Plataforma Centros Urbanos

 

 

A Plataforma dos Centros Urbanos contribui para que todas as crianças e todos os adolescentes das cidades possam crescer e se desenvolver com saúde, aprender mais, ter acesso à cultura, se divertir, praticar esportes e estar sempre protegidos contra qualquer tipo de violência. Dessa maneira, a Plataforma espera reduzir as desigualdades entre quem mora nessas comunidades e quem vive em outras regiões da cidade.
A Plataforma dos Centros Urbanos, lançada neste ano pelo Unicef nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Itaquaquecetuba (SP), definiu 20 metas municipais e 30 metas comunitárias nas áreas de educação, saúde, assistência social e proteção. O intuito é mobilizar governo, sociedade civil, empresas e cidadãos para que trabalhem em conjunto na promoção da melhoria na qualidade de vida de crianças, jovens e adolescentes moradores em comunidades populares, por meio do desenvolvimento e da gestão de políticas públicas, programas e ações voltadas a eles.

Em âmbito nacional, a Plataforma será composta por representantes dos governos federal, estaduais, municipais, Frente Parlamentar pela Infância, sociedade civil e setor privado. Em nível estadual estão sendo desenvolvidas estratégias que contam com o compromisso dos governos dos Estados. Nos municípios serão formados Comitês Municipais, integrados pelas secretarias municipais e estaduais das áreas sociais, por organizações não governamentais, representantes dos Grupos Articuladores Locais, de empresas e da mídia. E, finalmente, em nível local conta-se com a atuação dos Grupos Articuladores Locais, formados por integrantes das próprias comunidades, como os de Perus e Anhanguera.

A iniciativa é desenvolvida em ciclos com duração de quatro anos (2008 a 2011) e está sendo implementada inicialmente nas cidades de São Paulo e Itaquaquecetuba (SP) e Rio de Janeiro (RJ)

A Plataforma dos Centros Urbanos é composta por dois processos complementares, que acontecem em ciclos de quatro anos e terão seus resultados amplamente disseminados.

As 20 metas municipais

20 metas que serão monitoradas nos municípios do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Itaquaquecetuba
1. Reduzir a mortalidade neonatal precoce.
2. Ampliar a cobertura dos programas de atendimento à saúde da família.
3. Ampliar a cobertura pré-natal.
4. Ampliar o atendimento em creches para crianças de até 3 anos.
5. Ampliar o atendimento em pré-escolas para crianças de 4 e 5 anos.
6. Reduzir o abandono, a repetência e a distorção idade-série no Ensino Fundamental.
7. Universalizar o acesso ao ensino fundamental para a população de 6 a 14 anos.
8. Cumprir as metas relativas ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) dos anos iniciais do Ensino Fundamental nas escolas municipais.
9. Ampliar as ações de prevenção às DST/aids entre adolescentes.
10. Reduzir a taxa de mortalidade por acidente de trânsito entre adolescentes.
11. Garantir a implantação e o funcionamento de sistema de notificação de violência contra crianças e adolescentes no município.
12. Ampliar o número de Conselho Tutelares e assegurar o pleno funcionamento dos existentes.
13. Ampliar o número de Centros de Referência de Assistência Social em relação à população municipal.
14. Reduzir a taxa de reincidência de adolescentes cumprindo medidas socioeducativas de meio aberto.
15. Reduzir o número de gestantes adolescentes.
16. Ampliar o percentual de adolescentes de 16 e 17 anos cadastrados no Tribunal Regional Eleitoral.
17. Ampliar o número de escolas implantando a Lei nº 10.639/03, que prevê a inclusão da temática de história e cultura afro-brasileira nos currículos escolares.
18. Reduzir a taxa de homicídios entre adolescentes.
19. Ampliar o acesso à escola regular de crianças e adolescentes com deficiência.
20. Implantar mecanismos de monitoramento do investimento criança e gastos sociais relacionados.
As 30 metas comunitárias
30 metas comunitárias que serão monitoradas nos municípios do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Itaquaquecetuba
1. Melhorar a qualidade do atendimento a gestantes em Unidades Básicas de Saúde.
2. Melhorar a qualidade do atendimento do Programa de Agentes Comunitários de Saúde/Programa de Saúde da Família.
3. Aumentar o número de bebês alimentados exclusivamente com leite materno até 6 meses*.
4. Reduzir o número de casos de violência doméstica e acidentes domésticos entre crianças e adolescentes*.
5. Melhorar a qualidade da infraestrutura urbana para crianças e adolescentes (saneamento, asfalto, calçadas, praças) e das condições ambientais (lixo, verde, poluição sonora, qualidade do ar).
6. Reduzir o número de doenças respiratórias em crianças e adolescentes.
7. Reduzir o número de casos de dengue entre crianças e adolescentes*.
8. Melhorar a qualidade do ensino-aprendizagem nas creches e escolas.
9. Melhorar a qualidade da infraestrutura nas creches e escola.
10. Melhorar a qualidade do atendimento a crianças e adolescentes com deficiência nas creches e escolas.
11. Ampliar a abrangência e qualidade dos programas complementares à escola*.
12. Ampliar o grau de participação de alunos e familiares em grêmios e conselhos escolares*.
13. Melhorar a qualidade do atendimento a adolescentes que vivem com HIV em Unidades Básicas de Saúde (UBS).
14. Ampliar a participação dos adolescentes da comunidade em programas de educação sexual e prevenção ao HIV/aids*.
15. Melhorar a abrangência e qualidade de programas para adolescentes em medidas socioeducativas.
16. Ampliar a quantidade e qualidade do funcionamento dos Conselhos Tutelares.
17. Ampliar a quantidade e qualidade do funcionamento das delegacias especializadas.
18. Reduzir o número de casos de violência nas escolas*.
19. Reduzir o número de adolescentes envolvidos em atividades violentas e/ou ilícitas.
20. Reduzir o número de casos de exploração e abuso sexual contra crianças e adolescentes*.
21. Reduzir o número de casos de trabalho infantil*.
22. Ampliar a abrangência e qualidade dos equipamentos e atividades culturais para crianças e adolescentes.
23. Ampliar a abrangência e qualidade dos equipamentos e atividades esportivas para crianças e adolescentes.
24. Ampliar a abrangência e qualidade dos programas de educação profissional e inserção de adolescentes no mundo do trabalho.
25. Ampliar a abrangência e qualidade dos programas de saúde do adolescente.
26. Ampliar o nível de participação de crianças e adolescentes nas ações e decisões da comunidade*.
27. Ampliar a quantidade e qualidade dos equipamentos e atividades que permitam as crianças e adolescentes se expressarem, acessarem, produzirem e difundirem informações e conhecimentos por meio das tecnologias de informação e comunicação.
28. Ampliar a acessibilidade para crianças e adolescentes com deficiência na comunidade.
29. Melhorar a qualidade do atendimento a crianças e adolescentes com deficiência nas Unidades Básicas de Saúde.
30. Melhorar as condições de mobilidade de crianças e adolescentes dentro e fora da comunidade.
* 10 metas de governabilidade da comunidade e que serão utilizadas no processo de certificação das mesmas.

+ sobre o tema

Famílias de baixa renda podem solicitar parabólica digital gratuita

Famílias de baixa renda de 439 municípios podem solicitar...

CNDH denuncia trabalho escravo em oficinas de costura em São Paulo

Uma comitiva do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH)...

20 anos do ECA: iniquidades e violência são grandes desafios

O escritório do Fundo das Nações Unidas para a...

Senado aprova fim de revista manual a visitantes em presídios

Projeto da senadora Ana Rita (PT-ES), aprovado na CCJ,...

para lembrar

Obrigado, Feliciano!

por  Eduardo d´Albergaria Há pelo menos 3 décadas, o fundamentalismo religioso...

Prisões de ativistas ferem cláusula pétrea do Estado de Direito, por Marcelo Cerqueira

“Mais respeito à democracia” Um dos grandes defensores das liberdades...

Bagatela conta histórias de mulheres presas por pequenos furtos

No documentário Bagatela de Clara Ramos, são conhecidas as histórias...
spot_imgspot_img

Ministério lança edital para fortalecer casas de acolhimento LGBTQIA+

Edital lançado dia 18 de março pretende fortalecer as casas de acolhimento para pessoas LGBTQIA+ da sociedade civil. O processo seletivo, que segue até...

PM matou 94% a mais na Baixada Santista; ‘Tô nem aí’, diz Tarcísio

"Sinceramente, nós temos muita tranquilidade com o que está sendo feito. E aí o pessoal pode ir na ONU, pode ir na Liga da...

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...
-+=