Para Fifa, latinos e africanos consideram subornos parte da renda

Blogueiro do Estadão, Jamil Chade revela que advogados de Ricardo Teixeira e João Havalange tentaram convencer a Justiça suíça de que corrupção faz parte da cultura nacional

247 – Em seu post “Para a Fifa, somos todos corruptos”, Jamil Chade, do Estadão, chama atenção para os argumentos usados pelos advogados de Ricardo Teixeira e João Havalange para explicar à Justiça suíça os R$ 45 milhões em subornos que passaram por suas contas em oito anos. Segundo eles, tudo é uma questão de cultura. Leia:

PARA A FIFA, SOMOS TODOS CORRUPTOS

Eu, você, minha avó e mesmo um recém formado cheio de sonhos ainda. Para a Fifa, não há diferença. Somos todos corruptos e equivalentes a “Teixeiras” e “Havelanges”.

Hoje, o Tribunal da cidade suíça de Zug publicou seu processo contra os cartolas brasileiros. R$ 45 milhões em subornos passaram por suas contas em oito anos. Mas o que mais surpreende no documento não são os valores ou a constatação da obviedade da corrupção que envolvia Havelange em seu reinado.

Em um dos trechos, o tribunal relata como os advogados da Fifa tentavam convencer os juizes em uma audiência de que não viam problemas com a atitude de Teixeira e Havelange e alegavam que a proposta da Justiça de que os cartolas devolvessem US$ 2,5 milhões para os cofres da organização seria impossível de ser implementada. Entre os vários motivos para não pedir o dinheiro de volta, os advogados da Fifa apresentaram um argumento surpreendente: o de que a “maioria da população” de países da América do Sul e África tem nos subornos e propinas parte de sua renda “normal”

Cito o trecho completo do argumento dos advogados da Fifa para não ficar dúvida: “Os representantes legais da Fifa são da opinião ainda de que implementar a devolução do dinheiro seria quase impossivel. Eles justificam isso, inter alia, com o argumento de que uma queixa da Fifa na América do Sul ou África dificilmente seria aplicada, já que pagamentos de subornos pertencem ao salário recorrente da maioria da população”.

Ou seja, Teixeira não devolveria o dinheiro porque, em nossa suposta “cultura”, todos temos parte da renda completada por subornos.

Não vamos confundir as coisas. A corrupção existe e é endêmica em nossa região e no Brasil, assim como na África. Mas também existe na civilizada Suíça, na gigante Siemens da Alemanha ou nos EUA.

O que une a muitos hoje em nossa região não é o fato de que recebemos um pedaço de nosso salário em forma de subornos, como insinua a Fifa. O que nos une é hoje a indignação diante dessa realidade e o fato de estarmos exaustos de ver dinheiro público enriquecendo certas pessoas.

Querer agora justificar a dificuldade em receber o dinheiro de volta alegando que somos todos assim não é apenas surpreendente como argumento legal, mas uma ousadia que o tribunal simplesmente não aceitou e chegou a ironizar. A entidade sempre soube da corrupção e mesmo Joseph Blatter era o braço direito de Havelange. E a única atitude que tomou foi a de abafar os casos cada vez que surgiam.

Quando Jerome Valcke sugeriu que o Brasil recebesse um “chute no traseiro” pelos atrasos na Copa, ele tinha razão no conteúdo, mas não nas palavras usadas. Um vice-presidente do COI chegou a me dizer que a Fifa havia sido “racista” ao fazer o comentário do “chute no traseiro”, adotando um ar de superioridade. Na época, achei que ele exagerava e que não havia lugar para racismo escancarado assim. Mas lendo agora o comentário dos advogados diante de um tribunal, começo a pensar que ele poderia ter razão.

 

 

Fonte: Ariquemes Online

+ sobre o tema

UA recompensa cientistas africanos

A União Africana (UA) identificou cinco cientistas africanos para...

A literatura engajada do Nobel de Literatura Wole Soyinka

Por: Nahima Maciel Wole Soyinka foi o primeiro e único...

Negros estrangeiros buscam Mama África paulistana

Segundo relatório da Polícia Federal de dezembro de 2013,...

para lembrar

Cheikh Anta Diop

Cheikh Anta Diop, nascido em 29 de dezembro de...

Alemanha: Âncoras Negros no Noticiário

A Alemanha não conta com âncoras negros no noticiário,...

Yaya: “Ninguém quer saber da Costa do Marfim porque somos africanos”

Yaya Touré está furioso por ninguém querer saber da...

Amílcar Cabral o poeta africano

Por que alguém se preocuparia em calar a voz...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=