Senado aprova extensão da Lei Maria da Penha para mulheres transgênero e transexuais

CCJ da Casa aprovou projeto em caráter terminativo; se não houver recurso ao plenário, texto segue para Câmara

por Daniel Carvalo no Folha de São Paulo

Imagem-Divulgacao

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovou nesta quarta-feira (22) um projeto de lei que coloca mulheres transgênero e transexuais sob proteção da Lei Maria da Penha.

O texto foi aprovado em caráter terminativo e, se não houver recursos ao plenário do Senado, segue para a Câmara.

“Embora o foco inicial tenha sido a proteção da mulher, é cediço que o ordenamento jurídico deve acompanhar as transformações sociais. Nesse contexto, entendemos que a Lei Maria da Penha deve ter o seu alcance ampliado, de modo a proteger não apenas as mulheres nascidas com o sexo feminino, mas também as pessoas que se identificam como sendo do gênero feminino, como é o caso de transexuais e transgêneros”, argumentou o ex-senador Jorge Viana (PT-AC), que apresentou o projeto em 2017.

“Estamos falando de conferir a proteção especial da Lei Maria da Penha a pessoas que se enxergam, se comportam e vivem como mulheres, e que, da mesma forma que as que nascem com o sexo feminino, sofrem violência física, psicológica, sexual, patrimonial e moral por parte de parentes, companheiros ou conviventes”, ponderou Viana.

Relatora da proposta na CCJ, a senadora Rose de Freitas (PODE-ES) argumentou em seu parecer favorável ao texto que “temos que efetivamente é chegado o momento de enfrentar o tema pela via do processo legislativo, equiparando-se em direitos todos os transgêneros, através da sugerida alteração da Lei Maria da Penha”.

A proposta de alteração na legislação é simples e diz que o artigo 2º da Lei Maria da Penha passa a informar que “toda mulher, independentemente de classe, raça, etnia, orientação sexual, identidade de gênero, renda, cultura, nível educacional, idade e religião, goza dos direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sendo-lhe asseguradas as oportunidades e facilidades para viver sem violência, preservar sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual e social”.

Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher - Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS
Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher – Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS

+ sobre o tema

Negras são as principais vítimas do crime que mata as mulheres por serem mulheres

(A Pública, 15/03/2016) Negras são as principais vítimas do crime...

Cresce o número de casos de agressão contra mulheres no Brasil

Segundo governo federal, número de denúncias aumentou quase 100%. No...

Nos EUA, meninas africanas relembram dor da circuncisão

Motivo de preocupação de direitos humanos no exterior, mutilação...

para lembrar

Ameaças e violência têm transformado minha vida em uma grande tensão

Dentro da faculdade em que estudo, recebi por meses...

PLP 2.0: aplicativo para o combate à violência contra a mulher é lançado oficialmente

Ferramenta apoiada pela AJURIS passará por período de testes...

Site oferece guia sobre ‘como estuprar uma mulher na UFMG’

Texto afirma que 'a mulher mineira é famosa por...

No ano passado, 29 mulheres mortas na intimidade deixaram 46 crianças órfãs

Menos mulheres foram assassinadas em contexto de violência doméstica...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...

Menina de 15 anos é vítima de estupro coletivo na noite de Natal; amigos são suspeitos, diz polícia

Uma adolescente, de 15 anos, foi estuprada na madrugada de Natal, 25 de dezembro, em Campo Grande (MS). De acordo com a polícia, os suspeitos...
-+=