Segurança alega que empresário o discriminava e o chamava de “macaco”

O segurança bancário Alexsandro Abilio de Farias disse nesta segunda-feira à Polícia que matou o empresário Adriano Henrique Maryssael de Campos, 73 anos, dono do Restaurante Adriano, por ter sido várias vezes discriminado. O crime aconteceu no final da manhã de terça-feira,dia 21, no interior de agência do Banco Itaú, na Avenida Carmindo de Campos, em Cuiabá. O segurança se apresentou à Polícia acompanhado de seu advogado. Após ser ouvido, Alexsandro foi liberado. O delegado Antônio Carlos Garcia, da Homicídios, diz que ainda poderá pedir a preventiva do segurança.

A questão, segundo o depoimento de Alexsandro, já é antiga. Ele disse, em depoimento que começou às 9h30 e vou até o final da manhã, que o empresário o agredia verbalmente. “Vagabundo”, “preguiçoso”, “preto” e “macaco” teriam sido alguns dos adjetivos lançados por Adriano. No dia do assassinato, conforme revelaram as imagens do circuito interno de segurança, não houve discussão; apenas um gesto do empresário e, em seguida, três tiros a queima roupa.

O segurança disse que naquele momento, o empresário, que deixava o banco, apontou para a sua direção e prometeu matá-lo, segundo informou o delegado. “Ele disse que perdeu a cabeça e foi para cima do empresário e atirou” – explicou.

Na seqüência, o segurança bancário atirou contra a porta de vidro e fugiu. Na rua, ele tomou uma motocicleta de assalto, pertencente a Fabricio Paniago. A motocicleta foi abandonada e encontrada dois dias depois. A arma utilizada no crime foi entregue ao advogado Janone Pereira, que a encaminhou para a Polícia.

Alexsandro disse à Polícia que outras pessoas sabiam dos desentendimentos entre ele e o dono do restaurante italiano. “Ele disse que havia comunicado inclusive a sua empresa e pediu para mudar de banco, mas ninguém tomou providências” – informou o delegado. Alexsandro de Farias era funcionário da empresa Brinks Segurança e Transporte de Valores. Até o momento, a empresa não se pronunciou sobre o caso.

Pelo menos mais dez pessoas deverão ser ouvidas antes da conclusão do inquérito. Garcia disse que o vigia foi liberado, mas não descarta a possibilidade de ser pedida sua prisão preventiva. “Não adianta pedir uma prisão apenas para atender a interesses. É preciso elementos e provas robustas para que o Ministério Público possa trabalhar na ação criminal” – explicou o delegado.

Adriano Campos era proprietário do restaurante Adriano, especializado em comida italiana, que fica na Avenida Getúlio Vargas. É considerado um dos mais tradicionais da cidade. O empresário foi sepultado na cidade de Campinas.

Fonte: 24 Horas News

+ sobre o tema

Alabama de John Coltrane, o Jazz contra o racismo

A clássica e triste canção “Alabama” de John Coltrane,...

Assistir a “Que horas ela volta” na Europa: passar vergonha pelo Brasil

"Mas é verdade que no Brasil tem gente que...

Inglaterra estabelece plano de quatro anos para reduzir número de crimes de ódio

Desde que a maioria dos britânicos votou pela saída...

para lembrar

A xenofobia italiana na era Berlusconi

por: Adriano De Bortoli   Gostaria de celebrar a...

Casal é condenado a pagar R$ 8 mil por ofensas racistas

Casal é condenado a pagar R$ 8 mil a...

RACISMO EM ARACAJU: Gilmar quer levar vítima de racismo para falar na Comissão de Direitos Humanos

  Fonte: Faxaju - Na sessão desta quarta-feira (04), o deputado...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=