Paulo Paim: sim, é possível

Eu sempre penso o Brasil a partir de decisões políticas. Da individual consciência chegamos ao bem viver coletivo. Mesmo que essa forma de agir e compreender o mundo, para uns, seja considerada utópica. São as coisas inalcançáveis que nos fazem seguir em frente.

Por Paulo Paim, do GauchaZH

Foto Jorge William / Agência O Globo

Pior do que falhar é permanecer acomodado, de braços cruzados aprimorando a indiferença, a arrogância, a estupidez e a covardia. Como dizia o velho poeta: “O fácil fizemos ontem, o difícil realizamos hoje, o impossível alcançaremos amanhã”.

Há três importantes leis sociais que nasceram desse contexto. O Estatuto do Idoso compõe-se de 118 artigos que garantem saúde, alimentação, moradia, Previdência Social, salário mínimo, entre outros direitos.

O Estatuto da Igualdade Racial equipara direitos e possibilita superar o racismo. Ele, da mesma forma, abrange diversas áreas. Infelizmente, de geração em geração, a discriminação do homem pelo homem continua.

Já o Estatuto da Pessoa com Deficiência é a emancipação social de 46 milhões de pessoas, segundo números do IBGE. Essa lei, também de nossa autoria, é um instrumento de cidadania para questionar o preconceito e a omissão do Estado e da sociedade.

A política de valorização do salário mínimo, a Lei 12.764/2012, que criou a política de proteção à pessoa autista, e o Estatuto da Juventude são outros exemplos de que tudo passa por decisões políticas.

Temos também, mais recentemente, a CPI da Previdência, que mostrou que o sistema é superavitário, e a instalação da subcomissão do Estatuto do Trabalho que visa a um novo patamar das relações laborais com direitos equilibrados. Ou seja, uma ousada possibilidade de harmonizar os interesses de classe.

O combate à corrupção do Estado e do Mercado é fundamental para a evolução da nossa democracia. Mas de nada adiantará se ele for parcial e selecionar os alvos. A aplicação da lei deve ser implacável e valer para todos. E isso é decisão política.

Não temos mais tempo de esperar o sol nascer… Temos que molhar a terra, mudar o nosso jeito de caminhar, amassar barro com o povo. “A nação quer mudar. A nação deve mudar. A nação vai mudar”.

+ sobre o tema

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram...

Convenção da extrema direita espanhola é alerta para o Brasil

"Manter o ideal racial de um continente branco de...

Aprovado no Senado, PL dos planos de adaptação esboça reação a boiadas do Congresso

O plenário do Senado Federal aprovou nesta terça-feira (15/05)...

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

para lembrar

Obama lá, e aqui?!

E no Brasil, quando vamos ter um(a) presidente(a) da...

Alex Castro – O Peso da História: A Escravidão e as Cotas

por Alex Castro A História ainda é uma...

Seja racista e ganhe fama e empatia, por Djamila Ribeiro

Por: Djamila Ribeiro Costumo dizer que o Brasil é o país...

Temer deveria explicar aos trabalhadores braçais que eles vão dançar

Cortador de cana Servente de pedreiro Carvoeiro Roçador de juquira Operário de frigorífico Colhedor...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do Estado emerge da catástrofe. A pandemia de Covid-19 deveria ter sido suficiente para demonstrar que...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um alerta sobre o impacto econômico e social das mudanças climáticas que atinge todo o mundo....

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda 2024, ano-base 2023, termina em 31 de maio. Até as 17 horas do dia 30 de...
-+=