Guest Post »

Quantos dias o Iguatemi aguentaria fechado? – Por Saul Leblon

Há 57 anos, uma negra chamada Rosa Parks deu um rolezinho sobre as prerrogativas dos brancos no transporte coletivo de Montgomery, nos EUA

O Museu Henry Ford, em Detroit, nos EUA, guarda inúmeras relíquias da história norte-americana sobre rodas.

O veículo no qual Kennedy foi baleado está lá.

Gigantescas locomotivas que desbravaram a expansão ferroviária do país no século XIX ilustram, em toneladas de ferro e aço, o sentido da expressão revolução metal-mecânica.

Perto delas, os esqueléticos Fords-bigode que deram origem à indústria automobilística, de que Detroit foi a capital um dia, parecem moscas.

O museu abriga também um centenário ônibus da‎ National City Lines, de número 2857; um GM com o número 1132, que fazia a linha da Cleveland Avenue na cidade de Montgomery, no Alabama, em 1 de dezembro de 1955.

A ocupação de um assento naquele ônibus mudaria a história dos direitos civis nos EUA, promovendo um salto na luta pela igualdade entre negros e brancos no país.

O verdadeiro símbolo do episódio não é o velho GM, mas a costureira e ativista dos direitos dos negros, Rosa Park (1923-2005) ,que naquela noite se recusou a ceder o lugar a um branco.

Rosa tinha 40 quando desafiou a física do preconceito no Alabama dos anos 50, segundo a qual brancos e negros não poderiam usufruir coletivamente do mesmo espaço, ao mesmo tempo.

Rosa Parks viveria mais 50 anos para contar e recontar esse rolezinho sobre as prerrogativas dos brancos, que transformaria o velho GM em um centro de peregrinação política.

obama3-600x399

O último presidente a sentar-se no mesmo banco do qual ela só saiu presa foi Barak Obama.

Em 2012, depois de alguns segundos em silencio no mesmo lugar, ele disse: ‘É preciso um gesto de coragem das pessoas comuns para mudar a história’.

Rosa Parks era uma pessoa comum até dizer basta a uma regra sagrada da supremacia branca nos EUA.

Em pleno boom de crescimento do pós-guerra, quando negros se integravam ao mercado de trabalho e de consumo norte-americano, eles não dispunham de espaço equivalente nem no plano político, nem nos espaços públicos, como o interior de um veículo de passageiros.

No Alabama, os bancos da frente dos ônibus eram exclusivos dos brancos; os do fundo destinavam-se aos negros.

Detalhes evitavam o contato entre as peles de cores distintas: os negros compravam seu bilhete ingressando pela porta da frente, mas deveriam descer e embarcar pela do fundo.

À medida em que os assentos da frente se esgotavam, os negros deveriam ceder seu lugar a um novo passageiro branco que embarcasse no trajeto.

Rosa Parks estava fisicamente exausta aquela noite e há muitos anos cansada da desigualdade que humilhava sua gente.

Ela recusou a ordem do motorista e não cedeu o lugar, mesmo ameaçada. Sua prisão gerou um boicote maciço dos negros de Montgomery.

Durante longos meses, eles se recusaram a utilizar o transporte coletivo da cidade, provocando atrasos nos locais de trabalho e prejuízos às empresas de transporte.

Milhões de panfletos explicativos seriam distribuídos diariamente; de forma pacífica, grupos de ativistas vasculhavam os pontos de ônibus da cidade para convencer negros a aderir ao boicote.

Quase um ano depois, a lei da segregação dentro dos ônibus foi extinta.

Neste sábado, um dos shoppings mais luxuosos de São Paulo, o Iguatemi JK, cerrou as portas para impedir que movimentos sociais fizessem ali um protesto contra a discriminação em relação aos pobres.

O Iguatemi foi um dos pioneiros a obter liminar na Justiça de SP autorizando seguranças a selecionar o ingresso de clientes para barrar a juventude dos rolezinhos – marcadamente composta de jovens da periferia, pretos, mestiços e pobres.

A memória dos acontecimentos de 57 anos atrás em Montgomery nos convida a perguntar:

– A exemplo das transportadoras racistas do Alabama, quantos dias o Iguatemi de SP aguentaria de portas cerradas, cercado por manifestações pacíficas e desidratado pela fuga de seus clientes tradicionais?

 

Protesto encontra shopping fechado; movimento negro vai à polícia e acusa JK de racismo

 

Fonte: Revista Fórum

Related posts