O rapper que canta a revolução bolivariana

“Cai o país, um golpe já está em prática/ Empresas atacam de forma midiática/ Um novo presidente se levanta sem sufrágio/ Derrubam um comandante, mas não calam o ‘barrio'”.

Por Mariana Terra, em Opera Mundi

Pela letra de “Patriotas”, escrita pelo rapper venezuelano Master em conjunto com os outros três integrantes do coletivo Area 23, é difícil imaginar que esse filho de 23 de Enero, um dos “barrios” mais pobres e também mais politizados de Caracas, não tenha se importado com a eleição do presidente Hugo Chávez em dezembro de 1998. “Não me interessou quando ele chegou ao poder”, revela Master, nome de batismo Jorney Madriz. “Mas sim quando sofreu o golpe, em 2002”.

“Antes de Chávez, a juventude venezuelana experimentava um período de apatia política”, ressalta o rapper. “Com a chegada do presidente, porém, essa enorme camada da população despertou e é quase impossível não adotar uma postura política.” Master era um desses jovens que viveu a turbulência venezuelano no início do século. A partir daquele momento crucial, sua história pessoal se mesclou com a do país.

“A rebelião nos “barrios” esmagou seu descaramento/ O que aconteceu Venezuela, mataram sua vocação?/ Eliminaram nossa luta e derrubaram a revolução?”

Assim como a resistência popular ao golpe contra Chávez em abril de 2002, a estreia de Master no universo das rimas foi espontânea. “É difícil explicar como comecei. Não houve uma razão política ou consciente”, explica o artista, com a fala cadenciada, suave. Ele conta que caminhou muito antes de firmar seu estilo. “Você segue a corrente que acaba de encontrar, do rap norte-americano, comercial, ou vai contra a corrente. Escolhi ir contra. Tinha somente 12 anos”, lembra, agora com 28, vestido da cabeça aos pés com o uniforme do hip-hop, calças e camiseta largas, boné.

A entrada da política em suas composições foi ainda mais natural. No 23 de Enero, a politização pulsava bem antes da chegada do “comandante”, como Master se refere ao presidente venezuelano. O rapper viveu em um dos complexos habitacionais do bairro, construídos durante o governo do general Marcos Pérez Jiménez (1952-1958).

Rebatizado para homenagear a data da derrubada do ditador, “el 23”, como os moradores se referem a esse pedaço de Caracas, se firmou como uma tradicional trincheira popular. Virou lenda quando, em 2002, de lá saíram multidões para ocupar as ruas da capital e exigir o retorno ao poder do presidente Chávez, sequestrado por militares golpistas.

“De madrugada militares preparam emboscadas/ Revelar-se ao processo será uma empresa muito cara/ Programação especial para que ninguém tenha consciência/ Que o povo está na rua e que sairá em resgate”.

“Não se tolera um sequestro, que as vozes se unam/ O bravo se defende a partir de um forte em Tiuna/ Paraquedistas libertários que não se detiveram/ Marcharam, atacaram, resgataram nosso céu”

O golpe cívico-militar, impulsionado pela imprensa e apoiado pelo governo dos Estados Unidos, não durou mais que umas poucas horas. Chávez, que havia sido apeado na madrugada do dia 11, voltou ao Palácio de Miraflores, pelas mãos da Brigada Paraquedista, 48 horas depois. “Nesses dias conheci de verdade a oposição. Isso me incentivou a compor”, conta o rapper, que na época vivia em Carabobo, estado nortista.

“Agora com tantas vozes, que o mundo inteiro escute/ Venezuela não teme a força de um império/ Não, já não teme”

“Acreditamos em Chávez, porque vimos nele um aliado estratégico, que abre fissuras no Estado para que pessoas como nós tenhamos participação”, defende Master. Somente em 2005 foi criado o Ministério da Cultura – antes o setor era tratado por um instituto autônomo. A Missão Cultura, lançada no mesmo ano, é especialmente dedicada a promover a cultura de raízes venezuelanas, formando grupos culturais e artistas.

“Somos uma ferramenta que pode ser empregada de muitas formas. Falamos pela revolução”, destaca Master, enquanto cai a tarde na ruidosa Praça Bolívar, em Caracas. A metros dali, o Teatro Nacional já se enchia com venezuelanos de todas as idades para um dia de apresentação com diferentes grupos de rap. Na plateia, um senhor de cerca de 70 anos sacudia uma das mãos ao sabor das batidas, enquanto a outra segurava uma minitelevisão. Chávez anunciava um novo plano de segurança.

Além de fazer rap, Master também é produtor visual na Ávila TV, criada há oito anos pelo governo do Distrito Metropolitano de Caracas como uma escola de audiovisual. “A ideia era pegar uma câmera, microfone, computador, coisas que sempre estiveram nas mãos de outros na Venezuela, e sair às ruas. Foi tão significativo que assumimos o canal como trincheira de luta”, afirma. Pouco depois foram criadas 31 Epatus (Escola para as Artes e Tradições Urbanas), sob o guarda-chuva do Ministério do Poder Popular para as Comunas e Proteção Social, onde cidadãos de todas as idades podem conhecer a cultura hip-hop.

Personagem da cultura e da política, Master arregaça as mangas para a campanha presidencial. “Para nós é estratégico que o comandante continue onde está”, declara de forma categórica. “Às vezes penso que seria bom outras opções de poder. Mas agora não. É preciso buscar os milhares de Chávez nas ruas, que ainda estão em formação.”

 

 

Fonte: Vermelho 

 

+ sobre o tema

De Duque de Caxias para a Sorbonne, estudante negro diz como ‘virou o jogo

O caminho percorrido pelo estudante Elian Almeida entre Duque...

Disco inédito de John Coltrane será lançado 55 anos depois de ser gravado

O quarteto do saxofonista gravou em 1963 uma sessão...

Michael Jordan

Michael Jeffrey Jordan (Nova York, 17 de fevereiro de 1963) é um ex-jogador...

Epsy Campbell Barr

Epsy Campbell Barr é ativista feminista e antiracista e...

para lembrar

Vida em dívida por Cuti

- Vais morrer, negrinho! -...

Geógrafo Milton Santos é homenageado por doodle do Google

Brasileiro ficou conhecido por ser o primeiro a ganhar...

Marcelo D’Salete é indicado ao Prêmio Eisner, o Oscar dos quadrinhos

'My Favorite Thing Is Monsters', de Emil Ferris, já...

África joga últimas cartas do clima em Barcelona

Fonte: Envolverde - A caravana mundial de discussões sobre mudança...
spot_imgspot_img

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=