SP: sindicato protesta contra trabalho escravo em rede varejista

 

O Sindicato dos Comerciários de São Paulo protestou nesta quinta-feira, em frente a uma unidade da loja Pernambucanas, no centro da capital paulista, após a divulgação de denúncias de trabalho análogo à escravidão na cadeia produtiva da rede. “Nós temos esse compromisso, em toda e qualquer situação que aparenta situações graves como essa, de fazer manifestações para conscientizar a sociedade”, disse o presidente do sindicato, Ricardo Patah.

Como as Pernambucanas se recusaram a assinar um termo de ajuste de conduta (TAC), o Ministério Público do Trabalho (MPT) entrou, na semana passada, com uma ação civil pública contra a empresa. De acordo com a autora da ação, a procuradora Valdirene Silva de Assis, investigações feitas entre agosto de 2010 e março de 2011 constataram o uso sistemático do trabalho análogo à escravidão pelos 200 fornecedores têxteis das lojas.

Os fornecedores, de acordo com o MPT, contratam pequenas oficinas para confeccionar as roupas encomendadas pela rede. “Esse modo de produção é uma forma de tentar eximir o dono da cadeia produtiva da sua responsabilidade”, ressaltou o a procuradora. Nesses locais, segundo o MPT, os trabalhares, na maioria bolivianos, cumprem jornadas de até 16 horas, em condições insalubres, com pagamentos irrisórios. Na última fiscalização feita em uma dessas oficinas, 16 pessoas foram libertadas, incluindo dois adolescentes.

O MPT aguarda a resposta do pedido de tutela antecipada feito na ação judicial. Caso a solicitação seja aceita, as Pernambucanas terão que agir imediatamente para impedir as irregularidades na cadeia produtiva. “O essencial é que coíba desde o início a prática do trabalho escravo, impeça a contratação de trabalhadores em situação irregular no País e zele pelo ambiente, tanto de trabalho como o alojamento desses trabalhadores e suas famílias”, ressaltou Valdirene.

A rede Pernambucanas informou, por meio de nota, que já adota uma série de procedimentos para coibir práticas irregulares de seus fornecedores. A empresa sustenta que tem “uma equipe interna de auditores que trabalham com dedicação exclusiva na avaliação das práticas adotadas por seus fornecedores; nessa frente, também conta com serviços de certificação de entidades reconhecidas nacional e internacionalmente”. Segundo o comunicado, a rede deixou que a situação fosse levada à esfera judicial para “manter íntegro o seu entendimento dos fatos”.

 

 

 

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Estudo no RJ mostra que maioria da população de rua não bebe nem usa drogas

Pesquisa constata ação equivocada de agentes da prefeitura, com...

Brasileiros são os que mais temem tortura na prisão

Oito em cada dez brasileiros temem ser vítimas de...

NOTA FÚNEBRE

Mais um ato de execução sumária empreendido pela PM...

Ministra Eleonora Menicucci critica médico que não faz aborto legal

Para secretária de Políticas para Mulheres, profissional que não...

para lembrar

Unesc cria primeiro Grupo de Pesquisa em Saúde da População Negra do Sul de SC

Professores e profissionais realizarão estudos na região Por Milena Nandi, do...

Professores e intelectuais promovem boicote à revista Veja

Em petição online, os profissionais pedem à comunidade acadêmica...

Ministério dos Direitos Humanos cria instância para discutir escravidão

O Ministério dos Direitos Humanos criou uma instância especial...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=