Obama renasce em ‘duelo de imagem’ com Romney em Nova York

Por: Pablo Uchoa

Um duelo de imagem, tanto quanto de substância, marcou o segundo e penúltimo debate entre os dois candidatos na corrida à Casa Branca – o presidente Barack Obama e seu rival do Partido Republicano, Mitt Romney.

Os milhões de telespectadores que assistiram pela TV ao evento realizado na noite desta terça-feira em Hempstead, Nova York, viram um Obama agressivo, determinado e irreconhecível comparado ao que esteve presente no primeiro encontro cara a cara entre os dois, realizado no dia 3 de outubro.

Naquela ocasião, o mau desempenho do presidente, sob os olhos de quase 70 milhões de telespectadores que o assistiram pela TV, fez com que todos os holofotes se virassem para ele na revanche.

À vontade com o formato deste segundo debate, no qual as perguntas vinham primordialmente da plateia, o presidente teve momentos à altura de sua fama como bom orador que ganhou na campanha de 2008.

Entretanto, Romney também levantou pontos que ressoam junto aos eleitores indecisos, sobretudo o estado da economia. “Se você votar em Obama”, disse Romney a um eleitor em determinado momento, “sabe o que serão os próximos quatro anos”.

“Não podemos suportar mais quatro anos disto”, disse Romney, culpando as políticas do governo Obama pelos 23 milhões de desempregados americanos e a manutenção da taxa de desemprego acima de 8% por mais de 40 meses.

Temas

obama romney 304x171 reuters

Se Romney conseguiu colocar seus pontos de vista no campo da economia, não o fez sem estar sob ataque permanente de Obama.

O democrata lembrou a declaração do republicano sobre deixar falir a indústria automotiva, criticou o nível de tributos (cerca de 14%) pago pelo ex-governador de Massachusetts, recordou que o plano de corte de impostos de Romney inclui os mais ricos e mencionou a posição do republicano de cortar recursos para o planejamento familiar.

Contestando a promessa do republicano de um plano de cinco pontos para reviver a economia, Obama disse que Romney tem apenas um “plano de um ponto só”: beneficiar os mais ricos da sociedade americana e pressionar a classe média.

Algumas vezes o presidente conseguiu tirar o republicano do sério, fazendo-o discutir com a moderadora, a repórter de Política da CNN Candy Crowley, por mais tempo de resposta. Romney também foi obrigado a usar parte do seu tempo para replicar um ataque anterior feito do presidente.

Ao mesmo tempo, Obama defendeu sem reservas os avanços dos seus quatro anos de mandato e tratou de assuntos internacionais e militares com autoridade.

Falando sobre um assunto sensível ao governo – o ataque ao consulado americano em Benghazi, na Líbia, que matou o embaixador americano para o país, Christopher Stevens –, Obama acusou Romney de politizar o incidente.
“Não é assim que um comandante-em-chefe opera”, afirmou Obama. “Você não politiza a segurança nacional, certamente não quando (os eventos estão) acontecendo.”

O presidente assumiu a responsabilidade pela segurança dos diplomatas americanos e reiterou que prometeu encerrar a guerra do Iraque e encontrar Osama Bin Laden – promessas que cumpriu.

Pesquisas

obama romney

A performance oferecida por Obama na terça-feira expressa a determinação do democrata em retomar a liderança que vinha mantendo nas pesquisas de opinião – mais crucial em determinados Estados indecisos onde os resultados podem cimentar o caminho de um ou de outro candidato para a Casa Branca.

Obama perdeu terreno, por exemplo, no indeciso estado de Ohio, onde faz campanha nesta quarta-feira para tentar reenergizar o eleitorado. Na Flórida e na Virgínia, sua vantagem desapareceu após o primeiro debate.

Uma pesquisa do instituto Gallup divulgada pouco antes do debate indicou os dois candidatos empatados tecnicamente, Romney com 50% das intenções de votos e Obama com 46%.

A subida do republicano nas pesquisas inflou as expectativas de que o debate da terça-feira fosse a chance de Obama de evitar um perigoso mergulho no humor de sua campanha.

Nas primeiras horas desta quarta-feira, ambos os lados reivindicaram vitória no debate da noite anterior. Uma pesquisa pós-debate divulgada na rede CNN indicou uma “ligeira vitória de Obama”, mas um empate em geral.

Dos eleitores indecisos pesquisados – a maioria republicanos, segundo a CNN –, 46% disseram que Obama venceu o encontro, enquanto 39% consideraram que Romney se saiu melhor.

Já na rede CBS, 37% de 500 eleitores indecisos pesquisados consideraram Obama vencedor, contra 30% que deram o primeiro posto para Romney. Porém 30% consideraram que os candidatos empataram.

Os dois candidatos se reencontram uma última vez na próxima segunda-feira, dia 22, em um debate sobre política internacional em Boca Raton, na Flórida.

 

 

Fonte: BBC

+ sobre o tema

Pesquisa revela constante racismo a imigrantes no Brasil

A noção de que o Brasil é um país...

Menos de 1% dos municípios do Brasil tem só mulheres na disputa pela prefeitura

Em 39 cidades brasileiras, os eleitores já sabem que...

Prostituição e direito à saúde

Alexandre Padilha errou. Realizar campanhas de saúde pública é...

Dilma sobre a campanha: ‘Sou outra pessoa, muito melhor’

Esbanjando bom humor, candidata petista diz que campanha foi...

para lembrar

Cristovam propõe bolsa de estudo para filhos de descendentes de escravos

Fonte: Agência Senado   O presidente da Comissão...

Cortes no Bolsa Família impulsionam aumento da extrema pobreza no Brasil

Em cinco anos, o Bolsa Família —programa de transferência...

Quanto vale a dignidade humana?

Os gastos da Prefeitura por cada animal que foi...

Vestibular 2010: UEAP divulga novos cursos

Fonte: Corrêa Neto - Engenharia Química, Engenharia Ambiental e...

Barack Obama elege seus filmes favoritos de 2023; veja lista

Tradicionalmente, o ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, escolhe seus filmes, músicas e livros favoritos do ano. Nesta quarta-feira (27), Obama compartilhou em suas...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=