Sete mulheres receberam o I Prêmio Luiza Mahin

A Secretaria de Participação e Parceira (SMPP) promoveu na segunda-feira, 25, a entrega do I Prêmio Luiza Mahin. A cerimônia aconteceu no salão nobre da Câmara Municipal de São Paulo, localizada no Centro da cidade. O prêmio, em homenageou ao Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha,e foi concedido a sete mulheres negras comprometidas com a valorização da cultura negra, a inclusão social e a luta antidiscriminatória, escolhidas a partir de indicações feitas por entidades ligadas ao movimento social negro e às redes sociais negras.

A escolha das sete mulheres foi feita por uma comissão especial composta por representantes da Coordenadoria de Assuntos da População Negra (CONE) e do Conselho Gestor da CONE. As vencedoras ganharam um diploma confeccionado em impresso próprio e uma estatueta estilizada simbolizando Luiza Mahin.

A estatueta, de 20 centímetros de altura feita de bronze e com base em madeira, foi confeccionada pelo publicitário e cartunista Maurício Pestana. As obras do publicitário se caracterizam por abordar o tema da luta em favor dos direitos humanos e da cidadania na sociedade brasileira.

Luiza Mahin

Mulher negra, nascida do século XIX, da tribo Mahin, trazida para Bahia como escrava. Liderou a Revolta dos Malês, uma das maiores rebeliões de escravos ocorridas em solo baiano. Caso o levante dos Malês tivesse sido vitorioso, Luísa teria sido reconhecida como Rainha da Bahia.

Ela foi surpreendida com seu grupo pela força policial, obrigados a se lançarem em combate foram derrotados. Luiza e outras lideranças conseguiram escapar da perseguição, partiu para o Rio de Janeiro, deixando seu filho, Luis Gama – com apenas cinco anos de idade -, aos cuidados do pai.

Com dez anos, a criança foi vendida ilegalmente como escrava, para quitar uma dívida de jogo, e Luiza foi descoberta, detida e, possivelmente, degredada para Angola.

Foram elas:

Ana Maria Araújo Santos, mais conhecida como mãe Ana de Ogum, filha-de-santo de mãe Simplícia de Ogum, da Casa de Oxumare. Iniciada ao culto dos orixás com 16 anos, ela completou 50 anos mantendo viva a tradição do candomblé.

“Obrigada São Paulo por me acolher.”

Fanta Konate, bailarina, coreógrafa e cantora, fundadora da ONG África Viva e fundadora e coordenadora do Instituto Famodou Konatê, com sede em São Paulo.

“Estou tão feliz que nem tenho mais palavras. Esse é o prêmio mais bonito que tive na vida.”

Luislinda Dias de Valois Santos, a primeira mulher negra a entrar para a magistratura no Brasil, em 1984, e a primeira profissional a proferir uma sentença contra o racismo no país.

“Estamos representando milhares de mulheres anônimas. Já estamos libertas. Já votamos. Já somos votadas, mas queremos mais. Tenho certeza de que atrás de mim [na magistratura] vem uma onda negra.”

Mafoane Odara Poli Santos, mestranda em psicologia social na USP, milita nas áreas de juventude, saúde, gênero e raça e coordena o Geração Muda Mundo, programa de juventude da Ashoka Empreendedores Sociais.

“A luta dos direitos civis e sociais é uma luta de todos. Temos muito ainda o que fazer e pensar que não estamos sozinhos.”

Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva, professora titular de ensino-aprendizagem e relações étnico-raciais da Universidade Federal de São Carlos, pesquisadora do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros/UFSCar e coordenadora do Grupo Gestor do Programa de Ações Afirmativas da UFSCar.

“Quero compartilhar este prêmio com todas as professoras negras.”

Sonia Maria Pereira Nascimento, advogada, fundadora do Geledés – Instituto da Mulher Negra, do qual foi presidente por duas gestões. Coordenou os projetos SOS Racismo de Assessoria Jurídica às Vítimas de Discriminação Racial de 1994 a 1998 e o projeto Atendimento Psicossocial às Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Sexual.

“É uma honra receber este prêmio ao lado dessas homenageadas. Dedico o prêmio a todas as promotoras legais.”

Theodosina Rosário Ribeiro, formada em filosofia e direito, foi a primeira mulher negra a se eleger pela Câmara Municipal de São Paulo, em 1968. Teve ainda três mandatos como deputada estadual.

{gallery}mahin{/gallery}

Fonte: AFrobras

Edição Portal Geledés

+ sobre o tema

Demissão após a maternidade: “Não cometi nenhum erro. Eu só gerei uma vida”

Pesquisa aponta que metade das mulheres que engravidam perdem...

Destaque da Vai-Vai Alexandra Loras fala sobre racismo: ‘Ricos veem negros como empregados’

Alexandra Loras, consulesa da França, foi destaque do abre-alas...

Para ministra, autonomia é direito essencial para mulher se desenvolver plenamente

  Médica, divorciada, mãe de dois filhos e feminista, a...

Como tratei dores emocinais de um corpo-mulher-preta com flores folhas

Não foi fácil escrever este texto pra você, pensei...

para lembrar

Presidente de empresa deixa cargo depois que filha lista coisas que ele perdeu

Nos Estados Unidos, o presidente da empresa de gestão...

Mas então, por quê? – Por: Gabi Porfírio

"Você vai acabar solteira, sozinha, sem marido, igual a...

Heterossexualidade e poder

Profa. Dra. Berenice Bento/UFRN* Até pouco tempo escutávamos que “em...

O empoderamento necessário

O termo empoderamento muitas vezes é mal interpretado. Por...
spot_imgspot_img

Elogio ao estupro e ódio às mulheres

Nem sempre é fácil dizer o óbvio. Mesmo porque, quando essa necessidade se impõe é fundamental entender as razões que estão por trás dela. Mas...

Angela Davis: “O desafio é manter a esperança quando não vemos sinais”

Angela Davis, filósofa professora americana, é como uma estrela de rock do ativismo pelos direitos humanos e do movimento negro. Sua popularidade atravessa gerações...

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...
-+=