Rede conecta profissionais negros ao mercado de trabalho

Fundada por jovens negros que enfrentaram – e ainda enfrentam – desafios em suas vidas profissionais, a Rede de Profissionais Negros-SP (RDPN) surgiu com o objetivo de incentivar a qualificação profissional e a inserção de profissionais negros em grandes empresas.

Do Finanças Femininas

“As nossas dificuldades foram as principais motivações para iniciar esse trabalho. Pois achávamos que os jovens negros que hoje atuam e que estão entrando no mercado de trabalho não deveriam passar pela mesma desigualdade”, explicam Lisiane Lemos e Wagner Cerqueira, membros do comitê de liderança.

Funcionários de grandes empresas, eles frequentemente ouvem de gerentes e recrutadores que a falta de profissionais negros no quadro de funcionários se deve à dificuldade em encontrar profissionais qualificados para preencherem esses cargos. Para eles, entretanto, “isso não é verdade e não serve mais como desculpa”.

“O fato de as multinacionais buscarem candidatos somente em universidades de ponta, ajuda a distanciar os jovens negros das vagas oferecidas. Ainda é fato que eles não têm grande representatividade nessas universidades, mesmo com ações afirmativas. E quando as empresas encontram, acabam alegando a falta de outras características que seriam ‘essenciais’ para as vagas, como fluência em idiomas e experiência comprovada.”

image-2

Para eles, é necessária a flexibilização de algumas exigências para que haja uma mudança efetiva no mercado de trabalho e na sociedade. Mas, apesar do cenário desafiador, enfatizam que a base da Rede conta com profissionais altamente qualificados e aptos a assumirem essas vagas.

Para as mulheres negras que lutam por seu espaço no mercado de trabalho, o desafio é duplo. “Há muitas mulheres que poderiam assumir posições de liderança: elas têm formação acadêmica de primeira linha, larga experiência e muita garra para o trabalho. Mas além de se depararem com um mercado de trabalho racista, ainda enfrentam o machismo desse ambiente”, explicam.

Diante das disparidades do mercado, a Rede busca facilitar a procura de recrutadores, conectar os profissionais negros e promover ações de qualificação, para que possam atender aos requisitos das vagas.

+ sobre o tema

Uneb terá concurso com 221 vagas para professor

Inscrições começam no dia 12 de janeiro No ibahia A Universidade do...

Empresas pretendem contratar nº maior de mulheres após maternidade

O Brasil está um ponto percentual acima da média...

Comércio oferece 17.272 vagas para o Dia dos Namorados

- Fonte: Folha Online - Três postos de intermediação...

para lembrar

Oito direitos humanos fundamentais do trabalhador

Por:Caiubi Miranda Blog Direitos Humanos no Trabalho Depois de quase trinta...

‘Mentalidade’ é obstáculo para empreendedoras brasileiras, diz especialista

Arancha González é diretora do International Trade Centre –...

Governo estende seguro desemprego para 216,5 mil trabalhadores

Fonte: Canal Rural Gabriel Jabur/ Agência Brasília/Fotos Públicas O governo vai...

Ministério do Trabalho capacitará 25 mil trabalhadores

Fonte: O Reporter -   Brasília - Até...
spot_imgspot_img

Educação (não) é mais importante atualmente?

Esperança reflete um dos principais motivos que moveram milhares de retirantes e moradores de regiões rurais para áreas urbanas ao longo do século 20....

Brancos recebem 61,4% a mais do que negros por hora de trabalho no Brasil

Brancos receberam em média R$ 20 por hora de trabalho no Brasil em 2022, quantia 61,4% maior do que a de pretos ou pardos (R$ 12,4)....

Festival gratuito em SP terá simpósio sobre direitos econômicos para mulheres negras e shows de Ellen Oléria e Ilú Obá De Min

O Fundo Agbara, primeiro Fundo Filantrópico para Mulheres Negras do Brasil, realiza, no dia 24 de novembro, a partir das 13h, a 3ª edição...
-+=