Organização lança Campanha de Promoção da Identidade Negra na Paraíba nesta quinta-feira

 

Será lançada nesta quinta-feira (29) pela Bamidelê – Organização de Mulheres Negras na Paraíba, a segunda edição da campanha de Promoção da Identidade Negra na Paraíba Morena/o, não! Eu sou negra/o!

A campanha teve grande repercussão no estado em 2009 e está sendo relançada pela entidade, dentro do evento “Cotas e cidadania – um direito seu”, evento realizado em parceria com o Núcleo de Estudos Afro Brasileiros e Indígenas (NEABI), no auditório 411 do CCHLA, na Universidade Federal da Paraíba. A campanha “Morena, não! Eu sou negra!” tem entre seus objetivos contribuir para a valorização da raça negra na Paraíba, através da afirmação da identidade de negras/os, como também ampliar o debate junto à sociedade sobre as relações raciais e a necessidade de políticas públicas que promovam a igualdade racial.

De acordo com o Mapa da População Preta e Parda no Brasil com base no Censo do IBGE de 2010, aumentou em 7,6 pontos percentuais o numero de municípios com maioria de pretos e pardos – 49,2% para 56,8%.

Na capital paraibana 53,9% da população é composta de pretos e pardos, porém a presença de negras e negros nas universidades, mídia, parlamento, órgãos públicos não reflete esta realidade.

Para a coordenadora da Bamidelê, Terlúcia Silva, a pesquisa mostra que a campanha de Promoção da Identidade Negra realizada em 2009 pela organização pode ter contribuído para que a população da Paraíba respondesse ao Censo do IBGE afirmando a sua identidade negra.

O coordenador da pesquisa do Mapa da População Preta e Parda no Brasil, Marcelo Paixão, reforça a fala de Terlúcia Silva. Para ele, os indicadores com base no Censo 2010 foram influenciados pelo processo de valorização da presença afrodescendente na sociedade brasileira e pela adoção das políticas afirmativas.

Cotas na universidade – Cotas e Cidadania – um direito seu. Este é o tema do debate que será realizado nesta quinta (29), no auditório 411 da UFPB. O evento terá início as 14h30 com a realização das rodas de diálogo Assistência e Promoção Estudantil e Ações Afirmativas no contexto brasileiro. Em seguida, na praça da alegria do CCHLA, acontece a apresentação cultural do grupo de mulheres capoeiristas, e a noite, a partir das 19h, no auditório 411 do CCHLA, o debate sobre a importância da adoção de políticas de ações afirmativas nas universidades públicas brasileiras, com o professor doutor em Ciência Política da Universidade Federal do Rio de Janeiro, João Feres. A UFPB adotou a política de cotas em 2010 e tem como proposta reverter o quadro de desigualdades educacionais e raciais entre negros e brancos, promovendo a inclusão social e garantindo o acesso a direitos previstos na Constituição Federal, como a educação pública e de qualidade.

 

 

Fonte: Paraiba.com

+ sobre o tema

para lembrar

IV Encontro de cinema Negro Africa Brasil Caribe

    Programação08 DE NOVEMBRO CINE ODEON BR...

Semana da Consciência Negra 2010 será aberta dia 16

“Rememorando a militância do Negro no Rio de...

10 estratégias de manipulação da mídia – Noam Chomsky

As grandes estratégias da manipulação midiáta por Noam Chomsky   1....

Lei inclui ‘Afoxé Omo Oxum’ no calendário cultural de Sergipe

O ano de 2011 começou a todo vapor para...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=