Os jovens da classe C são os maiores consumidores do país: 129 bilhões de reais

Os mesmos jovens que os shoppings querem impedir a entrada são também os que gastam mais do que todas classes sociais juntas, aponta pesquisa

 

por MARINA ROSSI

 

Diante dos rolezinhos que invadiram a praia dos shoppings nas últimas semanas, a Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings (Alshop) solicitou oficialmente uma reunião com a presidenta Dilma Rousseff para discutir a proibição as convocações. Isso ocorreu na mesma semana em que o Instituto Data Popular divulgou uma pesquisa apontando que esses mesmos jovens do rolê são também os que têm o maior potencial de consumo entre todas as classe sociais.

Sozinhos, os jovens da classe média concentram um poder de consumo de 129 bilhões de reais, enquanto os jovens das classes A e B somam 80 bilhões, e os da classe D, 19,9 bilhões. Segundo Renato Meirelles, presidente do Data Popular, impedir os jovens dos rolezinhos de entrarem nos shoppings – como muitos estabelecimentos estão tentando fazer – é não enxergar o potencial de consumo que esse público pode gerar. “É uma miopia das oportunidades de negócios”, disse Meirelles.

A pesquisa ainda mostrou que 16,6 milhões de brasileiros entre 16 e 24 anos frequentam um dos 495 shoppings do país, em uma média de três vezes ao mês. Metade (54%) desse público é da classe média, que tem na lista dos produtos mais desejados o notebook, seguido do smartphone e do tablet.

“Descobrimos que os jovens da classe c são a maioria absoluta dos frequentadores dos shoppings. Depois, vimos que eles gastam mais do que todas as classes sociais somadas, o que pode ser uma oportunidade para os shoppings”, disse Meirelles, que observa que esses jovens são os filhos da nova classe média, que não tiveram um passado de restrição como seus pais.

Um dado curioso é que entre as mulheres das classes A e B, 70% já usaram algum produto falsificado. Entre os consumidores da classe c, esse percentual não passa de 50%, porque, segundo a pesquisa, essas mulheres creem na apresentação como forma de diminuir o preconceito. Ocorre que, segundo a pesquisa, “a renda das pessoas cresceu mais do que os espaços de consumo, e não se construíram espaços e nem métodos de consumo universalizados.

Segregação

Enquanto o estudo fala sobre universalização dos espaços de consumo, se dependesse somente da classe alta brasileira, os shoppings deveriam ser segregados. Metade dos jovens de classe A e B afirmam preferir frequentar locais com pessoas do mesmo nível social. Pessoas malvestidas deveriam ser barradas dos shoppings para 17% dos jovens dessa classe social mais alta. Também para 17% deles, os estabelecimentos deveriam ter elevadores separados, e metade defende a criação de produtos na versão “para ricos e para pobres”.

A ideia de fechar as portas para os meninos de classe média brasileira, pareça ter coerência com o desejo da classe alta, não confere com o dinheiro que a classe média é capaz de movimentar, devido ao seu alto potencial de consumo.

A presidenta Dilma afirmou estar preocupada com a questão do rolezinho, mas, por ora, ainda não tomou nenhuma medida em relação ao assunto.

 

 

 

Fonte: El Pais

 

+ sobre o tema

Marieta Severo fala de papel na novela, racismo e dos ataques que sua família recebe nas redes

Atriz cita retrocessos na sociedade, celebra ressurgimento do feminismo...

Marina diz em NY que não mudará a economia

Por: CRISTINA FIBE Candidata do PV pede fim de...

Às agressões humanas, a Terra responde com flores

Mais que no âmago de uma crise de proporções...

Lula chega a 47% na Vox Populi; maioria considera prisão injusta

“A prisão de Lula, da forma como ocorreu, parece...

para lembrar

‘Não aguento mais ficar em casa’, diz Lula

Apenas três dias após ter sido submetido à primeira...

Juíza lança “O Negro no Século XXI”

Fonte: Portal Imbuí - "O Negro no Século XXI"....

Miséria é a principal herança da escravidão, diz Dilma

A presidente da República Dilma Rousseff definiu a "invisibilidade...

Lançamento do marco regulatório do pré-sal

Brasília, 31 de agosto de 2009 ...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=