Em carta, José Mayer admite que errou e pede desculpas por assédio sexual

José Meyer pede desculpas por assédio Foto: Rede Globo/Divulgação
por Michael Sá e Thayná Rodrigues no Extra

Acusado de abuso sexual pela figurinista Su Tonani, de 28 anos, José Mayer se manifestou sobre o assunto através de uma carta aberta enviada ao EXTRA na tarde desta terça-feira. No comunicado, o ator, de 67 anos, admite que errou e pede desculpas.

“Eu errei. Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava. A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora”, diz um trecho do texto.

José Mayer confirma que fez brincadeiras de cunho machistas com a figurinista, mas ressalta que não tinha a intenção de ofendê-la.

“Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço”, continuou José Mayer, sem especificar que tipo de atitudes cometeu.

No comunicado, o ator disse ser “um fruto de uma geração machista”, mostrou-se arrependido e se comprometeu a mudar de postura.

“Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são. A única coisa que posso pedir a Susllen, às minhas colegas e a toda a sociedade é o entendimento deste meu movimento de mudança”.

Veja a carta na íntegra:

Carta aberta aos meus colegas e a todos, mas principalmente aos que agem e pensam como eu agi e pensava:

Eu errei. Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava. A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora

Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço.

Tenho amigas, tenho mulher e filha, e asseguro que de forma alguma tenho a intenção de tratar qualquer mulher com desrespeito; não me sinto superior a ninguém, nao sou.

Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são.

Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender. O mundo mudou. E isso é bom. Eu preciso e quero mudar junto com ele.

Este é o meu exercício. Este é o meu compromisso. Isso é o que eu aprendi.

A única coisa que posso pedir a Susllen, às minhas colegas e a toda a sociedade é o entendimento deste meu movimento de mudança.

Espero que este meu reconhecimento público sirva para alertar a tantas pessoas da mesma geração que eu, aos que pensavam da mesma forma que eu, aos que agiam da mesma forma que eu, que os leve a refletir e os incentive também a mudar.

Eu estou vivendo a dolorosa necessidade desta mudança. Dolorosa, mas necessária.

O que posso assegurar é que o José Mayer, homem, ator, pai, filho, marido, colega que surge hoje é, sem dúvida, muito melhor.

José Mayer

+ sobre o tema

Mãe Stella: O futuro a Deus pertence

Todo início de ano, que é entendido pela população...

‘Preta, pobre e periférica, não imaginei estar numa galeria de arte’, diz artista

Jennifer Borges, 28, ou simplesmente J. Lo, nasceu e...

Para mulheres asiático-americanas, racismo e machismo são inseparáveis

Depois que oito pessoas, seis delas mulheres asiáticas, foram...

Uganda desiste de aplicar pena de morte para homossexuais

Governo não vai mais propor ao Parlamento esse tipo...

para lembrar

Bahia: Olívia Santana é a nova secretária estadual de Mulheres

A presidente do PCdoB em Salvador e ex-vereadora da...

Depois de uma vida na prisão e ser libertada, americana comete suicídio

História de Paula Cooper, condenada ainda adolescente, mostra os...

O baile de máscaras “Bem Te Viu, Bem Te Vê”, na Savassi – por Fátima Oliveira

Quem não foi, perdeu! O quarteirão do Ronaldo Fraga, emoldurado...

Pesquisadora questiona abordagem a mulheres negras em livros didáticos

Segundo educadora, personagens são colocadas como vítimas e subalternas. Tese...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=