Senadores se manifestam em favor de ações de Dilma contra corrupção

Parlamentares de vários partidos se revezaram em discursos na tribuna.

”A sociedade toda quer justiça, ética e dignidade”, disse Pedro Simon.

 

Senadores de vários partidos revezaram-se nesta segunda (15) na tribuna do Senado para discursar em favor de medidas da presidente Dilma Rousseff de combate à corrupção no governo.

Só no Ministério dos Transportes, 24 servidores foram demitidos ou afastados desde que denúncias de irregularidades tiveram início, no início do mês de julho. Entre os que deixaram o cargo está o ex-ministro e senador Alfredo Nascimento. O PR, partido do senador, já deixou o bloco do governo no Senado e ameaça a deixar o bloco também na Câmara.

Na semana passada, a Operação Voucher, da Polícia Federal, prendeu por suspeitas de irregularidade integrantes da cúpula da pasta, como o secretário-executivo, Frederico da Silva Costa, e um secretário do ministério, o ex-deputado federal Colbert Martins (PMDB-BA)

“”É hora de nós empoderarmos a presidente da República para que ela tenha a autonomia política necessária para que implemente essas mudanças e acabe com o fisiologismo político que existe no Congresso Nacional. A presidente tem o poder de interferir nos ministérios quando e sempre que necessário para livrar o país da corrupção””, disse a senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS).

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PT-PE), ocupou a tribuna para pedir apoio aos senadores para as ações de ajuste fiscal defendidas pelo governo. “O que se espera é um apoio às medidas de austeridade do governo”, disse.

Pedro Simon, criticou o discurso de Costa e disse que esperava que o senador falasse sobre as medidas de combate à corrupção. O senador pernambucano respondeu que as medidas da presidente não são novidade.

“”Para mim, não são novidade as ações da presidente Dilma de combate à corrupção. Ela sempre teve essa postura, desde quando era ministra””, disse.

O senador Jorge Viana (PT-AC) defendeu as medidas de combate à corrupção, mas destacou que as ações não podem ser cometidas com abuso. “”Que ninguém cometa, se é que foi cometido, abuso. É preferível sofrer injustiça do que cometer uma injustiça. Essa mistura é muito perigosa””, disse.

O senador Mozarildo Cavalcante (PTB-RR) também subiu à tribuna para manifestar apoio à presidente, e disse que as ações de combate à corrupção devem ser tomadas, independentemente de quem está envolvido. O senador pediu apoio para que o movimento em favor das ações da presidente cresça no Senado.

” A corrupção em qualquer área significa tirar a vida das pessoas […] Portanto, nós temos sim de ter uma postura clara de quem está a favor da decência e de ter um governo como este que não tem medo de demitir A, B ou C. Temos de fazer este movimento crescer. Aqui no Senado, temos a maioria para dar à presidente Dilma esta tranqüilidade”, declarou Cavalcante.

Para o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), “é preciso que neste momento a gente apóie a verdadeira faxina que a presidente Dilma está fazendo na política brasileira””.

Em manifestação durante o discurso de Ferraço, Pedro Simon pediu apoio de outras entidades como a Confederação Nacional dos Bispos (CNBB) e a União Nacional dos Estudantes (UNE) para que o movimento de apoio às medidas da presidente tenha mais força.

O senador Pedro Taques (PDT-MT) pediu a criação de uma frente de combate à corrupção. “”Quem rouba o dinheiro público é lixo. É nojento. A corrupção mata. Ela rouba o futuro das crianças. O que queremos é buscar os princípios da República””, disse o senador.

“”Siga em frente, presidente Dilma. Faxina se faz limpando o que há debaixo do tapete”, afirmou Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

O oposicionista Álvaro Dias (PR), líder do PSDB no Senado, ocupou a tribuna para dizer que não iria aplaudir a presidente Dilma, mas os órgãos responsáveis pelas denúncias de irregularidades.

“”Só o discurso não resolve. Me refiro à própria presidente da República, que se refere a uma limpeza no governo. É retórica, e só retórica não resolve. Hoje eu gostaria de aplaudir, não a presidente Dilma, mas a imprensa do Brasil, a Polícia Federal e a Controladoria da União”, afirmou.ezaram-se nesta segunda (15) na tribuna do Senado para discursar em favor de medidas da presidente Dilma Rousseff de combate à corrupção no governo.

O senador Pedro Simon (PMDB-RS) disse que o objetivo das manifestações é criar um “movimento” de apoio à presidente, que tem sofrido com pressões da própria base aliada.” Segundo Simon, a sociedade brasileira “quer justiça e ética” no combate às irregularidades.

 

Fonte: G1

+ sobre o tema

“Angú Incubado” Por: Zulu Araujo

Para quem não sabe, Angu é uma comida típica...

Obama precisa se justificar perante o Congresso sobre ação militar na Líbia

A Casa Branca enviou, nesta quarta-feira, um dossiê de...

O duplo desafio de Obama

- Fonte: O Estado de São Paulo - Conforme...

para lembrar

ONU convoca brasileiros para combater o racismo

Os superlativos números da violência contra jovens negros no...

O cabelo dos meninos pretos – por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva Algo de sinistro acontecia com os...

Pesquisa Sensus aponta empate entre Serra e Dilma

Pesquisa Sensus encomendada pelo Sintrapav (Sindicato dos Trabalhadores...

Paulo Paim: sim, é possível

Eu sempre penso o Brasil a partir de decisões...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=