Racista da Paulista pagará R$ 28.960 para cada uma de suas vítimas

 

Uma auxiliar jurídica aposentada da Aeronáutica foi condenada a quatro anos de prisão, em regime inicial semiaberto, e de 39 dias-multa, pela prática de injúria racial contra três pessoas. As ofensas ocorreram em dezembro de 2012, quando as vítimas faziam compras em galeria da Avenida Paulista. A mulher, conhecida como racista da Paulista,  também deverá pagar indenização de R$ 28.960, por danos morais, a cada uma das vítimas. A decisão é da juíza de Direito Giovana Furtado de Oliveira, da 24ª vara Criminal da Barra Funda/SP.

A primeira vítima disse que a aposentada a chamou de “macaca, negra imunda, favelada”. Outras duas pessoas, ao defendê-la, também foram ofendidas. Quando estava sendo conduzida para a delegacia, a aposentada pediu para ser levada até sua casa para tomar um remédio, trancou-se em casa e não saiu mais. A polícia não fez flagrante e o DP não registrou BO, o que foi feito somente dois dias depois. A mulher negou todas as acusações.

Em sua decisão, a magistrada salientou que “restou claramente demonstrado que a ré injuriou as três vítimas, ofendendo-lhes a dignidade, em razão da raça e da cor da pele delas, conduta que se amolda perfeitamente ao tipo penal previsto no artigo 140, § 3, doCódigo Penal“.

As provas coligidas nos autos demonstram, ainda, de acordo com a juíza, “a presença da causa de aumento de pena do artigo 141, inciso III, do Código Penal, na medida em que os fatos ocorreram na presença de diversas outras pessoas, tendo a ré proferido as ofensas em alto e bom som”.

“Nesse caso, a justiça foi feita. Certamente é uma vitória. Mas esse é apenas um caso entre muitos que acontecem diariamente no país”, destacou Carmen Dora de Freitas, presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB/SP, quem fez a denúncia ao MP.

De acordo com a presidente da comissão, existe um procedimento que foi aberto na seccional – ainda em fase de instrução e aguardando resposta de ofício – expedido para o comando da Aeronáutica, porque segundo as vítimas, a aposentada, ao ofendê-las, dizia que era “oficial” e que “eles não sabiam com quem estavam lidando”.

  • Processo: 0002641-54.2013.8.26.0050

Confira a íntegra da decisão.

 

Leia mais sobre o assunto:

Aposentada é condenada a quatro anos de prisão por racismo

Mulher racista continua solta na Av. Paulista: ‘Eu não gosto de negro. Negro é sujo. Deveria ser proibida a entrada deles aqui. Negro é imundo’

 

 

 

Fonte: JusBrasil e Migalhas

 

 

+ sobre o tema

Sete anos ação afirmativa na ufba

Na manhã de 17 de maio de 2004,...

“Eu africanizo São Paulo”

VEJA A GALERIA Festival WAPI BRASIl 2011...

Unegro comemora 23 anos e empossa nova coordenação na Bahia

A União de Negros pela Igualdade – Unegro...

Dançarinos africanos de Moçambique ensinaram ritmo à cantora Beyoncé

Os dançarinos moçambicanos Mário e Xavito, pertencentes ao grupo...

para lembrar

spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=