Professor da UFMA acusa alunos de homofobia

Glécio Machado Siqueira, de 36 anos, é  professor do curso de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Maranhão – UFMA. Com dois pós-doutorados, ele dá aulas para o campus de ciências agrárias e ambientais, ministrando aulas de física e biofísica para 200 estudantes dos cursos de engenharia agrícola, biologia e zootecnia. Glécio afirma que foi vítima de ameaças e preconceito praticados  por três alunos dentro do campus da Universidade, localizado no município de Chapadinha.

por Ligia Teixeira no Jornal Pequeno

“Me chamam de bicha, de gay, e outras agressões verbais impublicáveis”. disse o professor a jornalistas. Segundo informações, o professor atua há pouco tempo na universidade e desde que foi contratado, sofre insultos e agressões verbais por parte de um grupo de estudantes do curso onde leciona.

Segundo Siqueira, as agressões e ameaças foram comunicadas à direção do curso que o aconselharam a mudar hábitos e passar a usar o banheiro feminino do Campus. O professor alega que chegou a levar a questão à ouvidoria da UFMA, bem como à reitoria, mas nada teria sido feito para punir os alunos agressores. A reitoria da UFMA não quis se posicionar publicamente sobre o assunto.

“Comuniquei aos setores responsáveis na universidade e também ao MEC e recebi o silêncio como resposta. Os insultos só vêm aumentando e eu me sinto sozinho, pois não recebi nenhum apoio da universidade. O que me fortalece são alunos que repudiam estes atos de homofobia e estão me apoiando. Integrantes do DCE [diretório central estudantil] já presenciaram essas agressões, se reuniram e fizeram um abaixo-assinado repudiando os atos homofóbicos”, disse Siqueira.

A Comissão de Diversidade Sexual da OAB/MA (Ordem dos Advogados do Brasil no Maranhão) esteve em Chapadinha para denunciar o caso à polícia. O professor informou que vai ingressar com ação na Justiça.

O Maranhão está entre os estados com as taxas mais elevadas de denúncias de violências homofóbicas do país. A taxa de denúncia ao poder público originadas no Maranhão foi de 5,44% para cada grupo de 100 mil pessoas, ocupando a quarta colocação na tabela de casos, superado pelo Piauí, Distrito Federal e Ceará. Em 2011, data deste  levantamento da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, foram 358 denúncias de violência homofóbica no Maranhão. A taxa no estado é superior à do Brasil em geral, de 3,48%, correspondendo a 6.809 denúncias de caráter homofóbico.

  Os 10 estados mais perigosos para ser gay no Brasil 

+ sobre o tema

Articulação por ministra negra no STF avança com blindagem a potenciais candidatas

A movimentação crescente de diferentes setores da sociedade pela...

Às feiticeiras, minha reverência

Em sua nova coluna, a filósofa e ativista reflete...

STJD investiga homofobia no clássico e pode punir Corinthians e São Paulo

Corintianos e são-paulinos trocaram ofensas no mesmo durante a...

As Ganhadeiras de Itapuã comemoram título da Viradouro no Carnaval carioca

Dezenas de pessoas se reuniram em Itapuã para celebrar...

para lembrar

Mulheres são o futuro da humanidade, diz médico vencedor do Nobel

Congolês Denis Mukwege fundou hospital que cuida de vítimas...

“São mulheres negras que empurram a esquerda para esquerda”, diz socióloga

Salvador, a cidade mais negra do Brasil, estranhamente em...

Sobre futilidades que não cabem dentro de uma luta

Existem mulheres feministas incríveis e que eu sou muito...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=