Presidenciáveis voltam a atenção aos 52 milhões de eleitores nas periferias

Incremento na renda dessa população não foi acompanhado por melhorias nos serviços públicos

Por: Paulo de Tarso Lyra

Nas últimas três semanas, o discurso político brasileiro, sobretudo o entoado pelos candidatos ao Palácio do Planalto em 2014, redescobriu as classes C, D e E — e a necessidade de investir em serviços públicos para uma população que soma 157 milhões de pessoas, das quais estima-se que 52 milhões estarão aptas a votar no ano que vem. Como que por encanto, desapareceram as críticas às maquiagens no superavit fiscal, a necessidade de um câmbio equilibrado para as empresas nacionais ou a concessão de portos e aeroportos. O debate atual é a urgência de médicos públicos, a melhoria na mobilidade urbana, a segurança nas periferias das grandes cidades e a manutenção dos programas sociais.

Alguns fatores pesaram para essa mudança no debate, dois deles impulsionados pelo governo federal. A efeméride petista dos 10 anos de criação do Bolsa Família, entoada pela presidente Dilma Rousseff e pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na semana que passou e o Programa Mais Médicos, sancionado no Palácio do Planalto há cerca de 15 dias. Das manifestações das ruas, em junho, derivou outro ponto do discurso: a necessidade de investir em mobilidade urbana, com as construções de corredores exclusivos de ônibus e de mais investimentos em metrôs, por exemplo.

As violentas manifestações de rua, a partir de um caso que se tornou emblemático — o desaparecimento do auxiliar de pedreiro Amarildo de Souza após ser conduzido por PMs na Favela da Rocinha, no Rio de Janeiro — e a morte de civis envolvidos em confrontos policiais reacenderam o debate sobre segurança pública, sobretudo nas regiões mais carentes das grandes cidades. Setores do governo, como a Secretaria-Geral da Presidência, alertam que a cultura da violência existente na periferia pode dificultar ainda mais a ação oficial no combate aos chamados black blocs, por ser complexa a delimitação do que é ação criminosa ou apenas um ato de rebeldia contra o sistema.

Fonte: Correio Braziliense

+ sobre o tema

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança...

para lembrar

Quem se cala, consente. Quem se cala, consente

Primeiro, domesticamente, em privado, eles ofenderam e insultaram os...

Speedo corta patrocínio de Ryan Lochte e doa dinheiro para crianças brasileiras

O nadador Ryan Lochte, dos Estados Unidos, causou uma...

Ibope: 78% são contra o financiamento privado de campanhas eleitorais

Levantamento encomendado pela OAB mostra ainda que 56% querem...

Frei acusado de pedofilia na Bahia é preso na Inglaterra após sete anos foragido

Fonte: Folha Online - Foi preso nesta segunda-feira na...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...

Fome extrema aumenta, e mundo fracassa em erradicar crise até 2030

Com 281,6 milhões de pessoas sobrevivendo em uma situação de desnutrição aguda, a ONU alerta que o mundo dificilmente atingirá a meta estabelecida no...
-+=