ODU – Festival de Arte Negra começa hoje em Ceilândia

O evento reúne diversas formas de expressão artística, incluindo teatro, dança cinema, poesia, artes plásticas e música

Por Robson G. Rodrigues*, do Correio Braziliense 

Cristiane Sobral: “O campo das artes é historicamente preenchido por pessoas brancas”(foto: Coletivo ODU/Divulgação)

“A coisa vai ficar preta!”, avisam os organizadores de ODU — Festival de Arte Negra. A frase ganha novo significado nas mãos de membros do Coletivo ODU, que abrem espaço dedicado a enaltecer, divulgar e expandir o trabalho de artistas negros.

O evento ocorre em dois locais de Brasília: primeiro, em Ceilândia; depois, na Asa Sul, e reúne diversas formas de expressão artística, incluindo teatro, dança cinema, poesia, artes plásticas e música.
Convidados ilustres passam pelos quatro dias de evento, entre eles, a atriz e escritora, dona da cadeira 34 da Academia de Letras do Brasil (ALB), Cristiane Sobral; Leno Sacramento, ator baiano membro do Bando de Teatro Olodum que já contracenou nos longas Besouro e Ó paí, ó; além de show de encerramento com Marcelo Café.
A ideia é compensar séculos de privilégio de pessoas brancas no mundo artístico. “O campo das artes é historicamente preenchido por pessoas brancas”, diz Cristiane Sobral, que, há 20 anos, pesquisa sobre arte negra. “Esse é o primeiro festival voltado ao tema que a gente está fazendo aqui no DF. É uma tentativa de expandir um movimento que já existe em outros estados”.
Para a autora, a escalada de negros a espaços de destaque no mundo da arte é mais íngreme. “A representação é pequena, salvo algumas pessoas, como Grande Otelo, Elza soares, Seu Jorge, que tiveram de lutar muito para conquistar a evidência que têm”, comenta. Cristiane fará a performance Esperando zumbi na abertura do festival e será homenageada no dia de desfecho.
Diversidade
“Os espaços de arte no Distrito Federal ainda são muito elitizados e embranquecidos”, frisa o ator Victor Hugo Leite, um dos organizadores do Festival. Ele explica que, apesar de o evento dar exclusividade para artistas negros, os temas não param em raça. “Os assuntos são diversos. Damos bastante importância para discussões de gênero e sexualidade.”
Victor Hugo protagonizou Afronte, curta-metragem de 2017 dirigido pelos então estudantes de audiovisual Bruno Victor e Marcus Azevedo. Nele é abordado a vivência de jovens negros homossexuais no DF. O filme conquistou três prêmios no 50º Festival de Brasília e será exibido no festival ODU.
A mostra de cinema do evento também conta com filme Mumbi 7 cenas pós Burkina, de Viviane Ferreira, que foi a Cannes em 2014 com o curta O dia de Jerusa. A jovem cineasta é a segunda mulher negra a dirigir um longa-metragem na história do audiovisual brasileiro. A exibição do curta ocorre no mesmo bloco de Afronte, na noite de abertura, às 20h, com reprise nos outros dias.
Completam a programação performances de mímica com Miqueias Paz, dança vogue, com Kiki House of Caliandra, exposição fixa de Ricardo Caldeira e espetáculo de Narhari Narhas, Se Deus é por nós, quem será contra nós?. Confira na íntegra em www.goo.gl/GxRYiE.
* Estagiário sob supervisão Igor Silveira
ODU — Festival de Arte Negra
17 e 18 de julho na sede do Jovem de Expressão (EQNM 18/20, Bl C, Praça do Cidadão; Ceilândia Norte); 19 a 21 de julho na Casa da Árvore (SES 813, lote 53/54 casa; Asa Sul). Ingressos gratuitos para evento em Ceilândia; R$ 10 (meia) para evento na Asa Sul. Não recomendado para menores de 12 anos.

+ sobre o tema

Angola aumenta a presença de mulheres na sua representação nas Nações Unidas

O Ministério das Relações Exteriores vai colocar, em breve,...

Mano Brown recebe Karol Conká na estreia do podcast ‘Mano a Mano’

Mano Brown recebe Karol Conká na estreia do podcast...

Biografia Oficial de Milton Santos é lançada em Salvador

A biografia autorizada do geográfo e pensador Milton Santos...

para lembrar

Cinema presente na Semana da Consciência Negra em Pelotas

O cinema irá integrar o calendário de eventos...

Afropunk Bahia mostra potência da música negra em primeira grande edição

Poucas cidades são tão singulares como Salvador. Na capital...

Dilma é a segunda mulher mais poderosa do mundo na lista da ‘Forbes’

Presidente subiu de posição após dois anos consecutivos no...

Portugal deve pagar indenizações pela escravatura?

Os países que escravizaram devem compensar os escravizados? Há...
spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Sambista ligada ao rap, Leci Brandão rebate críticas de Ed Motta: ‘Elitista’

Leci Brandão, 79, rebateu com estilo as recentes declarações de Ed Motta, que chamou de "burros" os fãs de hip hop, "sem exceção". Sem citar...

‘Bad Boys 5’ já está sendo discutido, afirma produtor

‘Bad Boys: Até o Fim‘ estreou há apenas uma semana, mas um 5ª filme para a franquia estrelada por Will Smith e Martin Lawrence já está sendo discutido. A...
-+=