Sessão da Cedaw terá presença do movimento de mulheres

Relatório Alternativo à CEDAW

Nota Informativa – 6 de fevereiro de 2012

Sétimo Relatório Periódico Brasileiro (CEDAW/C/BRA/7),Comitê para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, CEDAW, 51ª sessão – 13 de fevereiro a 2 de março de 2012 – Genebra

Sociedade civil estará presente com informe-sombra

Na terceira semana de fevereiro o governo brasileiro comparece à 51ª Sessão do Comitê das Nações Unidas que avalia o grau de cumprimento da Convenção Sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação – Cedaw, que é considerado o mais importante documento sobre direitos da mulher em âmbito internacional. A cada quatro anos o país deve prestar contas, e ao final recebe recomendações a serem cumpridas no período. Por ser signatário do Protocolo Facultativo, o Brasil é também avaliado pela sociedade civil, através de organizações não governamentais que elaboram um relatório-sombra ou alternativo, no qual estão expostos os argumentos que ajudam o Comitê da Cedaw a elaborar seus comentários e avaliações. Este Comitê condenou o Brasil, em 2011, por considerar que a omissão de atenção à saúde que levou à morte Alyne Pimentel, uma gestante negr a no Rio de Janeiro. O Brasil não vem conseguindo reduzir a mortalidade materna, que é um dos Objetivos do Milênio, sendo criticado pelos organismos internacionais.

O Brasil prestará contas pela terceira vez, sendo a primeira em 2003, a segunda em 2007 e agora em 2012. Um grupo impulsor do movimento de mulheres, composto entre outras organizações, pela Rede Feminista de Saúde Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, o Comitê Latino Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher- Cladem/Brasil e IPAS, coordenou a elaboração de um informe-sombra. Entre as relatoras brasileiras da sociedade civil encontram-se a jornalista e cientista política Telia Negrão, a advogada Carmen Hein de Campos, ambas de Porto Alegre, que estarão presentes na Sessão em Genebra e terão direito à palavra no dia 13 de fevereiro, além da advogada carioca Beatriz Galli. Elas contaram com aportes encaminhados por mais dez redes e organizações, entre as quais a Plataforma Dhesca Brasil, o Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre Mulher e Gênero da UFRGS, as ONGs G estos (PE), Ecos (SP), Themis, Coletivo Feminino Plural (RS), REGES – Rede de Educação Sexualidade e Gênero, Jovens Feministas, Comissão de Cidadania e Reprodução e Ação Educativa (SP).

Embora o texto da Convenção seja composto por mais de vinte artigos que abordam diversos temas, o informe sombra apresentado pelo movimento de mulheres enfocará cinco, de áreas consideradas críticas: violência, poder e decisão, educação, saúde, direitos sexuais e direitos reprodutivos. O documento reconhece a existência de iniciativas e avanços na elaboração de leis e políticas, mas considera que o ritmo da sua implementação é lento, faltando recursos orçamentários e compromissos com a garantia de mudanças profundas na vida das mulheres. A partir da segunda semana de fevereiro, todos os documentos em debate estarão disponíveis no site http://www2.ohchr.org/, das Nações Unidas, servindo de apoio para as discussões.

Maiores informações podem ser obtidas com as relatoras:

Carmen Hein de Campos – 51 96645524 (Cladem/Brasil)

Telia Negrão – 51 81003878 (Rede Feminista de Saúde Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos)

Beatriz Galli – 21 87238223 (IPAS)

 

 

Fonte: Lista Racial

+ sobre o tema

ONGs e Defensoria vão à Justiça contra Faustão por declaração machista

Apresentador, mais de uma vez, já fez comentários machistas...

Mulheres negras enfrentam problemas semelhantes na América Latina

Estudos e especialistas apontam que as mulheres negras vivem...

para lembrar

Homem negro sente dor? — Masculinidade negra, emoções e o cuidado de si.

Sim. Homem negro sente dor. Homem negro sente medo....

ONG denuncia venda de mulheres yazidis pelo Estado Islâmico por até US$ 250

Elas são vendidas para se casarem com seguidores do...

Ler e conhecer “Mulheres negras fazendo história”

Ao fim do primeiro mês de 2013, começa a...
spot_imgspot_img

Defender Maria da Penha é defender a vida das mulheres, os direitos humanos e a democracia

Maria da Penha está sendo ameaçada de morte. Foi necessário que a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, recorresse ao governador do Ceará, Elmano de Freitas,...

Naomi Campbell celebra 40 anos de carreira com exposição em Londres

Para celebrar os 40 anos de carreira, a supermodelo britânica Naomi Campbell, 53, ganhou uma exposição no Museu Victoria & Albert, em Londres, na Inglaterra. Intitulada “Naomi: In...

O pior conselho de carreira que Lupita Nyong’o recebeu após ganhar um Oscar

Após vencer o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante pelo papel em 12 Anos de Escravidão (2013), Lupita Nyong'o recebeu diversos conselhos.  Uma década depois da vitória do prêmio, a atriz relembrou...
-+=