Atrizes da TV Globo fazem campanha contra assédio sexual

Manifestações aconteceram após José Mayer ser acusado por figurinista; emissora diz que caso será apurado, ‘para que a verdade aflore’

por O Globo

Na manhã desta terça-feira, figurinistas, diretoras, atrizes e outras funcionárias da TV Globo se reuniram da emissora no antigo Projac, em Jacarepaguá, num ato de apoio à figurinista Su Tonani, que acusa o ator José Mayer de assédio sexual. A manifestação começou às 10h, simultaneamente ao uso das hashtags “mexeu com uma, mexeu com todas” e “Chega de assédio” em redes sociais. Sem mencionar o nome de José Mayer, várias atrizes, entre elas Sophie Charlotte, Drica Moraes, Alice Wegman e Tainá Müller postaram fotos em suas redes sociais vestindo camisetas com a frase “mexeu com uma, mexeu com todas”. Gloria Pires, Grazi Massafera, Bruna Marquezine, Camila Pitanga e Taís Araujo compartilharam a frase.

Em comunicado, a Globo informou que “decidiu não escalar José Mayer para a próxima novela das nove de Aguinaldo Silva, prevista para ir ao ar em 2018. Essa é uma atitude isenta e responsável da Globo de não dar visibilidade a uma das partes envolvidas numa questão que é visceralmente contra tudo em que a Globo acredita. E não é uma atitude isolada. A atitude da Globo será sempre essa. A de defender que casos como esse devem ser apurados, ouvindo e oferecendo todo apoio às duas partes, dando possibilidade para que a verdade aflore e criando condições para que não se repitam. Foi isso que fizemos. E é isso que sempre faremos”.

O assunto foi discutido na segunda-feira, em uma reunião na casa da atriz Taís Araújo. O encontro contou com a participação de um representante da Globo, que explicou as providências que estão sendo tomadas.

Após o ato de funcionárias nos estúdios da emissora na manhã desta terça, a comunicação da Globo soltou o seguinte comunicado:

“Temos conhecimento dessa iniciativa e ela é bem recebida, pois está absolutamente alinhada com as crenças e os valores da empresa. Nós, assim como nossos funcionários, defendemos a transparência, a liberdade de expressão e a mobilização para as causas nas quais acreditamos. Nossos funcionários e funcionárias que vierem vestidos com a camiseta terão como companhia nossos executivos e diretores. Com ou sem camiseta, o respeito é uma causa comum a todos. Não tem como ser diferente.”

+ sobre o tema

UFMG recebe acervo com cópias completas de escritos de Carolina Maria de Jesus

Material será doado pelo o historiador José Carlos Sebe...

Formiga: a gigante quase invisível do nosso futebol

Imagine o seguinte cenário: você está com 16 anos,...

A criação literária como forma de resistência de mulheres negras

Pesquisa apresentada em artigo se baseou em depoimentos de...

Uma carta de amor para as minhas amigas negras

Existem muitas pessoas bonitas no mundo , a beleza...

para lembrar

@surfistasnegras – Remando contra acorrente

Você já parou para pensar por que não há...

Respeito à mulher. Entre nesse bloco

Respeito à mulher. Entre nesse bloco
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=