Piauí se mantém há seis anos entre os estados mais homofóbicos do país

Este ano já foram registradas 11 denúncias de agressões ao público LGBT entre os meses de janeiro e abril

Por  Glenda Uchôa – Jornal O Dia

No Piauí, existe uma persistente violação de direitos humanos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBTs). É o que faz entender o relatório do Disque Direitos Humanos (Disque 100), disponibilizados pela Secretaria de Direitos Humanos (SDH) da Presidência da República, que mostra que, há seis anos, o Piauí passeia entre as cinco primeiras colocações por conta do maior número de denúncias, considerando a proporção por número de habitantes, registradas em todo o país. Tudo isso mesmo com realização constante de campanhas que buscam conscientizar a população.

De acordo com o levantamento, nos últimos seis anos, o estado já ocupou três vezes a primeira colocação na quantidade de denúncias. Os anos mais violentos no estado foram os de 2011, 2013 e, até então, 2016. No primeiro ano da pesquisa, o Piauí registrou 107 denúncias, ficando com a taxa de 3,43 para cada 100 mil habitantes, número quase seis vezes maior que a média nacional, que foi 0,61 no respectivo ano.

Neste ano, o primeiro lugar se repete. Já foram registradas 11 denúncias de agressões ao público LGBT de janeiro a abril, o que corresponde a uma taxa de 0,35 para cada 100 mil habitantes, acima da média nacional de 0,22.

É preciso entender o que é caracterizado no relatório. Entende-se por homofobia, o preconceito ou discriminação (e demais violências daí decorrentes) contra pessoas em função de sua orientação sexual e/ ou identidade de gênero presumidas, que possui um caráter multifacetado e abrange mais do que as violências tipificadas pelo código penal.

Mesmo os números apontando grave quadro de violências homofóbicas, acredita-se que haja uma subnotificação de casos. Em 2013, de acordo com o Disque 100, o Estado voltou a figurar na primeira posição, registrando 104 denúncias.

O levantamento destaca os tipos de violência registradas. Entre elas estão a discriminação, violência física, institucional, psicológica e sexual. Os registros mais comuns no Piauí são a discriminação, violência física e psicológica. Sendo essa última, manifestada através de ameaças, calúnia, injúria ou difamação, chantagem, hostilização, humilhação e perseguição a gays, lésbicas, bissexuais, travestis ou transexuais.

Além disso, há perfis que sofrem esses tipos de violação de forma ainda mais intensa. Ao analisar o relatório, é possível identificar o perfil das vítimas e dos suspeitos de praticar os diversos tipos de agressão aos LGBTs no Piauí.

As vítimas geralmente têm o sexo biológico masculino, são travestis com idade entre 18 e 24 anos, de cor parda ou negra. Os agressores são a maioria homens, brancos, das mais variadas idades. Geralmente são desconhecidos ou vizinhos das vítimas.

+ sobre o tema

Homem hétero não tem amigo gay. Veja três histórias que desmentem essa ideia

Livre dos preconceitos e respeitando as diferenças, homens heterossexuais...

Polícia investiga estupro após discussão política no Rio

Mulher diz que foi insultada por homens enquanto falavam...

Americanos elegem primeiros deputados muçulmanos e indígenas

Primeiro governador abertamente gay foi outro marco; social-democrata Alexandria...

para lembrar

Michelle Obama é a mulher mais admirada do mundo, diz pesquisa

No ano passado, a vencedora tinha sido Angelina Jolie Do...

“Vagão rosa segrega mulheres”, diz líder cetebista

Movimentos sociais se reuniram na Praça da Sé, na...

Professores gays carbonizados em carro levam cidade do sertão baiano às ruas

No mesmo final de semana em que um ataque...

Antropóloga norte-americana Sheila Walker visita Salvador

O Núcleo de Gênero do Coletivo de Entidades Negras...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=