segunda-feira, julho 13, 2020

    Tag: Música africana

    (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press.)

    Conheça Tiganá Santana, primeiro brasileiro a compor em línguas africanas

    Cantor e filósofo, Tiganá é o primeiro compositor brasileiro a apresentar canções autorais em línguas africanas Por Hellen Leite, do Correio Brasiliense "Justamente por viver na pele um Estado racista é preciso retomar as línguas africanas, trazer esses pensares e reafirmar que somos pessoas e temos alma", Tiganá Santana(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press.) Cantor, compositor, filósofo, pesquisador. Aos 36 anos, o baiano Tiganá Santana divide seu tempo entre Salvador, Brasília, São Paulo e as viagens internacionais para promoção das suas músicas e pesquisas acadêmicas. O músico compõe e canta em kikongo, kimbundu (línguas da Angola e do baixo Congo), português, inglês, espanhol e francês, e foi o primeiro compositor brasileiro a gravar canções em línguas africanas. A história de Tiganá com a filosofia, a música e a ancestralidade começa muito cedo. Aos 9 anos, sonhava em ser escritor e até venceu um concurso literário na escola com ...

    Leia mais
    Fela Kuti no início dos anos 80/GETTY IMAGES

    O indomável Fela Kuti. A história do Presidente Negro que fez da música uma arma

    Criador do afrobeat, referência maior da música africana, progenitor de Seun e Femi Kuti, Fela Anikulapo Kuti completaria esta segunda-feira 80 anos se estivesse vivo. Recordamos o gerador de uma obra imensa que continua a inspirar gerações de músicos, mas também um homem controverso que soube desafiar o poder indomitamente. Na sua música ferve o majestoso espírito de África e um universal apelo à elevação da condição do homem Por RUI MIGUEL ABREU, do BLITZ  Fela Kuti no início dos anos 80/GETTY IMAGES Se umas vidas renderam filmes, outras houve que, talvez de forma ainda mais extraordinária, mereceram musicais da Broadway. É o caso da incrível história de Olufela Olusegun Oludotun Ransome-Kuti, músico nascido em 15 de outubro de 1938 em Abeokuta, cidade de uma Nigéria que à época era ainda uma colónia britânica. O mundo haveria de o conhecer como Fela Ransome Kuti, primeiro, Fela Anikulapo Kuti, ...

    Leia mais
    blank

    A musicalidade negra como resistência

    Há mais de 500 anos, todo o saber negro foi, violentamente, sequestrado da África. Transformados/as em mercadoria, homens e mulheres africanos/as foram escravizados/as, violentados/as, invisibilizados/as nas Américas para o enriquecimento da Europa. por Maíra Neiva Gomes no História Incomum Esses/as homens e mulheres tinham todo o conhecimento sobre o trabalho em agricultura e mineração, que desenvolveram ao longo de milhares de anos. Mas, além de ser a eles/as negada a condição de seres humanos, dignos/as de respeito, todo seu saber acumulado foi apropriado pelos colonizadores-escravistas. Para sustentar a desumana estrutura escravocrata foi construída uma imagem social de que o/a negro/a eram seres pré-humanos, irracionais, violentos/as e que deveriam ser controlados/as. Essa imagem ainda é forte socialmente e é sob esse olhar preconceituoso que a cultura negra é analisada e segregada. A musicalidade é um dos instrumentos mais fortes da cultura afro. Desde antes da escravização, ainda na África, músicas marcavam ...

    Leia mais
    blank

    MBIRACLES: A difusão da comovisão bantu no Brasil através da música de MBIRA

    A MBIRA foi o primeiro lamelofone (instrumento com teclas de metal e um suporte de madeira) a surgir na África – mais especificamente, ao norte do Zimbábue, às margens do rio Zambeze. Por Luiza Nascimento para o Portal Geledés    Desde então, ela tem sido utilizada pela comunidade shona (grupo etnolinguístico prevalecente no Zimbábue) como veículo de comunicação com os ancestrais em rituais chamados de Bira. Daí o nome Mbira dzaVadzimu – que significa “Mbira dos Ancestrais”. É através da execução de temas tradicionais (que remontam a uma linguagem melódica imemorial) que os shonas atraem os espíritos de seus antepassados para a dimensão dos vivos, onde o tempo sagrado é, então, instaurado.   Instrumento nacional   O grande símbolo do Zimbábue, portanto, não é o ancião que governa o país há 37 anos, como nos faz crer o noticiário internacional acerca da África, ou a riquíssima fauna sob a mira de caçadores ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    blank

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist