Pastor homofóbico renuncia após ser pego conversando em app de paquera gay

Um pastor de Michigan (EUA) que já se pronunciou contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi pego pedindo por sexo em um aplicativo de paquera gay.

Do UOL

O site de notícias gays Queerty conseguiu capturas de tela da conversa em que Matthew Makela envia fotos suas para outros homens. O pastor, que é pai de dois filhos, confirmou a autenticidade da conversa, mas não quis fazer mais comentários.

Makela deixou o cargo depois que o artigo veio a público. O pastor repetidamente condenou a homossexualidade, de acordo com o Queerty.

Em um agora deletado comentário para um jornal anticasamento gay, editado por um colega pastor, Makela comparou a homossexualidade ao alcoolismo e sugeriu que os gays poderiam superar a atração pelo mesmo sexo com apoio suficiente.

“Eu amo as pessoas que têm atração sexual pelo mesmo sexo, assim como Deus”, escreveu ele. “Nós não dizemos a uma pessoa que nasce com tendências para o abuso de álcool para continuar a satisfazer seus desejos inatos. Tentamos ajudá-la em sua luta.”

Em um post no Facebook de setembro de 2014 ele novamente repetiu suas visões antigays. “Mudar a cultura começa com a mudança de nossa própria cultura de casamento e família, tomando a união matrimonial com a maior seriedade e acolhendo as crianças em nossa igreja”, escreveu, explicando que o casamento gay e o divórcio não “refletem os desejos de Deus de amor e submissão”.

Mas, no Grindr –o aplicativo de paquera para o público homossexual–, o pastor pediu para se encontrar com outros homens, explicando que tinha uma namorada e que não podia sair à noite.

“Adoro ficar pelado”, ele escreveu. “Oral e massagem. Também gosto de abraçar”, continuou ele antes de enviar mais fotos de si mesmo pelo app. (Com “NY Daily News“)

+ sobre o tema

Ministra pede aprovação de lei para criminalização da homofobia

A ministras Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos...

A filha de ex-escrava que virou deputada e inspira o movimento negro no Brasil

Uma catarinense filha de uma escrava liberta começa aos...

Pandemia afeta a volta ao trabalho para a mulher negra

Análise do PNAD/IBGE de momentos distintos do cenário nacional...

MIS recebe o Mulheres que leem Mulheres

Quem passa em frente às janelas do Museu da...

para lembrar

Mulheres negras: Um duplo desafio para o sistema de Justiça

Mary Aguiar foi a primeira juíza negra do nossos...

Tocantins será visitado pela CPMI que investiga violência contra a mulher

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga...

Movimento Negro destaca necessidade de combater o racismo para além dos campos de futebol

Ideia foi defendida em reunião de representantes do segmento...

Curso e ciclo de debates reúnem principais pensadoras e ativistas feministas da atualidade

A poeta Audre Lorde, a escritora Conceição Evaristo, a...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=