Guest Post »

O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços

Por Eduardo Araia

Em janeiro de 2009, Madagascar – ilha na costa leste da África famosa por ser o lar dos lêmures – foi abalada por manifestações contra o governo do presidente Marc Ravalomanana. Mais de 170 pessoas morreram antes que ele renunciasse. Entre as malfeitorias de que o presidente era acusado estava um negócio pelo qual o conglomerado industrial sul-coreano Daewoo arrendaria por 99 anos 1,3 milhão de hectares de terras malgaxes (13 mil quilômetros quadrados, o equivalente a quase metade do solo arável do país e a pouco menos de 60% da área de Sergipe) a fim de plantar milho e dendê. Detalhes adicionais: a maior parte das terras negociadas é “primitiva” – em outras palavras, floresta tropical intocada – e o retorno para a população local viria apenas por meio da criação de um limitado número de empregos na Daewoo. Uma das primeiras medidas do novo presidente, Andry Rajoelina, foi revogar o acordo com os sul-coreanos.

 

O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços
O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços

 

A deposição de Ravalomanana foi a faceta mais visível de um problema derivado da crise dos alimentos de 2007/2008 que inquieta a comunidade internacional: a compra ou arrendamento, por governos e empresas de países ricos, de terras férteis em nações em desenvolvimento, escolhidas em geral por serem bem abastecidas com água e estarem próximas de portos ou outros centros de escoamento. Segundo relatórios divulgados em 2009 pela ONU e por analistas norte-americanos, ingleses e indianos, pelo menos 30 milhões de hectares (300 mil km2, pouco mais do que a soma dos territórios do Paraná e de Santa Catarina e equivalente a 75% de toda a terra arável da Europa) estão sendo ou foram adquiridos no mundo por empresários ou governantes de países que enfrentam condições climáticas adversas ou escassez de terras cultiváveis e dispõem de muito dinheiro em caixa, como China, Coreia do Sul, Suécia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços
O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços

Tendência está se acelerando

O Instituto Internacional de Pesquisa da Política de Alimentos, baseado nos Estados Unidos, avalia que entre US$ 20 bilhões e US$ 30 bilhões são gastos anualmente por países ricos na compra de terras em nações em desenvolvimento. E o quadro pode se agravar muito mais, salienta Olivier De Schutter, relator especial da ONU para o Direito à Alimentação: “[A tendência] está se acelerando rapidamente. Todos os países observam uns aos outros e, quando um vê os outros comprando terras, faz o mesmo.”

Algumas das nações nas quais há terras para vender já têm certa importância no contexto agrícola mundial, como Brasil, Rússia e Ucrânia. Nesses lugares, porém, a simples procura já serve para elevar os preços das propriedades e dificultar os negócios. A preferência dos investidores tem recaído em países para lá de carentes, localizados sobretudo na África, como Camarões, Etiópia, Sudão e Zâmbia. Caracterizados pela miséria da população e por governos em geral ditatoriais ou autoritários, nos quais a corrupção corre solta, esses países podem assistir, no futuro, a uma situação paradoxal, antevista pela ONU: enquanto estoques imensos de produtos agrícolas cultivados em suas terras são embarcados para outros destinos, seus habitantes sofrem com a fome.

O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços
O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços

O agrocolonialismo já apresenta números impressionantes. A Coreia do Sul adquiriu 690 mil hectares no Sudão; a Arábia Saudita abocanhou 500 mil hectares na Tanzânia; os Emirados Árabes Unidos, 324 mil hectares no Paquistão. A Índia emprestou dinheiro para 80 de suas companhias comprarem 350 mil hectares em países africanos.

As aquisições feitas por empresas também chamam a atenção. A sueca Alpcot Agro, por exemplo, arrematou 120 mil hectares na Rússia; a sul-coreana Hyundai investiu US$ 6,5 milhões para conseguir participação majoritária na Khorol Zerno, que possui 10 mil hectares na Sibéria Oriental; o banco norte-americano Morgan Stanley adquiriu 40 mil hectares na Ucrânia.

O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços
O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços

Crise alimentar incrementou o neocolonialismo

De Schutter observa que o movimento em busca de terras aráveis se intensificou depois que, com a crise alimentar de 2007/2008, vários países descobriram o severo impacto na balança de pagamentos causado pelas importações de alimentos. O quadro os levou, então, a trabalhar para “se garantir”. Mas isso, segundo o representante da ONU, funciona como especulação, aposta em preços futuros, já que a população mundial deve crescer cerca de 50% até 2050, e certamente precisará se alimentar. “Sabemos que a volatilidade crescerá nos próximos anos”, afirma De Schutter. “Os preços das terras continuarão a subir.”

Ele acrescenta que aproximadamente 20% dessas compras devem ser destinadas ao cultivo de vegetais para biocombustíveis. “Mas é impossível saber ao certo, porque as declarações não são feitas com relação a quais plantas serão cultivadas”, declarou.

O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços
O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços

Mais grave do que isso é a perspectiva de que os novos donos e arrendatários das terras usem-nas de maneira insustentável. “A terceirização da produção agrícola garantirá segurança alimentar para os países investidores, mas deixará atrás de si um rastro de fome, inanição e escassez alimentar para as populações locais”, afirmou Devinder Sharma, analista do Fórum de Biotecnologia e Segurança Alimentar na Índia. “A conta ambiental da agricultura altamente intensiva – solos devastados, aquíferos secos e ecologia arruinada por infestações químicas – será deixada para o país anfitrião pagar.”

Um relatório divulgado em 2009 pelo Instituto Internacional de Ambiente e Desenvolvimento, baseado em Londres, apresenta os negócios com terras como fontes de “riscos e oportunidades”. Os autores ponderam: “Investimentos ampliados podem trazer benefícios tais como o crescimento do Produto Interno Bruto e receitas governamentais mais robustas, e podem criar oportunidades para o desenvolvimento econômico e melhora no padrão de vida. Mas podem resultar na perda de acesso dos habitantes locais aos recursos dos quais dependem para sua segurança alimentar – particularmente enquanto alguns países-chave que receberão os alimentos estão, eles próprios, às voltas com seus desafios de segurança alimentar.”

O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços
O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços

Uma saída para isso seria os países que cedem suas terras optarem por contratos de produção. Nesses casos, os investidores estrangeiros entrariam com a tecnologia e o capital, enquanto os agricultores locais, cultivando terras próprias ou arrendadas, produziriam grãos ou outros vegetais a preços fixos. Mas essa fórmula, defendida por especialistas como De Schutter e Jean-Philippe Audinet, do Fundo Internacional para o Desenvolvimento da Agricultura (Ifad), não interessa aos novos investidores. Os planos destes, no geral, são bem claros: além de segurança, controle absoluto do meio produtivo e grandes margens de lucro. Para os habitantes locais, nada ou migalhas. Como se vê, o espírito colonialista do homem não desapareceu no século 20 – só havia entrado em estado de hibernação.

TRANSAÇÕES NEBULOSAS

Alguns dos negócios com terras acertados nos últimos anos

País cessor                      País investidor                         Terras cedidas  (em hectares)

Camboja                         Kuwait                                    130.000

Filipinas                          Bahrein                                   10.000

Filipinas                          Coreia do Sul                           94.000

Sudão                             Jordânia                                  25.000

Paquistão                        Emirados Árabes Unidos          324.000

Quênia                            Catar                                       40.000

Tanzânia                          Arábia Saudita                       500.000

Sudão                              Coreia do Sul                         690.000

Sudão                              Jordânia                                  25.000

Tanzânia                          Arábia Saudita                        500.000

Uganda                            Egito                                     840.000

Fontes: International Food Policy Research Institute (IFPRI), Der Spiegel

O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços
O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços

ENTRE A FARTURA E A MISÉRIA

O Sudão vive um estado de guerra civil há anos e é governado por um ditador condenado pelo Tribunal Penal Internacional, mas a instabilidade decorrente disso não assusta os investidores agrícolas. O maior país da África em área já negociou 1,5 milhão de hectares de terras férteis para a Coreia do Sul, o Egito e os Emirados Árabes Unidos por 99 anos. Enquanto isso, porém, o Sudão aparece como o maior recebedor mundial de ajuda internacional – 5,6 milhões de seus cidadãos dependem do envio de alimentos.

O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços
O novo colonialismo: Terceiro mundo é vendido aos pedaços

GENEROSIDADE A PERDER DE VISTA

Negociações envolvendo um patrimônio tão importante quanto as terras férteis de um país deveriam, supostamente, estar cercadas de cuidados e precauções. Não é essa a aparência transmitida por declarações e atos de autoridades de alguns dos países que põem áreas de cultivo à disposição do mercado pós-crise alimentar de 2007/2008. Há alguns anos, o primeiro-ministro da Etiópia declarou que seu governo estava “ansioso” para oferecer acesso a centenas de milhares de terras agrícolas. Em meio a uma guerra com o Taleban, o Paquistão ofereceu milhares de hectares a xeques dos Emirados Árabes Unidos, prometendo aos interessados redução de impostos, isenção de leis trabalhistas e o envio de 100 mil membros de suas forças de segurança para proteger as propriedades de estrangeiros.

Em sua busca frenética por investidores, países africanos têm baixado os preços de suas terras em relação à concorrência, assinala Olivier De Schutter, relator especial da ONU para o Direito à Alimentação. Segundo ele, alguns contratos que envolvem centenas de milhares de hectares de terra mal chegam a três páginas de extensão. Embora mencionem os produtos a serem cultivados, o local e o preço da compra ou arrendamento, tais acordos não tratam de nenhuma norma ambiental, de investimentos necessários em contrapartida ou da criação de empregos.

 

Fonte: Brasil 247

Related posts