Senado dos EUA aprova proteção ao casamento gay

Enviado por / FonteDW

Lei de Respeito ao Casamento protege união homossexual e inter-racial. Após derrubada do direito ao aborto pela Suprema Corte, ativistas e políticos progressistas alertaram para a revogação de outros direitos.

O Senado dos Estados Unidos aprovou nesta terça-feira (29/11), um projeto de lei bipartidário para proteger em nível federal casamentos entre pessoas do mesmo sexo e inter-raciais.

Aprovada com 61 votos a favor, incluindo os de 12 republicanos, e 36 contra, a Lei de Respeito ao Casamento agora retornará à Câmara dos Representantes para sua votação final e depois deverá ser sancionada pelo presidente Joe Biden.

“Com a aprovação bipartidária no Senado da Lei de Respeito ao Casamento, os Estados Unidos estão prestes a reafirmar uma verdade fundamental: amor é amor, e os americanos deveriam ter o direito de se casar com a pessoa que amam”, afirmou Biden em comunicado.

O texto aprovado também protege o casamento inter-racial. A Câmara dos Representantes, ainda com maioria progressista, deu seu aval ao projeto em julho, com 267 votos a favor e 157 contra. No Senado, a estreita maioria democrata precisava do apoio de pelo menos dez republicanos para seguir adiante.

Por que o tema está em pauta?

Os casamentos entre pessoas do mesmo sexo e inter-raciais já são legais nos EUA, graças a decisões da Suprema Corte de 2015 e 1967, respectivamente.

No entanto, a mobilização em defesa dessas uniões ganhou força depois que a Suprema Corte, agora controlada por uma maioria conservadora, revogou em junho a decisão “Roe versus Wade”, que por quase meio século protegeu o acesso ao aborto no país.

Desde então, um grande número de ativistas e políticos progressistas tem alertado para a possibilidade de a Justiça reverter outros direitos, como o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e devolver aos estados a atribuição de permiti-lo ou não.

A nova legislação deverá revogar a Lei de Defesa do Casamento aprovada em 1996, que o define como a união entre homem e mulher. Também prevê que os estados reconheçam casamentos independentemente do “sexo, raça, etnicidade ou origem nacional”.

A Lei de Respeito ao Casamento não obriga estados a permitir que casais homossexuais se casem, mas exige que reconheçam todos os casamentos que foram legais onde foram realizados e protejam as uniões atuais caso a decisão da Suprema Corte de 2015 seja derrubada.

Vitória para democratas e ativistas

A aprovação de uma nova lei para proteger os casamentos entre pessoas do mesmo sexo seria uma grande vitória para os democratas e para ativistas que há décadas pressionam por uma legislação federal.

A senadora democrata Tammy Baldwin afirmou que a nova lei daria a “milhões de casais do mesmo sexo e inter-raciais a confiança e a certeza de que precisam de que seus casamentos são e continuarão a ser válidos no futuro”. Baldwin é uma das principais negociadoras do projeto e a primeira pessoa abertamente gay eleita para o Senado dos EUA.

“A história dos Estados Unidos tem sido de uma marcha difícil, mas inexorável, em direção a uma maior igualdade”, disse nesta terça-feira o líder da maioria democrata no Senado, Chuck Schumer, que alertou que “os direitos de todos os casais casados ​​nunca estarão realmente seguros sem as devidas proteções sob a lei federal”.

A votação desta terça-feira ocorreu num momento em que a comunidade LGBTQ enfrenta ataques violentos no país, como o ocorrido no fim de semana passado numa boate gay no Colorado, na qual um atirador matou cinco pessoas.

lf/md (AP, AFP, Reuters, Efe, Lusa)

+ sobre o tema

Sou cineasta negra e quero falar do racismo no audiovisual brasileiro

Há tempos, estamos na luta por outras narrativas possíveis...

O ‘Novo Homem’ nascerá do feminismo

As supostas renovações da masculinidade não têm passado de...

Sexo com robôs: insípido, inodoro e indolor

O interesse dos homens pelos novos robôs sexuais é...

Todos os livros de Judith Butler, gratuitos, para download

Pasta pública na rede disponibiliza a obra completa da...

para lembrar

A agenda das negras é tudo

Diante do passivo acumulado, resolver a demanda das mulheres...

Manual para calouro gera polêmica e repúdio entre estudantes da Unicamp

Atlética emitiu uma nota de retratação para se desculpar...

Acusado de estupro, jovem carioca de classe média alta foge e faz ameaças no Facebook

Lutador de artes marciais, ele espancava e, depois, violentava...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=