Petrobras assina contrato para promover igualdade racial; Nordeste será foco

Por: Vanessa Silva

 

 

RIO DE JANEIRO – Um protocolo de intenções entre a Petrobras e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) foi assinado às 17h desta terça-feira na sede da estatal, no centro do Rio de Janeiro. O objetivo do documento é firmar uma cooperação para o desenvolvimento de ações que promovam a igualdade racial e o combate ao racismo. De acordo com a ministra da Seppir, Luiza Bairros, a região Nordeste será uma das maiores beneficiadas com a política de incentivos, já que é na área há uma concentração maior de manifestações das culturas negras

“Do ponto de vista da questão das artes e da cultura negra você tem, até mesmo por conta de concentrações populacionais, um maior número de manifestações que se localiza no Nordeste brasileiro. Eu acredito então que com isso a gente vá ter, naturalmente, a depender do tema, uma concentração maior (de incentivos) no Nordeste porque é lá que reside uma grande parte dessas manifestações culturais afro-brasileiras”, explicou a ministra. De acordo com o último censo realizado no Brasil, a população nordestina é composta em 62,7% de pardos, 28,8% de brancos, 8,1% de negros e 0,3% de indígenas e amarelos.

O acordo entre a Petrobras e a Seppir deve funcionar de maneira que a estatal promova iniciativas voltadas para o favorecimento da igualdade racial, além de estar comprometido em beneficiar, em seus processos de seleção de patrocínios, critérios que valorizem as artes negras e de outros segmentos étnicos. As ações propriamente ditas do protocolo de intenções, porém, ainda não foram estruturadas.

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli de Azevedo, ressaltou durante conversa com a imprensa, que a estatal possui 18.468 funcionários que se consideram afrodescendentes, de acordo com o último censo aberto e auto declarado (no qual as pessoas declaram espontaneamente sua raça) realizado na empresa.

No evento, a ministra Luiza Bairros anunciou que o governo pretende lançar, até o final do primeiro trimestre, o Programa Nacional de Ações Afirmativas, com medidas que incentivem a inclusão das diversas matrizes raciais no processo produtivo e cultural do país. “Estamos terminando de preparar o que chamamos de um Programa Nacional de Ações Afirmativas para que, até o final do primeiro trimestre, a gente coloque na rua”, disse. O projeto ainda não passou pela Casa Civil, mas segundo a ministra, já está formatado.

 

 

 

 

Fonte: Ne10

+ sobre o tema

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da...

Lei que implantou escola cívico-militar em SP fere modelo educacional previsto na Constituição, diz PFDC

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão...

Ação enviada ao STF pede inconstitucionalidade de escolas cívico-militares em SP

Promotores e defensores públicos encaminharam ao Supremo Tribunal Federal...

para lembrar

Sérgio Martins – O corpo deixado de lado e a solidão diante da webcam

A longa trajetória de desenvolvimento da humanidade é marcada...

Luiza Bairros e o vendilhão do templo – – Por Cidinha da Silva e Mariana Assis

Em texto recente, Reinaldo Azevedo, colunista da Folha e...

Nova identidade tem CPF como número principal, QR code e abriga dados de outros documentos

O governo federal quer acelerar a corrida para digitalizar a identidade dos brasileiros. A nova CIN (Carteira de Identidade Nacional) representa o fim do RG e da impressão...

ONU pede que Brasil legalize aborto e denuncia ‘fundamentalismo religioso’

Alertando sobre o avanço do que chamou de "fundamentalismo religioso" no Brasil, um dos principais órgãos da ONU que lida com a situação da...

Trump se torna 1º ex-presidente condenado em ação criminal na história dos EUA

Donald Trump se tornou o primeiro ex-presidente considerado culpado pela Justiça em uma ação criminal na história dos Estados Unidos. O veredicto, divulgado nesta quinta-feira (30),...
-+=