Sudão criminaliza mutilação genital feminina

Enviado por / FontePor France Presse, no G1

O Conselho Soberano, máxima autoridade do governo do Sudão, aprovou nesta sexta-feira (10) uma lei que criminaliza a mutilação genital feminina, prática ancestral muito usada no país, anunciou o Ministério da Justiça.

O Conselho, integrado por autoridades militares e civis, aprovou uma série de leis, entre elas a que tipifica como crime a mutilação feminina, prática que “atenta contra a dignidade da mulher”, segundo o comunicado do ministério.

Em maio passado, o governo havia votado uma emenda ao código penal que condena a até três anos de prisão e multa quem adotar a prática. “A mutilação dos genitais da mulher passa a ser considerada crime e qualquer pessoa que a praticar será condenada a até três anos de prisão”, assinala o texto da lei. A clínica ou local onde a mutilação for realizada poderão ser fechados.

O anúncio é feito mais de um ano após a queda, em abril de 2019, do regime de Omar el Beshir, sob pressão de uma revolta popular. Ele governou o país durante 30 anos, após um golpe de Estado liderado por islamitas, e havia descartado um projeto de lei contra a mutilação em 2015.

As mulheres sudanesas tiveram um papel de destaque na revolta, que levou, após a queda de Beshir (atualmente preso), à formação, em agosto de 2019, de um governo de transição para um poder civil.

+ sobre o tema

Casa Marielle é inaugurada no Rio com exposição permanente sobre a história da vereadora

Foi inaugurada, na tarde deste domingo, a "Casa Marielle",...

Ser Miss Brasil importa

Não faltam negras lindas no Brasil. O que sobra...

Seis mulheres são vítimas de feminicídio a cada hora no mundo, diz ONU

Relatório indicou que 58% de todos os assassinatos em...

Dione Moura: a professora que transformou a vida de jovens negros no país

A trajetória da professora Dione Moura é feita de...

para lembrar

Release: Lançamento oficial do livro – reportagem Mulheres Agredidas que Revidam

Obra fruto de pesquisa, realizada pela jornalista Andreia Barros....

Michelle Obama é a mulher mais admirada do mundo, diz pesquisa

No ano passado, a vencedora tinha sido Angelina Jolie Do...

Sueli Carneiro é primeira negra a ter título de honoris causa da UnB

A Universidade de Brasília (UnB) deu o título de doutora honoris...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=