Segundo pesquisador, muitos pontos sobre sexualidade estão ausentes do Plano Nacional de Educação

“O Plano Nacional de Educação deixou de lado questões importantes, dentre elas a de gênero e sexualidade”. Isso é o que afirma Marcelo Daniliauskas, doutorandoda Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), sobre o Projeto d eLei que estabelece o Plano Nacional de Educação para os próximos dez anos (PNE2011-2020).

Na visão dele, o Plano não contemplou todos os pontos das resoluções da Conferência Nacional de Educação (Conae). “Houve uma distância entre as resoluções da Conae e as propostas apresentadas”, considera, lembrando que, como a Conferência é um espaço de caráter democrático, suas resoluções tambémdeveriam ser acatadas e colocadas no Plano de forma democrática.

“A sexualidade não tem nenhuma menção no Plano, apesar de ter sido aprovada naresolução da Conae com seção específica. A Conae possui caráter democrático,mas, na hora de transformar [as resoluções em Plano, acaba gerando frustraçãoporque [as resoluções] não foram devidamente acolhidas”, comenta.

O pesquisador da área de educação, políticas públicas e diversidade sexual espera que alguns pontos relacionados à sexualidade sejam abordados no Plano através de emendas. De acordo com ele, alguns deputados já apresentaram emendas ao projeto de lei para inserir questões referentes ao assunto, mas ainda precisam ser votadas. O Observatório da Educação dá conta de pelo menos 11 emendas que abordam gênero e sexualidade propostas por organizações sociais e parlamentares.

Um dos pontos centrais do Plano, a universalização do número de vagas no ensino é vista como um avanço por Daniliauskas. Nesse aspecto, ele acredita que, com a universalização, se passará a prestar mais atenção na exclusão.

Isso porque, na opinião dele, a universalização das vagas mostra “outros processos que influenciam no acesso e na continuação” dos estudos, como a questão de classe e de gênero e o racismo, por exemplo. “Já acompanhei casos de pessoas rejeitadas nas escolas porque suspeitavam da orientação sexual diferente da heterossexual , relata, lembrando ainda casos de bullying, e agressões físicas e psicológicas por partes de alunos/as, professores/as e coordenadores/as.

Problema que, segundo Daniliauskas, não é enfrentado apenas por parte do corpo discente. Professores/as e funcionários/as LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis etransexuais) também são alvos de discriminação tanto por parte dos/as colegas de trabalho quanto por parte de alunos/as. “Essa questão também afeta professores/as LGBT, que sofrem discriminação, piadinhas, desqualificação. Apessoa, por causa da sua orientação sexual, tem sua opinião desvalorizada,desqualificada”, observa.

Para ele, é importante trabalhar nas escolas temas que circulam na sociedade, como discriminação sexual e de classe, racismo, entre outros. Ele lembra ainda que a escola também deve focar a “cidadania e o pleno desenvolvimento da pessoa humana” e, por isso, precisa debater e discutir temas relacionados com isso,como, por exemplo, como lidar com a diferença.

“Porque não discutir a diversidade sexual nas escolas? O debate precisa estar nas escolas, não só a sexualidade, mas também a questão do racismo, da discriminação de classe… assuntos que circulam em setores da sociedade. A escola tem quequalificar o debate e não se ausentar”, destaca.

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

Projeto SETA tem novo financiador e amplia trabalho aprofundando olhar interseccional

O Projeto SETA (Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista),...

para lembrar

É inconstitucional trecho de lei de Foz do Iguaçu proibindo ensino de “ideologia de gênero”

O plenário virtual do STF, em decisão unânime, julgou...

Reaprender a ensinar

Ênfase em didática, programas estruturados, supervisão e combate à...

UFFS dá bônus de até 30% para quem cursou escola pública

Alunos que cursaram todo o ensino médio em escolas...

Cartilhas orientam famílias de adolescentes em conflito com a lei

Quando um adolescente é apreendido pela polícia, suspeito de...
spot_imgspot_img

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024 foi divulgado nesta segunda-feira (13). As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de energia, manejo ecologicamente correto na agricultura e prevenção à violência entre jovens nativos digitais. Essas...

Inscrições para ingresso de pessoas acima de 60 anos na UnB segue até 15 de maio; saiba como participar

Estão abertas as inscrições do Processo Seletivo para Pessoas Idosas que desejam ingressar nos cursos de graduação da Universidade de Brasília (UnB) no período...
-+=