Série investiga mulher negra

Nova aposta da HBO, programa de Issa Rae vai além da narrativa de busca de novos amores e foca vida feminina

Do O Tempo

É natural a tentação de se pensar em “Insecure”, nova comédia da HBO, cuja primeira temporada estreou neste mês, incensada pela crítica norte-americana, como uma versão redux, com protagonistas afro-americanos e baseada em Los Angeles, da muy nova-iorquina “Girls”, a premiada produção do mesmo canal. Mas a série bolada por Issa Rae em parceria com Larry Wilmore vai além da narrativa de busca de novos amores, carreira ideal e estabilidade financeira para oferecer algo raro no audiovisual ianque: um raio-x da vida de duas mulheres negras nos dias de hoje em uma grande metrópole ocidental.

“Não sei se é o mesmo no Brasil, mas nos EUA estamos no fundo da pirâmide do interesse da maioria dos homens. Aqui, definitivamente, não somos ‘as tais’”, diz Issa, que segue: “No mundo do hip-hop, quando se chega ao sucesso, o troféu é uma mulher branca. Minha série é, também, uma investigação sobre o lugar do desejo em que se encontram as mulheres negras, inclusive para os homens de cor”.

Hoje com 31 anos, a protagonista de “Insecure”, que vive a insegura e divertidíssima Issa Dae, explodiu na mídia norte-americana em 2011, quando estudava em Stanford. Issa atraiu mais de 200 mil assinantes – e 20 milhões de cliques – para seus vídeos no YouTube com a série “The Misadventures of Awkward Black Girl” (em tradução livre “Os tropeços de uma desajeitada menina negra”), reinventada em livro campeão de vendas no ano passado.

Na série, Issa é a única negra em uma ONG voltada para crianças carentes. Já no primeiro episódio, ela sofre com a percepção dos alunos, encafifados com uma negra “que fala como branca, tem o cabelo curto como se fosse um homem e não é casada, embora já esteja na casa 30 anos”. É este o tom do humor liberto do politicamente correto dos oito episódios de “Insecure”.

“As pessoas me perguntam se a série não tem um nicho muito específico e acho graça: histórias sobre mulheres brancas são contadas a torto e a direito na televisão e no cinema e ninguém diz que elas têm extensão limitada. Por que a minha teria?”, questiona.

De fato, a relação amorosa sem paixão vivida por Issa com Lawrence (Jay Ellis), deprimido, desempregado, que passa o dia no sofá, podia se passar na hipsterlândia do Brooklyn. Enquanto sonha com o muito mais livre e mulherengo Daniel (Y’lan Noel), ela cai na noite hip-hop com Molly (Yvonne Oriji).

Advogada de sucesso que não consegue se acertar no plano amoroso, ela é a principal interlocutora de Issa para discussões tão densas quanto divertidas sobre preconceitos culturais, homofobia, sexismo e misoginia, traduzidos em diálogos tão corajosos quanto desconcertantes. A série passa na madrugada de domingo para segunda-feira, à 0h30.

+ sobre o tema

Veto Já! Contra o golpe em nossos corpos e direitos

Contra o retrocesso, o racismo, a violência e Pelo...

Quase 50 anos depois, clássico da literatura negra chegará ao Brasil

Clássico da literatura negra chegará ao Brasil: chegará às...

estilista baiana, Mônica Anjos, apresenta sua nova coleção em São Paulo

Bazar VIP será promovido, neste sábado dia 9, para...

Rebeca Andrade fica em 5º lugar no solo com Baile de Favela nas Olimpíadas

Um passo. Foi isso que separou Rebeca Andrade de...

para lembrar

1,5 milhão de mulheres negras são vítimas de violência doméstica no Brasil

Elas representam 60% das 2,4 mi de agredidas. Reportagem...

A primeira juíza mulher da NBA e sua história de resistência

“Eu sabia que todo mundo estava esperando que eu...

É Tempo de Anastácia!

Quantas de nós, mulheres negras, ainda somos silenciadas nos...

Maria Júlia Coutinho será a primeira mulher negra a apresentar o Jornal Nacional

Jornalista entra para o rodízio de apresentadores do noticiários...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=