Registrado como ‘auto de resistência’, pai luta há 23 anos, para punir PMs por morte de Maicon, de 2 anos

‘Estou aqui cobrando mais uma vez’, diz pai, que todo ano faz vigília no Ministério Público. Crime já prescreveu e agora está com a Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

no G1

imagem: G1

A luta de um pai por justiça pela morte do filho completou 23 anos nesta segunda-feira (15). Todo ano, no mesma dia, José Luiz Faria da Silva volta a fazer uma vigília na porta do Ministério Público em busca de punição dos responsáveis pelo homicídio de Maicon de Souza Silva.

O pequeno Maicon foi morto aos 2 anos por PMs em Acari, na Zona Norte do Rio. Ele brincava na porta de casa quando foi baleado. Nenhum dos policiais militares envolvidos foi levado à Justiça.

Apesar da pouca idade de Maicon, o caso foi registrado à época como “auto de resistência”, termo usado por policiais que alegam estar se defendendo ao matar um suspeito.

“O Maicon tinha 2 anos de idade e entrou no chamado auto de resistência. Então, portanto, estou aqui cobrando mais uma vez”, diz José Luiz.

O crime já prescreveu e agora está com a Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

+ sobre o tema

Morgan Freeman e a arte de dizer grandes bobagens como se fosse o Todo Poderoso

por Marcos Sacramento O ator Morgan Freeman tem algo a dizer...

Um passo à frente, dois atrás

Será que alguém que não sabe o que é...

Relatos apontam proliferação de ataques às religiões afro-brasileiras

Casos incluem invasões de templos, destruição de imagens, incêndios...

para lembrar

O nome da manada

Alarmado com o vandalismo inqualificável em Brasília, um colega...

No virar da chave, poesia slam presente!

Desejo esse meu desejo é uma vontade coletiva muitas vezes representada  poucas...

O Estado mata e quer mudar maioridade penal – Bob Fernandes

Nas manchetes a questão da maioridade penal aos...

Professor recebe bilhete com ataques racista homofóbico

Professor de português do (Cotuca) colégio Técnico de Campinas,...
spot_imgspot_img

Educação escolar de negros com deficiência é marcada por capacitismo e racismo

Apesar da acessibilidade ser um direito garantido por lei para as pessoas com deficiência, a falta de ambientes acessíveis foi um dos principais problemas...

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...
-+=