Reitora ignora Recomendação do MPF e UFAM não recebe universitários indígenas do sul do Amazonas

No dia 21 de janeiro, o Ministério Público Federal deu prazo para que a UFAM, entre outras, estabelecesse formas para receber os estudantes indígenas. A reitora Márcia Perales não acatou a recomendação do MPF (leia na íntegra: Procurador da República no Amazonas dá prazo de dez dias para que o Direito à Educação seja garantido a todos os estudantes de Tenharim Marmelos), nem deu resposta ao pedido de audiência enviado pelos alunos do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (ofício no final desta matéria). (TP)

Divulgação/Adua

A reitora da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Márcia Perales Mendes da Silva, está sendo acusada pela comunidade acadêmica de ter ignorado a recomendação feita no último dia 21 de janeiro pelo Ministério Público Federal no Amazonas (MPF-AM), para que a instituição adotasse “as medidas necessárias para garantir a frequência dos alunos indígenas em seus cursos, sem prejuízo por decorrência dos conflitos e ameaças existentes na região, oferecendo todas as possibilidades de aproveitamento do ano letivo e medidas de acolhimento.

O MPF fixou o prazo de dez dias para que a UFAM, assim como a Universidade do Estado do Amazonas (UEA), o Instituto Federal do Amazonas (IFAM) e o Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam) informassem “o acatamento da recomendação, encaminhando descrição detalhada do planejamento das ações necessárias ao cumprimento e o cronograma”.

Desses quatro estabelecimentos de ensino, apenas a UFAM não prestou as informações requeridas pelo MPF.

Preocupados com a omissão de Márcia Perales, os alunos do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social encaminharam ofício no dia 29 do mês passado, solicitando uma audiência para “tratar de assuntos relacionados aos encaminhamentos por parte de vossa senhoria acerca da recomendação expedida pelo Ministério Público Federal do Amazonas”.

Veja a íntegra do ofício:

Universidade Federal do Amazonas
Museu Amazônico
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social

Ofício

À Magnífica Reitora Márcia Perales Mendes da Silva,

O corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Amazonas solicita uma audiência para tratar de assuntos relacionados aos encaminhamentos por parte de vossa senhoria acerca da recomendação expedida pelo Ministério Público Federal do Amazonas no dia 20 do mês corrente, solicitando que a presente instituição adote medidas necessárias para garantir a frequência dos alunos indígenas no Campus do Polo Vale do Rio Madeira – Humaitá em seus cursos, sem prejuízo por decorrência dos conflitos e ameaças existentes na região, oferecendo todas as possibilidades de aproveitamento do ano letivo.

Atenciosamente,

Manaus, 29 de janeiro de 2014.

Fonte: Combate Racismo Ambiental

+ sobre o tema

O Plano Nacional de Educação em disputa

Enviado para o Portal Geledés     Nina Madsen Está em disputa, no...

Governo suspende novas vagas do Pronatec, ProUni e Fies

Brasília - Uma das vitrines da área social da...

Lorrayne: ‘Espero que outros jovens tenham grandes oportunidades para se desenvolver’

Nossa campeã está de volta! Depois de arrasar na...

Educação em Portugal “não ultrapassou as desigualdades criadas pelo racismo”

A recém-criada Djass-Associação de Afrodescendentes organiza debate onde serão...

para lembrar

Um trabalho pioneiro sobre gênero e escolarização no Brasil

Um tema recorrente neste blog é a interface entre...

Em 13 anos, número de professores com doutorado em universidades federais cresce 189%

Há 13 anos, apenas 20.711 docentes efetivos da carreira...

“Eles querem retirar a diversidade da escola”

Para a integrante do movimento que critica o Escola...
spot_imgspot_img

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...
-+=