Quem é Francia Márquez, o fenômeno político da Colômbia

Enviado por / FonteFórum, por Marcelo Hailer

Militante do meio ambiente e feminista antirracista, Márquez recebeu mais de 700 mil votos e pode ser a vice de Gustavo Petro

As eleições legislativas que ocorreram neste domingo (14) na Colômbia consagraram Gustavo Petro como o favorito a vencer as eleições do país que ocorrem em maio deste ano.

Com mais de 4 milhões de votos, Petro será o nome da coalizão Pacto Histórico, uma coalizão de esquerda, mas, uma outra pleiteante ganhou destaque quando os resultados da prévia foi divulgado: Francia Márquez, que também disputou as gerais do Pacto Histórico e ficou em segundo lugar com 757 mil votos (15%) e superou, em votos, o candidato de centro. 

Após receber os resultados, Francia Márquez e seus apoiadores apenas cantavam e repetiam o slogan da campanha: “O povo não se rende, porr*!”. 

Francia Márquez, o fenômeno da política colombiano

Líder do movimento ambiental e feminista antirracista, Francia Márquez, com os seus mais de 700 mil votos, deixou para trás figuras tradicionais da política, e que tiveram muito dinheiro em suas respectivas campanhas, como Sergio Fajardo, que já foi três vezes candidato à presidência (recebeu 701 mil votos nas prévias desse domingo), o ex-ministro Alejandro Gaviria e o ex-governador de Boyacá, Carlos Amaya. 

Porém, além de ter atropelado nomes tradicionais da política colombiana, outros dois fatores também explicam o fato de Francia Márquez ser considerado um fenômeno político: é a primeira mulher negra a disputar uma prévia presidencial e a sua campanha começou apenas há três meses. Isso, quando comparado com Gustavo Petro e os outros nomes, é um fato para lá de histórico, pois, todos eles estão há anos em campanha política.

A trajetória política de Francia Márquez 

Francia Márquez nasceu em La Toma Suárez, região de Cauca, no Oeste da Colômbia e começou a ganhar destaque na cena política da Colômbia ao denunciar a mineração ilegal do Ouro, que afeta o ecossistema do rio Ovejas e mais de 250 mil pessoas de sua comunidade.

Em 2018 Márquez convocou um ato que lhe renderia o Prêmio Ambiental Goldman 2018 (conhecido como Nobel Ambienta):Márquez convocou 80 mulheres de sua região e, juntas, caminharam por 10 dias cerca de 350 quilômetros até Bogotá. O ato tinha por objetivo fazer com que as autoridades “ouvissem” as demandas do movimento. 

Em defesa da descriminalização do aborto e contra o neocolonialismo 

Conhecida por ter uma retórica contundente e direta, Franca Márquez tem como bandeiras prioritárias o fim da desigualdade econômica das mulheres, a descriminalização do aborto, presença do Estado em regiões periféricas, erradica o racismo estrutural e preservação do meio ambiente e da “mãe terra”, com ela costuma dizer. 

“Cresci com essas visões de colonialismo, racismo, violência armada, violência estrutural, mas também com a resistência de minha mãe, minha avó, que não aprendeu uma carta, mas que sempre nos ensinou que o importante é cuidar da vida e ver o território como um patrimônio ancestral”, declarou Márquez ao France 24. 

Vice de Gustavo Petro? 

Com o caminhão de votos que conquistou a partir de uma plataforma que tinha como base a defesa da terra, o feminismo antirracista e a descriminalização do aborto, o nome de Francia Márquez tem sido colocado para ocupar a vice de Gustavo Petro. 

Todavia, a questão enfrenta resistência entre os aliados, que preferem um nome “mais ao centro” para ocupar a vice de Petro. Porém, o campo mais à esquerda do Pacto Histórico afirma que, além da sub-representação de mulheres na lista legislativa, o número de votos recebido por Márquez a cacifa para ser a vice-presidenta da chapa. 

Após tomar conhecimento dos resultados, Francia Márquez conversou com a imprensa e fez questão de destacar que não se tratava de uma trinfo seu ou de Gustavo Petro, mas sim do povo colombiano que está optando por um caminho para o país.

“É um triunfo do povo colombiano, o povo desse país está banhado em sangue e agora temos a oportunidade de corrigir, o voto pela Justiça, dignidade e paz. Temos o voto que pode ser capaz de colocar no centro das preocupações a vida. A tarefa não está concluída, está apenas começando. O povo não se rende”, disse Márquez. 

+ sobre o tema

Grande São Paulo registra ao menos três ataques a transexual e travestis em duas semanas

Levantamento do G1 identificou ataques nos dias 4, 10...

Estações de transporte em SP terão programação para o Dia da Mulher

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), a Empresa...

Ilustradora mineira ganha o mundo com mensagens que explicitam o controle sobre a mulher

'Desconstruir uma situação banalizada de opressão nunca é fácil....

para lembrar

CRIOLA convida 25 anos de luta!

Comemorar seus 25 anos, Criola vai realizar, no dia...

Masculinidade tóxica: comportamentos que matam os homens

Criticar masculinidades tóxicas é diferente de criticar os homens por Guilherme...

2014 – O ano em que o Brasil passou a enxergar o racismo

  No final do segundo mês do ano, 2014 já...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=