“Papáveis” africanos disputam para suceder Bento XVI

Bento XVI apresentará sua renúncia oficial ao Pontificado somente no dia 28 de fevereiro e, enquanto se espera para março o Conclave que deve definir o novo Santo Padre, aumentam as especulações sobre o futuro líder dos mais de 1,2 bilhões de católicos no mundo.

“Há um africano com possibilidades reais de ser papa?”, indagou o teólogo Guiseppe Liguori em um artigo publicado pelo jornal queniano “Daily Nation” na última terça-feira, um dia depois dessa extraordinária decisão do pontífice alemão vir à tona.

“Em minha opinião, só dois africanos têm chances de ser escolhidos”, completou Liguori, em alusão aos cardeais Peter Turkson (Gana) e Francis Arinze (Nigéria), dois purpurados que também se encontram entre os favoritos das casas de apostas britânicas assumir o Pontificado.

Com mais de 150 milhões de católicos, a África já apresentou três papas ao longo da história: San Víctor I (189-199), San Melquíades (311-314) e San Gelasio I (492-496), que procediam do norte do continente.

“No entanto, se o cardeal Francis Arinze ou o cardeal Peter Turkson for escolhido, essa pessoa entrará para história como o primeiro papa negro”, descreve o jornal ganês “Daily Guide”.

“Se Deus quisesse ver um homem negro como papa, daria graças a Deus”, chegou a declarar o próprio Turkson, que possui 64 anos e é encarregado do “Ministério” vaticano para a Justiça e Paz.

O purpurado ganês, talvez o mais preparado dos “papáveis” africanos, foi designado arcebispo de Cape Coast em 1992 pelo papa João Paulo II, quem lhe ordenou cardeal em 2003.

Turkson é um especialista na Bíblia, já que estudou as Sagradas Escrituras no Instituto Pontifício Bíblico de Roma, onde se formou em 1980 e se tornou doutor nessa mesma matéria em 1992.

Além do inglês e da língua nativa fante, o cardeal ganês fala francês, alemão, hebraico e italiano – idioma muito importante, dado que o papa também se torna bispo de Roma. Para completar, Turkson também escreve em latim e grego. Turkson, que em março de 2011 foi designado por Bento XVI como mediador do Vaticano no conflito da Costa do Marfim, também se destaca como um grande diplomático.

Em relação ao uso de preservativo para impedir a propagação da aids – muito presente na África -, o aborto e o homossexualismo, o purpurado ganês segue a linha conservadora do papa Joseph Ratzinger.

“Sua idade é uma de suas principais vantagens. Aos 64 anos, ele ainda tem força e energia, mas já conta com a experiência necessária para ser o líder da Igreja Católica”, aponta o teólogo Liguori.

Outro “papável” africano é o cardeal nigeriano Francis Arinze, de 80 anos e prefeito regional emérito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos.

Também visto como um conservador em assuntos como a homossexualidade, Arinze já entrou nas apostas dos “papáveis” no Conclave de 2005, quando Bento XVI foi escolhido como papa.

O clérigo nigeriano, que se converteu ao catolicismo aos nove anos, se formou doutor em Teologia em Roma, foi ordenado sacerdote em 1958 e bispo em 1965, sendo que, em 1985, João Paulo II lhe designou como cardeal
 

Arinze, cujos colegas exaltam sua capacidade para cooperar com representantes de outras religiões, acumula uma ampla experiência no Vaticano, onde trabalhou com João Paulo II e Bento XVI. No entanto, sua idade avançada é, sem nenhuma dúvida, sua grande desvantagem em relação aos demais papáveis.

Entre os candidatos africanos para substituir Bento XVI também figura Robert Sarah, cardeal guineano de 67 anos e presidente do Conselho Pontifício Cor Unum, que se ocupa de distribuir a caridade do papa.

Sarah, que é menos mencionado que Turkson e Arinze, começou a chamar atenção em 2010, quando acusou o então líder líbio, Muammar Kadafi, de faltar com respeito ao papa por pedir que o Islã se transformasse na religião oficial da Europa.

“Apesar do Conclave para a escolha do novo pontífice contar com 120 purpurados do mundo todo, a escolha de um papa africano não deveria ser uma surpresa”, finalizou o teólogo Liguori. 

+ sobre o tema

A importância da democracia direta

A Suíça vive nos últimos tempos um novo...

Brasil tem novo Centro de Estudos Africanos

  O Centro terá como sede a Universidade Federal do...

10 ideias errôneas que temos sobre a África

Uma jornalista da Namíbia, Christine Vrey, estava revoltada com...

para lembrar

Celebrando o crescimento e desenvolvimento da África

Analistas internacionais acreditam que alguns países africanos, incluindo a...

Para fugir do ‘imperialismo chinês’, africanos apostam no Brasil

Governantes, empresários e microempresários africanos enxergam no Brasil um...

“Justiceiros” agridem e entregam gays à polícia, diz ONG

  Ativistas de direitos humanos informaram hoje que...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=