Racismo no futebol vai parar na ONU

 

 

Cansados de observar repetidos atos de racismo contra jogadores brasileiros no exterior e sem uma estratégia clara para lidar com o problema, o governo federal decide elevar o tom e levar o caso à Organização das Nações Unidas (ONU). Nesta semana, a diplomacia do País se alia à África do Sul e apresenta ao órgão internacional uma proposta de resolução condenando atos de discriminação no esporte. A decisão de tratar do caso na ONU é inédita e já conta com o apoio de todos os países africanos.

O fenômeno do racismo no futebol tem assustado a Fifa e outras entidades ligadas aos esportes. O problema não se refere apenas às ofensas de torcedores contra jogadores, mas também a insultos dentro do próprio campo ou entre atletas da mesma equipe no vestiário. De acordo com analistas da Fifa, o fenômeno é um espelho de uma crise social que vem se agravando na Europa. Governos como os da Itália, Reino Unido e Espanha têm levantado verdadeiros muros contra a imigração. Em campo, quem sofre são os atletas negros ou de credos diferentes da maioria. Outro problema é a relutância dos governos e federações europeias em lidar de forma concreta com o problema.

África do Sul e Brasil, sedes das duas próximas Copas do Mundo, querem a aprovação de uma resolução que condene politicamente o racismo no esporte e peça medidas concretas para lidar com o problema. Na ONU, o tema será apresentado ao Conselho de Direitos Humanos, que inicia seus trabalhos na próxima segunda-feira. O texto vai à votação e será um teste real do compromisso dos europeus em lidar com o fenômeno.

Fonte: Gazeta do Sul

+ sobre o tema

Após comprar sapato, servidor negro é acusado de roubo e agredido em shopping

O servidor público federal Paulo Arifa, de 38 anos,...

OS FANTASMAS DE LAMPEDUSA E A CONSCIÊNCIA EUROPÉIA

  Berço de antigas civilizações, o Mar Mediterrâneo...

Publicações rejeitam lei antirracista alegando que medida ameaça liberdade de expressão

Publicações rejeitam lei antirracista alegando que medida ameaça liberdade...

Movimentos convocam a todos para marcha contra o genocídio do povo negro

Por: Deborah Moreira “Esta Marcha é para o irmão cansado...

para lembrar

Miss Universo 2011 – O racismo não me atinge. Os racistas deveriam procurar ajuda e se tratar

Sorridente e recebida com aplausos, Leila Lopes falou com...

Antes da estreia na Copa, Lukakuc desabafa sobre ser negro na Bélgica

Nesta segunda, a seleção belga vai estrear na Copa...

UEPG afasta estudantes após denúncia de troca de mensagens racistas em grupo de aplicativo; MP-PR investiga

A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), nos Campos Gerais do...
spot_imgspot_img

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...

A falácia da proteção à vida

A existência de uma lei não é condição suficiente para garantir um direito à população. O respaldo legal é, muitas vezes, o primeiro passo...
-+=