Su Tonani nega ter sido amante de José Mayer e se defende de acusações

A figurinista Su Tonani resolveu não prestar queixa por assédio contra José Mayer. Por conta disto, ela sofreu uma série de ataques e cobranças que achou por bem responder nesta sexta-feira (05), no blog feminista da Folha #AgoraÉQueSãoElas. O mesmo blog em que a figurinista fez a denúncia.

Da Revista Fórum 

A figurinista Su Tonani resolveu não prestar queixa por assédio contra José Mayer. Por conta disto, sofreu uma série de ataques e cobranças que achou por bem responder hoje, no blog feminista da Folha #AgoraÉQueSãoElas. O mesmo em que a figurinista fez a denúncia.

No texto, logo de saída ela responde as principais acusações que recebeu: “Não, eu não fui amante de José Mayer. Declaro que não fiz acordo com nenhuma parte envolvida e muito menos recebi algum dinheiro. Não fui demitida da Rede Globo. O meu contrato, como o previsto, se encerrou com o final da novela”.

Antes de reviver a sua história, a jovem destaca que não retirou queixa contra José Mayer “pelo simples fato de que nunca a fiz”.

A partir deste ponto, relembra o calvário e o liga às acusações recentes: “Eu fui vítima de assédio sexual. E agora estou sendo vítima novamente. Das especulações que colocam dúvidas sobre a minha dor. E me fazem revivê-la”.

Ela prossegue: “Em 31 março de 2017, depois de oito meses sendo assediada pelo ator José Mayer, depois de ter levado minha denúncia de assédio às instâncias de poder ao meu alcance e não ter encontrado justiça, depois de ver o medo dos colegas de testemunhar o que viram, sentindo que não tinha mais a quem recorrer, decidi. Sem nenhum outro recurso à minha disposição, optei por tornar pública minha denúncia no blog feminista #AgoraÉQueSãoElas. Um espaço que me acolheria”.

“A clara sensação que tive após a publicação do meu relato, genuinamente acolhido pelas feministas foi: a minha coragem trouxe vida às memórias de abusos enterrados pelas mulheres no fundo do que são. Como já vimos acontecer com o #PrimeiroAssédio. Foi como se meu grito tivesse acordado a dor de outras. Foi como se o meu grito tivesse se tornado o de todas nós. Isso empodera. Mas assusta”.

“O meu objetivo ao expor a minha historia foi sair da invisibilidade, romper o silenciamento imposto, transcender este lugar de vítima que me era insuportável. Sou apenas uma profissional, que cansada de ser desrespeitada, lutou pelo que acredita. Por que incomodou tanto o meu silêncio pós-relato? Talvez porque eu não tenha cumprido o papel da oportunista exibicionista que o patriarcado esperava. Talvez porque não tenha sido a liderança, o exemplo que queriam que eu fosse. Desculpe desapontar estas e estes”.

E então, ela encerra:

“Me orgulho de ter contribuído como pude para isso. E agora quero seguir”, acrescentou.

“Reservo a mim o direito de encerrar esse assunto. Chego ao final da minha jornada. Estou no limite da minha capacidade emocional de seguir na linha de frente dessa luta. Peço que respeitem os meus limites, violados anteriormente, quando tudo isso começou. Outras podem assumir a frente dessa luta. E eu me comprometo a sempre apoiá-las, assim como fui apoiada por tantas”, finalizou.

Relembre o caso

Em março deste ano, a figurinista da Globo Su Tonani, acusou o ator José Mayer de assédio sexual. O caso teve grande repercussão e legou a Globo a afastar Mayer da próxima novela e a um pedido de desculpas público por parte do ator.

*Com informações do blog #AgoraÉQueSãoElas

+ sobre o tema

Fim do feminicídio está associado a mudança cultural, dizem participantes de audiência

Mudanças socioculturais são necessárias para acabar com a violência...

Vitória em Goiás, derrota em São Paulo: “resoluções” de casos de estupro

Universidade Federal de Goiás demite professor acusado de estupro,...

Violência de gênero é tema de debate gratuito no Campo Limpo, em São Paulo

No dia 11 de setembro, terça-feira, o Usina de Valores e...

Lugar mais perigoso para mulheres é a própria casa, diz ONU

Segundo o relatório, assassinatos cometidos por parceiros ou familiares...

para lembrar

Por que as mulheres vão ao banheiro juntas

As mulheres vão ao banheiro juntas. Não importa que...

Facebook apresenta novas ferramentas para prevenir o assédio

O Facebook anunciou outras alternativas para combater o assédio...

Após MeToo, universidades brasileiras ainda enfrentam barreiras no combate ao assédio

Mesmo após a repercussão dos movimentos na esteira do MeToo e...

TST aponta novo tipo de assédio: o dano existencial

Um novo tipo de assédio já está sendo julgado...
spot_imgspot_img

Duas em cada três mulheres já sofreram algum tipo de assédio em SP – YouTube

Duas em cada três mulheres já sofreram algum tipo de assédio na capital paulista. O dado é da rede nossa São Paulo, que em...

Duas em cada três mulheres já sofreram assédio na cidade de São Paulo

Duas em cada três mulheres já sofreram algum tipo de assédio na capital paulista, número que representa cerca de 3,4 milhões de pessoas. O...

Sete em cada 10 mulheres têm medo de assédio no carnaval

No Brasil, país que, até a atualidade, tem sua imagem muito associada ao carnaval, metade (50%) das mulheres já foi vítima de assédio sexual...
-+=