyahu insistiria em negar aos palestinos o seu Estado – embora disso dependa o “new deal” que planeja oferecer ao mundo árabe-muçulmano e que anunciará em grande estilo no Cairo no próximo dia 4 -, o presidente não teria o apoio nem do seu partido, nem do Congresso, nem da imprensa e nem da opinião pública americana. Já se endurecer com o Irã, terá a América inteira de seu lado.

Matéria original: O duplo desafio de Obama

+ sobre o tema

EUA se abstêm pela primeira vez em voto na ONU contra embargo a Cuba

Pela primeira vez, os Estados Unidos se abstiveram de...

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

Cornel West: Goodbye, American neoliberalism. A new era is here

Trump’s election was enabled by the policies that overlooked...

para lembrar

Zona Leste de SP suja, infestada de ratos

Caiaque vira transporte em 'Veneza' suja, infestada de ratos...

Um problema nunca resolvido: o sofrimento dos inocentes

Dizem as Escrituras do Primeiro e do Segundo Testamento...

Horário de verão começa à meia-noite de sábado

Por: Mariana BrancoRepórter da Agência Brasil Brasília -...

Sim, é necessária uma nova Abolição

Por Milena Almeida e Angélica Basthi Em 27...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Barack Obama elege seus filmes favoritos de 2023; veja lista

Tradicionalmente, o ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, escolhe seus filmes, músicas e livros favoritos do ano. Nesta quarta-feira (27), Obama compartilhou em suas...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...
-+=