Seu Jorge: ‘Era muito humilhado na escola’

Em entrevista ao band.com.br, Seu Jorge conta o preconceito que sofreu

Por: Vanessa Lorenzini

Não dá para fugir a uma conversa complexa com Seu Jorge. Mesmo questionado sobre música ou cinema, ele cita uma quantidade de nomes, lugares e histórias de impressionar. Imagine então quando a entrevista aborda temas sociais sérios do Brasil, sociedade, oportunidade e preconceito.

“Quando eu era criança, só tínhamos eu e meus irmãos de negros na escola. Naquela época não havia tolerância com a gente, nós éramos muito atacados, muito humilhados”, contou em entrevista ao Portal da Band nos bastidores do programa “Agora é Tarde”.

O artista – que é cantor, compositor, ator e produtor – desejou inicialmente ser músico para se tornar popular no colégio, que tinha uma banda. Como ele escolheu um instrumento caro, o saxofone, esse sonho ficou interrompido até os 20 anos de idade.

Neste meio tempo, ele trabalhou nas mais diversas áreas e passou um período morando na rua. A iniciação artística se deu através do violão, este sim um instrumento de fácil adesão, com o objetivo de fazer amizades. “Eu queria me socializar, falar com as pessoas. O violão me levou para o teatro, que contribuiu demais para o meu aperfeiçoamento como ser humano e profissional”, comentou.

A despeito das dificuldades, Seu Jorge superou o destino e morou dez anos fora do Brasil, lançou hits de sucesso – como “Burguesinha” e “Mina do Condomínio” -, atuou em diversos filmes e hoje tem uma carreira internacional. “Eu acredito no Brasil, eu acredito no povo brasileiro. As oportunidades estão escassas, sim, mas as coisas melhoraram pra mim, não é mesmo? Por que não podem melhorar para os outros?”, questionou.

Mesmo nesta posição otimista, ele admite que a sociedade está longe de ser igualitária e justa. “Se eu estou andando em um shopping chique, sou o Seu Jorge. Se eu e meu irmão andarmos em um shopping chique, somos dois negros”, disse.

“O racismo está aí. Aliás, não só o preconceito racial como também o social. Mas eu acredito que sonhar é fundamental”, acrescentou. Para exemplificar as restrições impostas a alguns grupos sociais, o cantor citou a propaganda, que dificilmente contrata um negro para ser o rosto de uma marca.

Seu Jorge, que fará um show aqui em São Paulo no próximo dia 05 de maio, deve em especial à música o seu reconhecimento. Segundo ele, é a maneira que encontrou de sustentar a sua família e dar o melhor para os seus filhos. “A música é uma mulher linda, gostosa e rica. Eu tive sorte de casar com essa mulher e de ela me dar um ninho de confiança”, afirmou.

Serviço:

Onde: Via Funchal (Rua Funchal, 65, Vila Olímpia, São Paulo – SP)

Quando: 05 de maio, às 22h

Quanto: de R$ 90 a R$ 150 (há meia-entrada pra estudantes com carteirinhas e pessoas aposentadas e/ou com mais de 60 anos com o documento em mãos)


 

 

 

Fonte: Band

+ sobre o tema

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos...

Meu cabelo não é ruim! por Sou Yawo

Até quando? Posted by Sou Yawo on Domingo, 29 de novembro...

Policial acusado de racismo não admite crime em Londrina

Representantes do Centro de Direitos Humanos (CDH) de Londrina...

Ação de Flávio Bolsonaro derruba lei de cotas em concursos públicos no Rio de Janeiro

Em ação proposta pelo deputado estadual Flávio Bolsonaro...

para lembrar

Dona de café tem placa a avisar clientes que é negra

A proprietária de um café em Inglaterra colocou...

‘A vida de uma galinha de macumba vale mais do que a de jovens negros’

O advogado Hédio Silva Jr. aponta racismo na tentativa...

Bancário se recusa a atender cliente por ser negra em MS, diz delegada

Mulher tentou fazer cadastro biométrico para sacar dinheiro. Fato foi...
spot_imgspot_img

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...

A falácia da proteção à vida

A existência de uma lei não é condição suficiente para garantir um direito à população. O respaldo legal é, muitas vezes, o primeiro passo...

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...
-+=