Pesquisa: grupos étnicos têm diferentes hábitos de sono

Em maioria, os afro-americanos gostam de rezar antes de fazê-lo; os americanos brancos gostam de ter ao lado seus mascotes, os asiáticos tendem a fazê-lo melhor e os hispânicos pensam no trabalho pouco antes. Do que se trata? Do sono. Os resultados da pesquisa Sleep in América 2010 (Sono na América), publicada nesta segunda-feira, mostram que os hábitos diferem de acordo com o grupo étnico das pessoas.

 

Os afro-americanos têm a rotina mais regrada uma hora antes de se deitarem, três quartos deles veem televisão e um pouco menos (71%) rezam, segundo depoimentos.

 

Apenas 18% dos asiáticos, um em cada três brancos e menos da metade dos hispânicos disseram rezar antes de dormir. Um em cada dez afro-americanos e hispânicos disseram fazer sexo todas as noites, contra apenas um em cada 100 asiáticos e um em cada 25 brancos.

 

Os que dormem melhor são os asiáticos, segundo a pesquisa, que seria a primeira a se interessar pelas diferenças étnicas com relação ao sono nos Estados Unidos. Oitenta por cento dos asiáticos disseram dormir bem várias vezes na semana, e a maioria alcança esse bom resultado sem qualquer ajuda.

 

Apenas 5% deles admitiu tomar várias vezes por semana algum remédio para dormir, contra 13% dos brancos, 9% dos negros e 8% dos hispânicos. Os provenientes da América Latina são os que mais se queixam de preocupações financeiras, de trabalho, pessoais ou sanitárias, que os mantêm despertos, mostra o estudo.

 

Quase quatro em cada dez latinos (38%) e um terço dos afro-americanos indicaram perder o sono algumas noites por semana por um desses motivos, contra um quarto dos brancos e dos asiáticos. Cerca de 20% dos hispânicos e dos negros disseram que problemas econômicos, pessoais ou de saúde lhes tiram o sono todas as noites.

 

Já os brancos são os que mais dormem com seus animais de estimação: 14% deles compartilham a cama com seus gatos ou cachorros, contra apenas 2% dos demais grupos étnicos.

 

Mais asiáticos dividem suas casas com os filhos: 28% contra 22 dos hispânicos, 15% dos negros e 8% dos brancos. “Se você tem problemas para dormir e o faz com seu cônjuge, filho, animal de estimação ou os três de uma vez, saiba que isso pode estar contribuindo para suas dificuldades para pegar no sono”, advertiu Sonia Ancoli-Israel, chefe da equipe que realizou a pesquisa.

 

Mas se existem diferenças, também há semelhanças entre os hábitos de sono dos diversos grupos étnicos. Por exemplo, todos (de 19% a 24%) disseram que faltaram à reuniões de trabalho ou familiares porque estavam cansados e, entre os casais que vivem juntos, todos os grupos admitiram estar cansados às vezes para fazer sexo.

 

1.007 adultos de 25 a 60 anos participaram do estudo que foi realizado no prazo de um ano.

 

 

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Minha Casa, Minha Vida: Governo amplia limite de renda para compra da casa própria

Rendimento mensal máximo sobe de R$ 4.900 para R$...

Sobre leite, achocolatado, bananas e vitamina por Marcos Rezende

Antes de eu saber que era meramente comercial,...

O duplo desafio de Obama

- Fonte: O Estado de São Paulo - Conforme...

Candidaturas coletivas podem acabar já em 2024; a quem isso interessa?

As candidaturas coletivas podem deixar de existir já a...

para lembrar

Mino Carta e a Herança da Casa Grande

Não quero que os ricos chorem, dizia o líder...

Bolsonaro faz da mentira sua tática política sobre a ditadura

Ao presidente cabe esclarecer suas declarações que violam compromissos...

Pesquisa Sensus aponta empate entre Serra e Dilma

Pesquisa Sensus encomendada pelo Sintrapav (Sindicato dos Trabalhadores...

Serra prometeu à Chevron mudar regras do pré-sal

Wikileaks revela que José Serra, então pré-candidato do PSDB...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...

Em 20 anos, 1 milhão de pessoas intencionalmente mortas no Brasil

O assassinato de Mãe Bernadete, com 12 tiros no rosto, não pode ser considerado um caso isolado. O colapso da segurança pública em estados...
-+=