Quem é Francia Márquez, o fenômeno político da Colômbia

Enviado por / FonteFórum, por Marcelo Hailer

Militante do meio ambiente e feminista antirracista, Márquez recebeu mais de 700 mil votos e pode ser a vice de Gustavo Petro

As eleições legislativas que ocorreram neste domingo (14) na Colômbia consagraram Gustavo Petro como o favorito a vencer as eleições do país que ocorrem em maio deste ano.

Com mais de 4 milhões de votos, Petro será o nome da coalizão Pacto Histórico, uma coalizão de esquerda, mas, uma outra pleiteante ganhou destaque quando os resultados da prévia foi divulgado: Francia Márquez, que também disputou as gerais do Pacto Histórico e ficou em segundo lugar com 757 mil votos (15%) e superou, em votos, o candidato de centro. 

Após receber os resultados, Francia Márquez e seus apoiadores apenas cantavam e repetiam o slogan da campanha: “O povo não se rende, porr*!”. 

Francia Márquez, o fenômeno da política colombiano

Líder do movimento ambiental e feminista antirracista, Francia Márquez, com os seus mais de 700 mil votos, deixou para trás figuras tradicionais da política, e que tiveram muito dinheiro em suas respectivas campanhas, como Sergio Fajardo, que já foi três vezes candidato à presidência (recebeu 701 mil votos nas prévias desse domingo), o ex-ministro Alejandro Gaviria e o ex-governador de Boyacá, Carlos Amaya. 

Porém, além de ter atropelado nomes tradicionais da política colombiana, outros dois fatores também explicam o fato de Francia Márquez ser considerado um fenômeno político: é a primeira mulher negra a disputar uma prévia presidencial e a sua campanha começou apenas há três meses. Isso, quando comparado com Gustavo Petro e os outros nomes, é um fato para lá de histórico, pois, todos eles estão há anos em campanha política.

A trajetória política de Francia Márquez 

Francia Márquez nasceu em La Toma Suárez, região de Cauca, no Oeste da Colômbia e começou a ganhar destaque na cena política da Colômbia ao denunciar a mineração ilegal do Ouro, que afeta o ecossistema do rio Ovejas e mais de 250 mil pessoas de sua comunidade.

Em 2018 Márquez convocou um ato que lhe renderia o Prêmio Ambiental Goldman 2018 (conhecido como Nobel Ambienta):Márquez convocou 80 mulheres de sua região e, juntas, caminharam por 10 dias cerca de 350 quilômetros até Bogotá. O ato tinha por objetivo fazer com que as autoridades “ouvissem” as demandas do movimento. 

Em defesa da descriminalização do aborto e contra o neocolonialismo 

Conhecida por ter uma retórica contundente e direta, Franca Márquez tem como bandeiras prioritárias o fim da desigualdade econômica das mulheres, a descriminalização do aborto, presença do Estado em regiões periféricas, erradica o racismo estrutural e preservação do meio ambiente e da “mãe terra”, com ela costuma dizer. 

“Cresci com essas visões de colonialismo, racismo, violência armada, violência estrutural, mas também com a resistência de minha mãe, minha avó, que não aprendeu uma carta, mas que sempre nos ensinou que o importante é cuidar da vida e ver o território como um patrimônio ancestral”, declarou Márquez ao France 24. 

Vice de Gustavo Petro? 

Com o caminhão de votos que conquistou a partir de uma plataforma que tinha como base a defesa da terra, o feminismo antirracista e a descriminalização do aborto, o nome de Francia Márquez tem sido colocado para ocupar a vice de Gustavo Petro. 

Todavia, a questão enfrenta resistência entre os aliados, que preferem um nome “mais ao centro” para ocupar a vice de Petro. Porém, o campo mais à esquerda do Pacto Histórico afirma que, além da sub-representação de mulheres na lista legislativa, o número de votos recebido por Márquez a cacifa para ser a vice-presidenta da chapa. 

Após tomar conhecimento dos resultados, Francia Márquez conversou com a imprensa e fez questão de destacar que não se tratava de uma trinfo seu ou de Gustavo Petro, mas sim do povo colombiano que está optando por um caminho para o país.

“É um triunfo do povo colombiano, o povo desse país está banhado em sangue e agora temos a oportunidade de corrigir, o voto pela Justiça, dignidade e paz. Temos o voto que pode ser capaz de colocar no centro das preocupações a vida. A tarefa não está concluída, está apenas começando. O povo não se rende”, disse Márquez. 

+ sobre o tema

Atrizes negras dominam premiação do 48º Festival de Cinema de Gramado

A atriz portuguesa Isabél Zuaa ganhou dois prêmios de melhor atriz:...

O conferencismo e o marchismo como formas de lutas políticas

Aconteceu em Brasília, em 18 de novembro, a Marcha...

Maioria das mulheres negras não exerce trabalho remunerado, aponta estudo

Menos da metade das mulheres negras brasileiras exerce trabalho...

Mulheres Maravilhosas: Cristiane Sobral

Não me lembro exatamente como entrei em contato com...

para lembrar

Em ano eleitoral, movimento gay cobra aprovação de leis contra homofobia

No ano em que as eleições podem promover a...

Leci Brandão rebate declaração do senador do DEM

  “NÃO EXISTE ESTUPRO CONSENTIDO”, AFIRMOU A CANTORA E COMPOSITORA...

TRE do Piauí impugnou todas as candidaturas do PSOL e do PCO

PCO teve problemas na prestação de contas e PSOL...

Netinho mostra apoio de José Alencar na TV

Vice-presidente aparece pedindo votos para Netinho enquanto filha de...
spot_imgspot_img

Piedad Córdoba: A despedida de uma lutadora incansável pela paz.

En el día de ayer fallecío la senadora colombiana Piedad Córdoba, y el presidente de Colombia, Gustavo Petro, publicó en sus redes que ella...

Mais de 5 mil municípios realizam eleições para conselhos tutelares neste domingo

Eleitores dos mais de 5,5 mil municípios brasileiros e do Distrito Federal vão às urnas neste domingo (1º) para escolher os novos conselheiros tutelares...

Colombianas oferecem a lição do dia: si se puede

O histórico de vitórias de seleções sul-americanas contra europeias não é bom para as sul-americanas: Em 2015 a Colombia venceu a França e, sem...
-+=