Para pagar faculdade, universitária vende produtos em vestibulares e concursos

Andréa Santos, 29, está no último ano da faculdade de enfermagem. Para pagar o curso, ela tem uma barraca em que vende doces, salgadinhos, bebidas, lápis, caneta e borracha nas entradas de concursos e vestibulares, como o da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). No último domingo (10), ela, sua filha Jennifer, 11, e seu marido Augusto, 32, estiveram em um dos locais de prova do processo seletivo, que, segundo eles, estava “fraco” para os negócios.

FRILA EM VESTIBULARES E CONCURSOS

  • Andréa Santos, 29, com sua filha Jennifer e o marido, Augusto, vendem produtos no vestibular

 

“As vendas vão melhor em concursos”, afirma Andréa. “Como quem vem em vestibular é estudante, eles já sabem tudo o que tem que levar antes. Nos concursos, não; aí a gente vende muito mais lápis, caneta”, explica. No dia da Unicamp, os produtos “top” de vendas foram os chicletes. “Por dia é possível ganhar até cerca de R$ 300”, diz.

Quando terminar a graduação, a universitária quer trabalhar num hospital; no entanto, ela ainda não tem certeza se abandonará por completo a rotina como vendedora: “A gente acaba se acostumando”, diz. “Dá para ajudar a pagar faculdade, carro, casa… Vale a pena”, afirma.

A mãe já está ensinando à filha o ofício. “Acho legal vir ajudar. Minha mãe fala que eu tenho que ser simpática e falar com as pessoas. Tenho vergonha, mas estou me soltando. Hoje já vendi uns 6 produtos”, comenta, sorrindo. O pai de Jennifer, que é inspetor de segurança durante a noite, explica como eles sabem dos concursos: “Vemos pela internet e escolhemos. Quanto mais conhecido for, melhor”. Para ele, o esforço vale a pena: “Aqui é mais lucrativo que o trabalho; compensa perder o fim de semana”, completa.

Essa também é a opinião dos amigos Paulo Silva, 46, e Edson Borges, 34. Os dois são porteiros no período noturno, e, para complementar a renda, vendem comidas e bebidas em vestibulares: “A gente perde o domingo, mas ganha a segunda feira com o bolso cheio”, diz Silva. Borges só se queixa da concorrência nos vestibulares: “Dão tudo para eles [os estudantes]: suco, água, lápis, borracha… Só venho para não ficar em casa sem ganhar nada”, confessa.

Fonte: UOL

+ sobre o tema

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a...

para lembrar

Escravidão e discriminação

Por Margareth Menezes     Neste momento, em...

O fetiche das tecnologias de comunicação contemporâneas

Sou do tempo das cavernas. Tudo porque não tenho...

O que pode uma língua

A triste verdade é que a língua portuguesa esmagou...

Mais um projeto do senador Paim vira lei federal

Fonte: Lista de Discriminação Racial - O Vice-Presidente da...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira (13) atos de movimentos feministas contra o projeto de lei que equipara aborto a homicídio,...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de Lei que ameaça condenar por homicídio meninas, jovens e mulheres que interromperem gestações, ainda que...
-+=